Destaque

Ministério da Saúde muda orientação e pede que municípios garantam 2ª dose de vacinas

Publicado

na

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, disse nesta terça-feira (27), que  a Capital garante a segunda dose da vacina para quem foi imunizado com a primeira. Nesta segunda-feira (26), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, orientou na comissão do Senado que discute medidas de combate à pandemia, que  os  municípios de todas as cidades brasileiras a “mudem de tática”  e não apliquem todas as doses enviadas porque existem dificuldades na entrega da CoronaVac.

“Tem nos causado certa preocupação a CoronaVac, a segunda dose. Tem sido um pedido de governadores e  prefeitos, porque, se os senhores lembram, cerca de um mês atrás se liberou as segundas doses para que se aplicassem e agora, em face de retardo de insumo vindo da China para o Butantan, há uma dificuldade com essa 2ª dose”, alertou Queiroga em entrevista.
O prefeito lembra que na Capital, foram espalhadas  informações falsas de que o município estaria estocando imunizantes.  “Há tempos venho alertando que é preciso garantir a 2ª dose,pois, quem tomou a primeira, é automaticamente dona da segunda. Não dá para aplicarmos todas as doses, e o que estou precavendo está ocorrendo em vários municípios que limitaram ou suspenderam a imunização por falta de doses para a segunda aplicação do imunizante”, citou o prefeito.
Atualmente são cinco  pontos de vacinação instalados pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), em Cuiabá.  São eles: estacionamento do Sesi Papa; Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Centro de Eventos do Pantanal,  Sesc Balneário e estacionamento da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (AL-MT). Até esta terça-feira (27) foram de 114.091 doses de imunizantes já foram aplicados na capital,  sendo 85.658  na primeira dose e  na segunda dose foram 28.433 vacinados.
Leia Também:  Unidade Siminina recebe aula sobre prevenção da violência infantil

Destaque

O Legislativo foi fundamental para consolidar a ferrovia estadual, afirma Max Russi

Publicado

na

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Max Russi (PSB) está otimista, quanto a valorização dos produtos em todo o Estado, por meio da melhoria da logística de transporte, com a implantação da malha ferroviária. O desenvolvimento social, com a geração de postos de trabalho, também foi destacado pelo parlamentar.

O presidente do Parlamento, ressaltou que o Legislativo está sendo fundamental para a consolidação da ferrovia estadual em Mato Grosso. Durante a solenidade para assinatura do contrato de construção, implantação e exploração do complexo ferroviário, que vai interligar Cuiabá a Rondonópolis, bem como Rondonópolis com Nova Mutum e Lucas do Rio Verde. Os atos oficiais aconteceram nesta segunda-feira (20).

Max Russi disse que o Parlamento foi responsável pela aprovação da Lei, que possibilitou com que o governador Mauro Mendes continuasse as tratativas, que asseguram juridicamente todos os encaminhamentos para o início das obras.

O deputado citou a Proposta de Emenda à Constituição 16/2020, que criou a possibilidade de que o governo pudesse construir e explorar, de forma direta, a malha ferroviária no estado.

Leia Também:  STF age para sanar vícios e criar consenso em torno do inquérito das fake news

Esse é um avanço gigantesco e vai agregar valor à nossa produção. A Assembleia foi importantíssima nesse projeto, apresentando a PEC, aprovando por meio de todos os deputados e dando ao Governo do Estado a condição de trazer a primeira ferrovia estadual”, complementou.

Max Russi acredita que a malha viária, que será denominada Ferrovia Autorizada de Transporte Olacyr de Moraes (FICO) além de gerar mais de 240 mil empregos diretos e indiretos, vai fomentar principalmente o agronegócio e a indústria, além de resultar em insumos com preços mais competitivos. “Vai sobrar dinheiro no bolso do mato-grossense e isso será um grande ganho social”, avalia.

O projeto da ferrovia estadual prevê investimento de R$ 11,2 bilhões para a sua implantação.

Participam ainda dos eventos de assinatura, que tiveram início na capital cuiabana e foram finalizamos em Lucas do Rio Verde, senadores, deputados federais, deputados estaduais, secretários de Estado, representantes da Rumo Logística e autoridades dos municípios, por onde está prevista a passagem da ferrovia.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA