Destaque

Tá na história: A primeira fábrica de gelo de Mato Grosso

Publicado

na

Fechou as portas em maio de 2021, a primeira fábrica de gelo de Mato Grosso, a Frigo-Gêlo. O início dos problemas, se deu pela compra de uma máquina a qual infelizmente não funcionou.

Posteriormente, surgiram vários outros problemas advindos da pandemia, o forte da referida indústria, era a venda no atacado. Os proprietários lutaram até  chegar à exaustão para não fechar um local que faz parte da história. Apesar de todos os esforços, não encontraram jeito de superar todos os óbices e de muita luta, infelizmente fecharam um dos grandes pilares da história de uma empresa e uma família cuiabana.

A referida fábrica de gelo do bairro Verdão foi fundada em 1977, pelo empreendedor Srº Doacy Oliveira (in memorian) e serviu para cooperar na preservação dos pescados frescos em abundância em Cuiabá.

Posteriormente, virou um ponto de referência comercial com vendas no atacado e também no varejo. A Frigo-Gêlo foi a primeira planta industrial em larga escala na produção de gelo em Mato Grosso. O encerramento das atividades, além de ser negativo para a nossa economia, é também, constrangedor…e triste, principalmente para os familiares que se dedicaram ao trabalho duro nessa indústria. Com certeza, as memorias deixadas pelo bom trabalho prestado, e pelo marco na história, que talvez seja considerado a melhor e mais produtiva parte de suas vidas.

Leia Também:  Estudantes do ensino médio produzem vídeos como aulas práticas de química

Deixamos a nossa torcida para que talvez o Governo do Estado, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, se comova coma essa parte tão emblemática da nossa história. E que, através dos velhos empreendedores, trouxeram esse ”boom” do desenvolvimento econômico para Mato Grosso.

NÃO DEIXEM UMA EMPRESA QUE FOI LÍDER NO SEGUIMENTO À ÉPOCA EVAPORE

Acorda, Mato Grosso

Destaque

Com pedido de vista no STF, composição da mesa diretora da ALMT pode ser alterada

Publicado

na

Após abrir divergência no julgamento sobre a reeleição para a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), o ministro Gilmar Mendes pediu vista do processo, que está em análise no plenário virtual do Supremo Tribunal Federal (STF). O pedido de vista foi apresentado nesta terça-feira (21).

A ação foi apresentada em março deste ano, após a reeleição do deputado estadual Eduardo Botelho (DEM) para seu terceiro mandato como presidente da Assembleia Legislativa. Nove dias após a proposição, o ministro Alexandre de Moraes concedeu liminar impedindo a posse de Botelho, o que levou à realização de uma nova eleição da Mesa Diretora da ALMT.

Proposta pela Procuradoria-Geral da República (PGR), a ação questionava a possibilidade de múltiplas reeleições para o mesmo cargo na Mesa Diretora, apontando que a Constituição Federal impedia este tipo de conduta no Congresso Nacional. Assim, as casas legislativas estaduais e municipais deveriam seguir o mesmo entendimento, permitindo apenas uma reeleição para o mesmo cargo de um membro da Mesa Diretora.

O processo foi a julgamento virtual pela primeira vez em 11 de junho, mas foi suspenso devido a um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes, o decano da corte, que não havia apresentado seu voto até então.

Leia Também:  Novo Hospital Universitário Júlio Müller será o maior de Mato Grosso

O julgamento virtual retomado na última sexta-feira, 17 de setembro, ocasião em que o ministro Gilmar Mendes abriu divergência do relator do caso, Alexandre de Moraes. Mendes manteve a maior parte da decisão do relator, que limitou a uma única reeleição, mas abriu brecha para que Botelho pudesse ser reconduzido à Presidência.

“Ante o exposto, divirjo em parte do Ministro Relator e julgo procedente o pedido para conferir interpretação conforme a Constituição Federal […] e estabelecer que é permitida apenas uma reeleição ou recondução sucessiva ao mesmo cargo da Mesa Diretor, mantida a composição da Mesa de Assembleia Legislativa eleita antes da publicação do acórdão da ADI 6524 (06/04/2021)”, disse Gilmar em seu voto.

Antes do pedido de vistas, o ministro Ricardo Lewandowski acompanhou o voto de Gilmar Mendes, estabelecendo o placar de 2 a 1 para a decisão que permite a recondução de Botelho à presidência da Assembleia.

Não há data para a retomada do julgamento. Falta ainda a manifestação de sete ministros.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA