Opinião

Preenchimento de queixo sem bisturi

Publicado

na

Seu contorno facial te incomoda? Saiba que a queixa é bem comum, para muitos a insatisfação grita quando o perfil parece mais deficiente de queixo, em alguns casos a face frontal também perde beleza. Mas, a boa notícia é que para revolucionar a estética facial não é preciso se submeter a uma cirurgia, que inclui cortes, valores agregados e a insegurança do resultado. Graças a harmonização facial a conquista de um novo contorno é possível em 20 minutos de consultório, sem nenhum procedimento invasivo.
A satisfação plena de uma nova face com um queixo maior e mandíbulas perfeitas para a nova moldura é possível através de preenchedores, como o ácido hialurônico, ele é perfeito para atingir o ideal de uma remodelação do queixo, empregando apenas anestesia local e o preenchedor, claro que o olhar clinico do profissional é o que também difere no resultado, a análise perfeita das métricas da face define a excelência desta harmonização, que não exige nem mesmo que o paciente se afaste de suas funções após se submeter ao procedimento, diante da tamanha simplicidade do processo.
A técnica é tão avançada que os preenchedores operam milagres nesta transformação facial, sendo possível projetar, arredondar, redefinir assimetrias, e ou alongar o queixo. E o melhor de tudo é resultado é imediato. Tenho muita estima na realização deste procedimento, pois ele é transformador, a sensação de felicidade dos pacientes irradia o consultório. Imagine que em muitos casos os pacientes sofreram anos com a aparência, e agora um procedimento tão simples pode riscar um passado de insatisfação.
Não pense que é exagero sofrer com um contorno não bem definido ou um queixo sem expressão, saiba que o queixo é uma parte extremamente importante para definir o contorno facial. Quando o queixo tem a proporção ideal deixa a face mais harmônica e proporciona jovialidade e imponência. Pare de sofrer se seu queixo é muito para dentro ou mais para fora. A harmonização facial nasceu em berço esplêndido de transformação da face e da autoestima, um novo você esta a sua disposição com segurança e rapidez.

Leia Também:  Brasil — Vocação para o progresso

Nayara Cerutti, odontóloga com atuação em harmonização facial

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opinião

O Filho morreu, e daí?

Publicado

na

Por Rui Matos

 “Tudo o que fomos permanece na despedida. O que juntamos é o que vai na partida”

Quando a voz de besouro do locutor da única rádio da pacata cidadezinha nos cafundós do interior rasgou a madrugada anunciando que já era quase cinco horas da manhã, Zé e Mané já estavam na pracinha do centro. Centro e periferia se confundiam, separados apenas por uma rua calçada com pedras irregulares.

Sentados no banco de cimento que ainda não estava marcado pelo cocô dos pombos, mantinham-se atentos ao que ouviam apesar do chiado que partia de forma impositiva de outro combalido rádio que descansava preguiçosamente sobre o balcão da padaria. Das duas faces da porta de madeira do estabelecimento, apenas uma estava aberta permitindo que a voz rouca com a notícia triste tomasse a rua junto com o filete de luz que clareava a calçada.

Era o anúncio da morte de Filho. Burburinhos já se formavam nas esquinas e os moradores debruçados nas janelas se encarregavam de espalhar a notícia que todos já sabiam.

– Perder o Filho foi triste, né?

– Deixe de ser Mané. O doutorzinho não está nem ai. Lamentar por quê?

Leia Também:  Tire o “S” da CRISE

– Você se acha o Zé, né? Insensível. Ele tirou o Filho das ruas e o criou. Não foi assim? – questionou Mané com o coração em pedaços, após também quase encontrar a morte pela contaminação com o Coronavírus.

O sol já queimava o rosto e o lero-lero entre Zé e Mané continuava. A voz mansa deu lugar a gritos que saltavam das bocas sem receio de incomodar as senhoras que se amontoavam logo atrás para ouvir a blá-blá-blá. Foi quando Mané olhou sobre os ombros e tomou para si o controle da falação, fazendo o grupo se dispersar.

– Já viu o doutorzinho levar o Filho pra passear na praça?

– Putz! Não. Nunca vi. Mas acho que a culpa foi da Covid-19, que espantou quase todos das ruas – justificou com os braços abertos, enfiando a cabeça entre os ombros.

– Das poucas vezes que o vi com o Filho, o pobre coitado estava fedendo de tão sujo.

– Ô Mané!!! Foi a Covid que o deixou assim, todo meloso? Ou está se sentindo vítima por morar na periferia?

– Ora, ora! Como se morar no centro fizesse alguma diferença. Talvez tenha sido sim, a Covid. Vi pela televisão que muita gente morreu. Eu mesmo quase parti dessa vida. Logicamente que mudei minha forma de pensar e agir depois de tudo isso. Sobrevivi, né?

Leia Também:  MTI abre seleção para o preenchimento de 30 vagas de estágio

– Então! – completou Zé com semblante de riso.

– Então nos preocupamos cada um por si e nos esquecemos do coletivo. Filho era parte dessa cidade e nos trouxe muitas alegrias. Estou errado?

– Errado não está, mas também não está certo. Afinal, Filho não foi mais importante do que qualquer outro finado durante essa pandemia – esbravejou ao se levantar, batendo a poeira da bunda com as mãos.

– Ao menos, Filho me fazia rir, brincava comigo. Até falava alguma coisa quando escapulia pelo portão, acho! – acreditou Zé, olhando Mané abrir a boca para interrompê-lo.

– Certamente o doutorzinho irá arrumar outro vira-lata. Filho morreu, e dai? Estamos vivos. A vida continua – sentenciou.

– E daí, que tudo o que fomos permanece na despedida. O que juntamos é o que vai na partida. A saudade fica, até mesmo a de um vira-lata. Que Deus o tenha.

 – Bora trabalhar, pois, sol madrugueiro não dura o dia todo – disseram juntos.

 Rui Matos é jornalista e escritor – Instagram: @rui.matos.escritor

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA