Destaque

Após alta de novos casos, Cuiabá zera fila de espera por UTI Covid

Publicado

na

Pela primeira vez neste ano, após nova alta nos casos de infecções e mortes por Covid-19, Cuiabá zerou fila de espera por leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) covid em Mato Grosso. Até a manhã desta quinta-feira (22), já não havia nenhum morador de Cuiabá nela, e contava apenas com 13 pacientes, no entanto no início da noite já não havia mais nenhum morador aguardando por leito, de acordo com a Central de Regulação de Urgência e Emergência.

“É com uma alegria que não cabe no peito, que recebo esta notícia. Estamos vivendo em tempos difíceis, mas eu acredito e tenho fé que ainda vamos melhorar mais, e conseguir desocupar ainda mais os leitos de enfermarias e UTIs da Capital. A vacinação está fluindo bem, e com a ampliação de novos polos de imunização, a tendência é só diminuir os casos de Covid, não só na nossa Capital, mas no Estado inteiro”, comemorou o prefeito Emanuel Pinheiro. Para poder atender as vítimas da pandemia, Cuiabá atuou com 155 leitos exclusivos de UTI para Covid19.

Leia Também:  Gastos com campanha para prefeito em Cuiabá tem teto de R$ 10 milhões

Desde o início do mês de março, onde surgiu uma nova onda de pessoas que contraíram o vírus, que as filas de UTIs Covid não paravam de crescer, diariamente eram mais 100 pessoas de todo o Estado, que aguardavam por um leito. Quase todos os dias havia mais de 180 na fila, mas o pico ocorreu mesmo quando 214 pessoas estavam na lista de espera.

Esse número só começou a cair há cerca de uma semana. Na segunda-feira (12), por exemplo, foi a primeira vez que a Capital registrou um número abaixo de 100 na lista de espera. Havia 83 pessoas. Na terça (13), 83, na quarta (14), 80, na Quinta (15), 68, na sexta (16), 39, e assim sucessivamente. Nesta semana o número caiu mais ainda e até ontem (21), havia apenas 24 pessoas na lista de espera por UTIs.

Ao analisar outros pontos, é possível verificar que Cuiabá apresenta melhora em outros aspectos relativos à covid-19. Por exemplo, no final de março deste ano, quando houve o pico de mortes, o Hospital Referência à Covid-19 (antigo Pronto Socorro) chegou a ficar com 98% de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Adulto. Nesta quinta-feira (22), a ocupação é de 75%.

Leia Também:  Prefeitura e Governo promovem o Mutirão Socioassistencial de Serviços de Cidadania

Também é possível observar que as internações e mortes por covid-19 de pessoas acima de 80 anos de idade reduziu na capital. Os cuiabanos dessa faixa etária são os únicos do grupo de idosos que já receberam as duas doses da vacina contra a covid-19 há mais de um mês, ou seja, já passaram pelo período de produção de anticorpos. Nesta quinta (22), somente uma idosa acima de 80 encontra-se internada no Hospital Referência à Covid-19 e dois idosos de Cuiabá nessa faixa etária no Hospital São Benedito.

Destaque

LINHA DURA: Juíza mantém prisão de 14 acusados de integrar quadrilha em MT

Publicado

na

A juíza Ana Cristina Mendes manteve a prisão de 14 dos 15 alvos da Operação Renegados na audiência de custódia realizada durante toda a tarde de terça-feira (4) no Fórum em Cuiabá.

Eles são suspeitos de integrarem uma organização criminosa composta, entre outros membros, por policiais civis e militares. O grupo é acusado de crimes como concussão, corrupção, peculato, roubo e tráfico.

Apenas a acusada Kelle de Arruda Santos teve prisão preventiva convertida em domiciliar. Ela alegou ser mãe de uma criança com comorbidades e menor de 12 anos.

A magistrada submeteu a acusada a um série de medidas restritivas, inclusive o uso de tornozeleira eletrônica.

A operação foi deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) e Polícia Judiciária Civil para o cumprimento de 22 mandados de prisão contra policiais civis e militares, criminosos, e até mesmo a namorada de um investigador. Sete dos alvos ainda não foram encontrados.

Informações iniciais contam que 12 dos alvos foram encaminhados para o Centro de Custódia de Cuiabá.

Outros dois presos, tratam-se de policiais militares, sendo que um deles foi encaminhado ao Batalhão da Rotam (Rondas Ostensivas Tático Móvel), e outro para Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Praças.

Leia Também:  Covid-19: a luta continua

“Renegados”

A Operação Renegados foi deflagrada pelo Gaeco em parceria com a Corregedoria da Polícia Civil. Ao todo, foram expedidos 44 mandados judiciais, sendo 22 deles de prisão.

Segundo apurou o MidiaNews, o grupo de policiais presos é suspeito de extorquir ladrões e traficantes usando informações repassadas por “olheiros remunerados” em bairros de Cuiabá.

Eles arregimentavam os olheiros – geralmente jovens criminosos – pagando-lhes uma quantia periódica. Em troca, estas pessoas avisavam os policiais sobre a chegada de carregamento de drogas ou a presença de carros roubados em algum imóvel do bairro.

Com a informação, ainda conforme o apurado pela Reportagem, os policiais davam o flagrante nas quadrilhas e exigiam dinheiro, joias e até droga para não apreender o produto ilícito nem prender os bandidos.

Parte dos policiais presos nesta terça-feira tinha bastante tempo de corporação e era lotada na Terceira Delegacia de Cuiabá, que fica no Coxipó.

Por: MidiaNews

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA