Destaque

Ricardo Salles e presidente do Ibama são alvos de operação que investiga exportação ilegal de madeira

Publicado

na

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Eduardo Bim, são alvos de uma operação, nesta quarta-feira (19), que investiga a exportação ilegal de madeira para Estados Unidos e Europa.

A operação foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que também determinou a quebra dos sigilos bancário e fiscal de Salles, o afastamento preventivo de Bim do comando do Ibama e o de outros nove agentes públicos que ocupavam cargos e funções de confiança nos órgãos.

G1 tenta contato com as defesas do ministro e do chefe do Ibama, além de um posicionamento dos órgãos ambientais. Por volta das 8h, Salles chegou na superintendência da PF em Brasília.

Foram afastados os servidores do IBAMA e do Ministerio do Meio Ambiente:

  • Eduardo Bim
  • Leopoldo Penteado
  • Vagner Tadeu Matiota
  • Olimpio Ferreira Magalhães
  • João Pessoa Riograndense Moreira jr
  • Rafael Freire de Macedo
  • Leslie Nelson Jardim Tavares
  • Andre Heleno Azevedo Silveira
  • Arthur Valinoto Bastos, analista
  • Olivaldi Alves Azevedo Borges

    Na operação, Alexandre de Moraes determinou ainda a suspensão imediata da aplicação de um despacho emitido em fevereiro de 2020, que permitiu a exportação de produtos florestais sem a necessidade de emissão de autorizações de exportação.

    “Estima-se que o referido despacho, elaborado a pedido de empresas que tiveram cargas não licenciadas apreendidas nos EUA e Europa, resultou na regularização de mais de 8 mil cargas de madeira exportadas ilegalmente entre os anos de 2019 e 2020”, informou a PF.

     

    Polícia Federal cumpre mandados durante operação que investiga a exportação ilegal de madeira para Estados Unidos e Europa — Foto: TV Globo/Reprodução

    Polícia Federal cumpre mandados durante operação que investiga a exportação ilegal de madeira para Estados Unidos e Europa — Foto: TV Globo/Reprodução

    Ao todo, 160 policiais federais cumprem 35 mandados no Distrito Federal, no Pará e em São Paulo, incluindo endereços residenciais do ministro Salles em São Paulo, no imóvel funcional em Brasília e no gabinete da pasta de Meio Ambiente no Pará.

    Operação Akuanduba

    As investigações iniciaram em janeiro, segundo a Polícia Federal, a partir de informações “obtidas de autoridades estrangeiras” que noticiavam um “possível desvio de conduta de servidores públicos brasileiros no processo de exportação de madeira”.

    Segundo a PF, Akuanduba, que dá nome à operação, é uma divindade da mitologia indígena que habita o estado do Pará. Segundo a lenda, se alguém cometesse algum excesso, contrariando as normas, a divindade fazia soar uma pequena flauta, restabelecendo a ordem.

    Fonte: G1
Leia Também:  Assessores econômicos de pré-candidatos participam de debate

Destaque

O Legislativo foi fundamental para consolidar a ferrovia estadual, afirma Max Russi

Publicado

na

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Max Russi (PSB) está otimista, quanto a valorização dos produtos em todo o Estado, por meio da melhoria da logística de transporte, com a implantação da malha ferroviária. O desenvolvimento social, com a geração de postos de trabalho, também foi destacado pelo parlamentar.

O presidente do Parlamento, ressaltou que o Legislativo está sendo fundamental para a consolidação da ferrovia estadual em Mato Grosso. Durante a solenidade para assinatura do contrato de construção, implantação e exploração do complexo ferroviário, que vai interligar Cuiabá a Rondonópolis, bem como Rondonópolis com Nova Mutum e Lucas do Rio Verde. Os atos oficiais aconteceram nesta segunda-feira (20).

Max Russi disse que o Parlamento foi responsável pela aprovação da Lei, que possibilitou com que o governador Mauro Mendes continuasse as tratativas, que asseguram juridicamente todos os encaminhamentos para o início das obras.

O deputado citou a Proposta de Emenda à Constituição 16/2020, que criou a possibilidade de que o governo pudesse construir e explorar, de forma direta, a malha ferroviária no estado.

Leia Também:  ASSISTÊNCIA SOCIAL DE CUIABÁ: Inscrições para o processo seletivo começam nesta segunda-feira

Esse é um avanço gigantesco e vai agregar valor à nossa produção. A Assembleia foi importantíssima nesse projeto, apresentando a PEC, aprovando por meio de todos os deputados e dando ao Governo do Estado a condição de trazer a primeira ferrovia estadual”, complementou.

Max Russi acredita que a malha viária, que será denominada Ferrovia Autorizada de Transporte Olacyr de Moraes (FICO) além de gerar mais de 240 mil empregos diretos e indiretos, vai fomentar principalmente o agronegócio e a indústria, além de resultar em insumos com preços mais competitivos. “Vai sobrar dinheiro no bolso do mato-grossense e isso será um grande ganho social”, avalia.

O projeto da ferrovia estadual prevê investimento de R$ 11,2 bilhões para a sua implantação.

Participam ainda dos eventos de assinatura, que tiveram início na capital cuiabana e foram finalizamos em Lucas do Rio Verde, senadores, deputados federais, deputados estaduais, secretários de Estado, representantes da Rumo Logística e autoridades dos municípios, por onde está prevista a passagem da ferrovia.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA