Destaque

Prefeitura oferece tratamento contra o tabagismo; saiba onde procurar ajuda

Publicado

na

A Prefeitura de Cuiabá, através da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), oferece tratamento contra o tabagismo aos pacientes que buscam se livrar desse vício, através de grupos de Terapia Cognitiva e Comportamental (TCC), nas unidades básicas de saúde dos seguintes bairros: Cidade Verde, Quilombo, Tijucal, Despraiado, Santa Terezinha, Bela Vista, Jardim Fortaleza e Santa Laura.

No Programa Municipal de Cessação ao Tabagismo, os pacientes participam de grupos para cessação do hábito de fumar e têm acesso a medicamentos e práticas integrativas e complementares em saúde (PICS). De acordo com a responsável técnica do programa, Silvana Ferreira, o objetivo é reduzir a prevalência de fumantes e a consequente morbimortalidade relacionada ao consumo de derivados do tabaco. “Em relação aos grupos de tabagismo, a cidade, hoje, conta com oito unidades cadastradas realizando grupos de combate ao tabagismo, atendendo em torno de 100 pacientes. Estamos quase finalizando o projeto para iniciação dos grupos na própria sede da Secretaria Municipal de Saúde e em andamento para firmar parcerias com as residências terapêuticas de saúde mental, para tratar os dependentes de nicotina”, explica.

Leia Também:  PF prende empresários em operação contra tráfico de drogas em MT

O tratamento 

No caso dos iniciantes, as reuniões acontecem em quatro etapas. Na primeira, o fumante aprende porque fuma e como isso afeta sua saúde. Na segunda, ele aprende a lidar com os primeiros dias sem cigarro e os sintomas da síndrome de abstinência. Na etapa seguinte, a reunião destaca os desafios para permanecer sem cigarro e esses são colocados em prática, como, por exemplo, a realização de atividades físicas. Finalizando, no quarto encontro do grupo, o diálogo gira em torno dos benefícios indiretos e, em longo prazo, ao parar de fumar, como a melhora da autoestima e a diminuição do risco de doenças do coração.

Após os quatro módulos, o paciente passa a utilizar a goma de mascar e o adesivo de nicotina, que auxilia a parar de fumar, reduzindo os sintomas da síndrome de abstinência. O tratamento completo dura cerca de um ano.

A coordenadora Silvana Ferreira salienta que, após a suspensão dos atendimentos eletivos por conta da pandemia de covid-19, as atividades foram retomadas em janeiro deste ano. “Estamos no empenho de preparar os nossos profissionais de saúde para que o programa se expanda a mais unidades do município. As equipes, compostas por médicos, enfermeiros, dentistas e técnicos, irão participar de uma capacitação sobre a abordagem ativa contra o tabaco, que ocorrerá nos dias 01 e 02 de setembro”, afirma.

Leia Também:  Para Bolsonaro, ‘entendimento’ com presidentes do STF, da Câmara e do Senado sinaliza ‘dias melhores’ para o pais

Os interessados em participar do tratamento para parar de fumar, devem se dirigir às unidades básicas de saúde citadas anteriormente mais próximas de suas casas e solicitar o cadastro. Mais informações podem ser obtidas pela coordenação do Programa Municipal de Cessação ao Tabagismo, pelo telefone 3617-7364.

 

Destaque

Com pedido de vista no STF, composição da mesa diretora da ALMT pode ser alterada

Publicado

na

Após abrir divergência no julgamento sobre a reeleição para a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), o ministro Gilmar Mendes pediu vista do processo, que está em análise no plenário virtual do Supremo Tribunal Federal (STF). O pedido de vista foi apresentado nesta terça-feira (21).

A ação foi apresentada em março deste ano, após a reeleição do deputado estadual Eduardo Botelho (DEM) para seu terceiro mandato como presidente da Assembleia Legislativa. Nove dias após a proposição, o ministro Alexandre de Moraes concedeu liminar impedindo a posse de Botelho, o que levou à realização de uma nova eleição da Mesa Diretora da ALMT.

Proposta pela Procuradoria-Geral da República (PGR), a ação questionava a possibilidade de múltiplas reeleições para o mesmo cargo na Mesa Diretora, apontando que a Constituição Federal impedia este tipo de conduta no Congresso Nacional. Assim, as casas legislativas estaduais e municipais deveriam seguir o mesmo entendimento, permitindo apenas uma reeleição para o mesmo cargo de um membro da Mesa Diretora.

O processo foi a julgamento virtual pela primeira vez em 11 de junho, mas foi suspenso devido a um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes, o decano da corte, que não havia apresentado seu voto até então.

Leia Também:  Governo de Mato Grosso debate novas medidas contra a covid-19 com Poderes e prefeitos

O julgamento virtual retomado na última sexta-feira, 17 de setembro, ocasião em que o ministro Gilmar Mendes abriu divergência do relator do caso, Alexandre de Moraes. Mendes manteve a maior parte da decisão do relator, que limitou a uma única reeleição, mas abriu brecha para que Botelho pudesse ser reconduzido à Presidência.

“Ante o exposto, divirjo em parte do Ministro Relator e julgo procedente o pedido para conferir interpretação conforme a Constituição Federal […] e estabelecer que é permitida apenas uma reeleição ou recondução sucessiva ao mesmo cargo da Mesa Diretor, mantida a composição da Mesa de Assembleia Legislativa eleita antes da publicação do acórdão da ADI 6524 (06/04/2021)”, disse Gilmar em seu voto.

Antes do pedido de vistas, o ministro Ricardo Lewandowski acompanhou o voto de Gilmar Mendes, estabelecendo o placar de 2 a 1 para a decisão que permite a recondução de Botelho à presidência da Assembleia.

Não há data para a retomada do julgamento. Falta ainda a manifestação de sete ministros.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA