Destaque

Caixa começa a pagar 9ª e última parcela do auxílio emergencial

Publicado

na

A Caixa Econômica começa a pagar a nona e última parcela do auxílio emergencial nesta quinta-feira (10).

Recebem primeiro, como nos outros meses, os beneficiários do Bolsa Família. O calendário segue até o dia 23 de dezembro, de acordo com o final do NIS.

Para os demais grupos, como informais e inscritos no CadÚnico, a liberação da nona parcela na poupança digital começa no domingo (13) e vai até dia 29.

Nesta fase, ocorre o depósito no Caixa Tem.

Saques e transferências poderão ser feitos entre 19 de dezembro e 27 de janeiro de 2021.

O auxílio emergencial começou a ser pago em abril como ajuda no enfrentamento da crise da Covid-19.

As cinco primeiras parcelas foram de R$ 600 e, as quatro últimas, chamadas de extensão, são de R$ 300.

Mães chefes de família têm direito à cota dupla (R$ 1.200 e R$ 600).

As datas de pagamentos dos últimos lotes são as mesmas para os beneficiários nascidos no mesmo mês.

As parcelas que eles irão receber, no entanto, variam em relação à ordem numérica, quantidade e valor.

Essa variação ocorre devido à data de solicitação e ao tempo que o governo demorou para analisar e revisar os pedidos dos cidadãos. Os primeiros aprovados, em abril, recebem agora a nona parcela. Quem começou a receber em maio, terá apenas até a oitava parcela, e assim por diante.

Os beneficiários que passaram a receber o auxílio em outubro e novembro, por outro lado, recebem só até a quinta parcela, no valor de R$ 600 cada.

Apesar de ganharem uma bolada no último lote, já que os pagamentos serão quitados de uma vez, eles ficarão sem as quatro parcelas extras de R$ 300.

Beneficiários ainda podem tentar receber Quem teve o auxílio negado, bloqueado ou cancelado terá novos prazos de contestação, feita pelo site da Dataprev.

O primeiro caso é de quem teve a extensão de R$ 300 cancelada. Para esse público, as contestações poderão ser feitas até dia 18.

A segunda situação é quem teve o auxílio de R$ 600 cancelado por irregularidades. O último caso é para quem foi considerado inelegível para a extensão do auxílio de R$ 300.

 

Leia Também:  Bandidos explodem caixas e portas do banco Bradesco em MT; veja fotos
Por Laísa Dall’Agnol
Da Folhapress – São Paulo

Destaque

O Legislativo foi fundamental para consolidar a ferrovia estadual, afirma Max Russi

Publicado

na

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Max Russi (PSB) está otimista, quanto a valorização dos produtos em todo o Estado, por meio da melhoria da logística de transporte, com a implantação da malha ferroviária. O desenvolvimento social, com a geração de postos de trabalho, também foi destacado pelo parlamentar.

O presidente do Parlamento, ressaltou que o Legislativo está sendo fundamental para a consolidação da ferrovia estadual em Mato Grosso. Durante a solenidade para assinatura do contrato de construção, implantação e exploração do complexo ferroviário, que vai interligar Cuiabá a Rondonópolis, bem como Rondonópolis com Nova Mutum e Lucas do Rio Verde. Os atos oficiais aconteceram nesta segunda-feira (20).

Max Russi disse que o Parlamento foi responsável pela aprovação da Lei, que possibilitou com que o governador Mauro Mendes continuasse as tratativas, que asseguram juridicamente todos os encaminhamentos para o início das obras.

O deputado citou a Proposta de Emenda à Constituição 16/2020, que criou a possibilidade de que o governo pudesse construir e explorar, de forma direta, a malha ferroviária no estado.

Leia Também:  Na contramão do Banco do Brasil, Caixa anuncia abertura de 75 novas agências

Esse é um avanço gigantesco e vai agregar valor à nossa produção. A Assembleia foi importantíssima nesse projeto, apresentando a PEC, aprovando por meio de todos os deputados e dando ao Governo do Estado a condição de trazer a primeira ferrovia estadual”, complementou.

Max Russi acredita que a malha viária, que será denominada Ferrovia Autorizada de Transporte Olacyr de Moraes (FICO) além de gerar mais de 240 mil empregos diretos e indiretos, vai fomentar principalmente o agronegócio e a indústria, além de resultar em insumos com preços mais competitivos. “Vai sobrar dinheiro no bolso do mato-grossense e isso será um grande ganho social”, avalia.

O projeto da ferrovia estadual prevê investimento de R$ 11,2 bilhões para a sua implantação.

Participam ainda dos eventos de assinatura, que tiveram início na capital cuiabana e foram finalizamos em Lucas do Rio Verde, senadores, deputados federais, deputados estaduais, secretários de Estado, representantes da Rumo Logística e autoridades dos municípios, por onde está prevista a passagem da ferrovia.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA