Destaque

Prefeito Emanuel Pinheiro pede mais vacinas contra a covid-19 em virtude da realização da Copa América em Cuiabá

Publicado

na

Com o foco de proteger a saúde da população cuiabana contra o coronavíus, o prefeito Emanuel Pinheiro anunciou, na manhã desta quarta-feira (2), que vai solicitar ao governo federal uma compensação em forma de mais remessas de vacinas contra a covid-19, já que Cuiabá foi escolhida como uma das sub-sedes da Copa América, que terá início no próximo dia 13. Na terça-feira (1º), quando foi divulgado que partidas ocorreriam na Arena Pantanal, o gestor á se manifestou contrário, mas destacou que a Prefeitura não tem ingerência no assunto, uma vez que a Arena Pantanal é gestão do governo estadual.

“Já que decidiram Cuiabá como uma das sub-sedes da Copa América, então que pelo menos contemple as cidades-sede com um lote maior para imunizar a população. O deputado federal Emanuelzinho já marcou uma reunião com o general Luiz Eduardo Ramos, ministro-chefe da Casa Civil, para que ele possa pelo menos contemplar Cuiabá e a as cidades-sede”, disse o prefeito aos jornalistas, na manhã desta quarta-feira (2).

Leia Também:  Empréstimo consignado deve ficar favorável pelos próximos meses

Pinheiro disse ainda que solicitou a secretária municipal de Saúde, Ozenira Félix, que faça o levantamento de quantas doses são necessárias para vacinar toda a população da capital. “Meu foco é proteger a população cuiabana e a primeira medida, que o Emanuelzinho já está tomando, é pelo menos compensar Cuiabá e já até mandei a secretária de Saúde levantar qual a quantidade necessária para imunizar toda a população cuiabana e o Emanuelzinho vai levar esse pleito”.

O prefeito ainda reforçou que não se opõe a nada que possa beneficiar Cuiabá, como é o caso de um evento internacional, no entanto, entende que o momento atual não é propício. “Tudo aquilo que for bom para Cuiabá eu me alinho para trazer. Aquilo que eu considero desaconselhável, como é o caso da Copa América, eu tenho que me posicionar. Nós vivemos uma pandemia. Toda ação e energia da classe política deve ser na busca de vacinas, vacinar toda a população e no tratamento das pessoas infectadas. Fazer um grande espetáculo neste momento eu entendo desaconselhável pelo momento de agitação social que vai se criar, que a gente não sabe as proporções, em memória dos entes queridos que partiram devido à pandemia e por conta deste momento que estamos vivendo”, avalia.

Destaque

Com pedido de vista no STF, composição da mesa diretora da ALMT pode ser alterada

Publicado

na

Após abrir divergência no julgamento sobre a reeleição para a Mesa Diretora da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), o ministro Gilmar Mendes pediu vista do processo, que está em análise no plenário virtual do Supremo Tribunal Federal (STF). O pedido de vista foi apresentado nesta terça-feira (21).

A ação foi apresentada em março deste ano, após a reeleição do deputado estadual Eduardo Botelho (DEM) para seu terceiro mandato como presidente da Assembleia Legislativa. Nove dias após a proposição, o ministro Alexandre de Moraes concedeu liminar impedindo a posse de Botelho, o que levou à realização de uma nova eleição da Mesa Diretora da ALMT.

Proposta pela Procuradoria-Geral da República (PGR), a ação questionava a possibilidade de múltiplas reeleições para o mesmo cargo na Mesa Diretora, apontando que a Constituição Federal impedia este tipo de conduta no Congresso Nacional. Assim, as casas legislativas estaduais e municipais deveriam seguir o mesmo entendimento, permitindo apenas uma reeleição para o mesmo cargo de um membro da Mesa Diretora.

O processo foi a julgamento virtual pela primeira vez em 11 de junho, mas foi suspenso devido a um pedido de vista do ministro Gilmar Mendes, o decano da corte, que não havia apresentado seu voto até então.

Leia Também:  Operação integrada evita fuga na penitenciária de Rondonópolis

O julgamento virtual retomado na última sexta-feira, 17 de setembro, ocasião em que o ministro Gilmar Mendes abriu divergência do relator do caso, Alexandre de Moraes. Mendes manteve a maior parte da decisão do relator, que limitou a uma única reeleição, mas abriu brecha para que Botelho pudesse ser reconduzido à Presidência.

“Ante o exposto, divirjo em parte do Ministro Relator e julgo procedente o pedido para conferir interpretação conforme a Constituição Federal […] e estabelecer que é permitida apenas uma reeleição ou recondução sucessiva ao mesmo cargo da Mesa Diretor, mantida a composição da Mesa de Assembleia Legislativa eleita antes da publicação do acórdão da ADI 6524 (06/04/2021)”, disse Gilmar em seu voto.

Antes do pedido de vistas, o ministro Ricardo Lewandowski acompanhou o voto de Gilmar Mendes, estabelecendo o placar de 2 a 1 para a decisão que permite a recondução de Botelho à presidência da Assembleia.

Não há data para a retomada do julgamento. Falta ainda a manifestação de sete ministros.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA