Destaque

Rotas alternativas para trafegar próximo a trincheira Jurumirim são definidas

Publicado

na

As rotas alternativas para motoristas que pretendem transitar pela trincheira Jurumirim- (Av. Miguel Sutil) – sentido Av.do CPA/Coxipó e sentido  Fernando Corrêa/ Av. do CPA – no período em que ela passará por uma obra de reparo já foram definidas.

A obra é de responsabilidade do Governo do Estado – via Secretaria de Estado de Infraestrutura (Sinfra) e estão autorizadas a partir do dia 7 de junho, conforme anunciado pelo prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, caso as sinalizações e reparos das vias alternativas tenham sido realizadas.
Membros da Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) estiveram reunidos com os responsáveis pela empresa que fará a execução da obra e com representantes da Sinfra para traçar  o trajeto alternativo. A pasta de mobilidade informa que o “trajeto é alternativo” e não um “desvio obrigatório”. As vias laterais, chamadas de marginais, estarão abertas. Já a parte inferior da trincheira, chamada de “mergulho”, será totalmente fechada.
“A Semob fez a exigência para a execução dos reparos da via e sinalização, para facilitar a  vida dos condutores. É de responsabilidade do Governo do Estado a realização de implantação de faixas e demais sinalizações para comunicar os condutores. A Semob estará presente no local para ajudar a organizar o trânsito”, avisou a diretora de Engenharia da Semob, Adrielle Martins.
A Trincheira deve ser interditada  – pelo Governo do Estado  – por um período estimado de sete meses para que seja corrigido um problema no sistema de drenagem de águas pluviais. A previsão é que, somente na parte inferior, deva ser retirado cerca de 1,5 metro de solo e substituído por outro de melhor qualidade. Essa obra foi orçada em R$ 50,5 milhões e  estava no pacote das grandes obras de mobilidade que seriam entregues em 2014 – antes dos jogos da Copa do Mundo – a Capital foi uma das subsedes. A trincheira foi entregue somente em  2016.
Leia Também:  Governo aguarda apoio para interdição da trincheira do Tijucal

Destaque

Prefeitura implanta placas orientativas para motoristas que transitam nas proximidades dos parques

Publicado

na

A Prefeitura de Cuiabá, por meio da Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob), implantou placas orientativas aos motoristas que transitam nas proximidades dos parques Tia Nair – na Avenida Érico Preza, bairro Jardim Itália e do  Parque das Águas – Avenida Hermina Torquarto da Silva, no Centro Político Administrativo. As orientações são para a redução de velocidade a 30 km/h e o alerta quanto à presença de capivaras e outros animais que podem atravessar as vias.

Há tempos, a Prefeitura vem recebendo reclamações referentes a maus-tratos aos animais, atropelamentos e ainda, muitas capivaras estariam morrendo de fome por causa do crescimento urbano das regiões onde já foi somente mata.

Para preservar a vida dos animais,  o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, pediu para que a Secretaria de Meio Ambiente do Município acione veterinários, biólogos e consulte a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) para que realizem estudos para saber se existe a possibilidade de remoção das capivaras que estão nos parques públicos para outros lugares mais apropriados.

“É preciso olhar com mais cuidado para a causa animal. As placas orientativas visam alertar os motoristas quanto a velocidade nas vias onde há grande fluxo de animal. O objetivo é evitar acidentes e atropelamentos. Na minha gestão já aprovamos leis e criamos outras, que está em fase de regulamentação, para à preservação do animal”, enfatizou Pinheiro.

Leia Também:  Cinco pessoas são presas por embriaguez durante Operação Lei Seca

Dentre as leis sugeridas em prol dos animais está a Lei 436/17,de proteção aos animais, Lei 6423/19, do protetor independente, Lei 6439/ 19, do animal comunitário, Lei 6492/19, monitoramento através de câmeras em pet shop, Lei 6512/20, da circulação de veículo de tração animal em vias de perímetro urbano e Lei 6549/20, que proíbe o animal em corrente curta.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA