Coluna Bastidores da República

Em Brasília pode ir para o bar, mas não pode reunir comissão na Câmara

Publicado

na

QUE QUE ISSO?

O deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM) desabafou nesta quarta-feira (18) sobre a paralisia na Câmara. Marcelo tem viajado todas as semanas de Manaus para Brasília na expectativa de votar. Com exceção do dia 27, quando aprovou indicações para os conselhos do Ministério Público e da Justiça, os deputados não votam desde 29 de setembro. O principal motivo é a obstrução feita pelo Centrão na disputa pelo comando da Comissão Mista de Orçamento. Por trás disso, no entanto, está a disputa pela presidência da Câmara entre os grupos do presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) e do líder do PP, Arthur Lira (AL). “ inusitado é que hoje em Brasília você pode reunir em um bar mas não pode reunir uma comissão da Câmara”, resumiu no Twitter.

CABRA MACHO

Em tom de elogio, o presidente Jair Bolsonaro agradeceu, nesta quarta-feira, ao povo do campo por não ter sido “frouxo” em meio à pandemia de covid-19, que já vitimou mais de 166 mil brasileiros. Segundo o chefe do Executivo, caso a classe rural tivesse paralisado, o país sofreria com desabastecimento e fome. A declaração ocorreu em Flores de Goiás, em Goiás, onde o mandatário participou da cerimônia de entrega de títulos de propriedade rural. Bolsonaro foi ovacionado quando repetiu que o povo goiano é cabra macho.

CANETA PODEROSA

Durante o discurso, Bolsonaro questionou se alguém estava reclamando sobre o fim do horário de verão e parabenizou o idealizador da ideia, o deputado federal João Campos, afirmando que a caneta presidencial é “poderosa”. “O João Campos foi lá tomar um café com a gente. Olha como é poderosa essa canetinha. Dependia de uma Compactor ou Bic e nós, obviamente depois de estudos feitos chegamos a conclusão de que era bom para o organismo da pessoa e era bom para a economia também. Então botamos um ponto final no horário de verão. Parabéns, João Campos”, completou.

Leia Também:  Câmara orienta servidores sobre condutas proibidas em período eleitoral

LULA E O TRIPLEX

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin determinou que o Superior Tribunal de Justiça (STJ) julgue no colegiado o recurso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que seja suspensa a análise do processo relativo ao triplex de Guarujá (SP). Em sua decisão, Fachin negou o pedido de Lula por uma questão processual, visto que de acordo com ele, é preciso analisar o caso ainda no âmbito do STJ. A defesa do ex-presidente pede que o caso seja analisado somente depois que houver decisão no Supremo sobre a suspeição do ex-juiz federal Sergio Moro. É, pelo jeito, vai demorar um pouco.

 

SEGUNDA ONDA

O Ministério da Economia melhorou as projeções para o Produto Interno Bruto (PIB), revisando a estimativa de queda da atividade deste ano de 4,7% para 4,5%, devido à melhora nos indicadores econômicos do terceiro trimestre. Em meio à recessão provocada pela pandemia de covid-19, manteve em 3,2% a previsão de crescimento do PIB no ano que vem. Durante a apresentação dos dados, o secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, foi taxativo em afirmar que considera mínima a chance de uma segunda onda de contágio de covid-19, porque tem “dois doutores em estatística” com dados para garantir essa afirmação.

Leia Também:  Visita técnica mostra resultados de pesquisa sobre flores tropicais

 

SEGUNDA ONDA (2)

Um ano após o registro do primeiro caso de coronavírus no mundo, que aconteceu em 17 de novembro em Wuhan, na China, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha afirmou, nesta quarta-feira (18), que “estamos prontos para a segunda onda de covid-19”.O vírus, que pegou o mundo de surpresa, abateu a sociedade e fez com que o Governo do Distrito Federal (GDF) tivesse que tomar medidas drásticas para evitar que o contágio fosse maior do que foi registrado nos últimos meses. “Tivemos medidas duras que abateram, em especial, o comércio do DF, com o fechamento dos shoppings e de todo o comércio que estava voltado para a população”, disse, “O isolamento foi necessário naquele momento, porque se fazia a necessidade pura de cuidar da saúde da população, e fizemos isso com muita coragem”, finalizou o governador em discurso.

DEU ERRADO

Dono da segunda maior fatia do fundo eleitoral para financiar campanhas, equivalente a R$ 199,4 milhões, o PSL ficou longe de repetir o sucesso de 2018 nestas eleições municipais. O partido que abrigou o presidente Jair Bolsonaro até o ano passado fez apenas 92 prefeituras, mas nenhuma capital. “O PSL tinha dinheiro, mas não tinha poder”, disse ao Estadão o deputado Luciano Bivar, presidente da sigla, ao justificar o resultado. O deputado também não respondeu se Bolsonaro voltará ao PSL, mas afirmou que em política não se pode ter rancor. Questionado sobre o resultado da participação do chefe do Executivo nas campanhas, Bivar foi taxativo: “O presidente, politicamente, é muito mal assessorado”.

Coluna Bastidores da República

Guedes diz que discutirá pobreza na campanha eleitoral

Publicado

na

A ideia parece boa e já começa a ser discutida aqui em Brasília. Argumentando que a União tem R$ 4 trilhões em ativos, uma fortuna incalculável, e um povo pobre e miserável, o ministro da Economia, Paulo Guedes sugeriu nesta quarta-feira (1º) a criação de um ministério para gerir esse patrimônio. Ele propôs que os ativos federais sejam vendidos para gerar recursos contra a pobreza e disse que discutirá esses temas durante a campanha eleitoral. “Eu já falei com o presidente. Estou propondo que, para o novo governo, tem que existir o Ministério do Patrimônio da União”, afirmou.
APOSTA DE GUEDES

Guedes propõe criar 'Ministério do Patrimônio da União', para gerir estatais e outros ativos - Jornal O Globo
Para esclarecer melhor, o ministro acrescentou que o governo hoje conta com a SPU (Secretaria de Patrimônio da União), que integra a estrutura do Ministério da Economia e é responsável por administrar certos ativos, como os imóveis federais. Guedes sugeriu que a venda de ativos gere recursos a um fundo de combate à pobreza, que repassaria o dinheiro aos mais vulneráveis. “Vende alguns ativos aqui e enche o tanque do fundo. É a transformação do Estado brasileiro”, afirmou
POSSIBILIDADE

Tentando se equilibrar no mundo da política, o ex-juiz Sergio Moro e o ex-procurador da República Deltan Dallagnol podem enfrentar outro desafio: a Lei da Ficha Limpa. O primeiro artigo da legislação esclarece que juízes e promotores que renunciarem ao cargo ou se aposentarem “na pendência de processo administrativo disciplinar (PAD)” ficarão inelegíveis por oito anos. Dallagnol tem um PAD pendente e Moro, quando deixou o cargo, tinha em curso um “pedido de providências”, que não significa um PAD, mas gera dúvidas.
ESTRATÉGIA

Texto com críticas a Moro é de cientista político e não representa a opinião do New York Times - 29/11/2021 - Poder - Folha
E por falar em Sergio Moro, integrantes da campanha do ex-juiz Sergio Moro disseram em entrevista, que a estratégia no curto prazo é buscar se distanciar nas pesquisas dos candidatos da chamada terceira via para cada vez mais tentar se consolidar como o anti-Lula nas eleições de 2022.Moro deverá dizer nas conversas que terá com políticos que sua candidatura é pra valer e irá até o fim. Isso porque seus interlocutores já notaram que vem sendo levantado nos bastidores a possibilidade de ele desistir da candidatura presidencial em nome de uma composição com algum dos nomes da terceira via
ASPAS DE MOURÃO
Não demorou muito para o vice-presidente Hamilton Mourão, se manifestar. Ele afirmou nesta quarta-feira que a escolha do presidente Jair Bolsonaro pelo PL, um dos principais partidos do grupo, se deu porque o chefe do Executivo precisa de tempo de televisão e recursos para se reeleger em 2022. “O presidente tinha que escolher um partido. Escolheu um aí”, disse o general na chegada ao Palácio do Planalto. “O presidente está formando uma coalizão com vistas à eleição do ano que vem, uma eleição diferente de 2018. Ele precisa de tempo de TV e recursos”, resumiu o vice.

Leia Também:  Comissão debate impacto da pandemia de covid-19 na economia mundial

DEPOIMENTO
Durante a demorada sabatina realizada no no Senado, nesta quarta-feira (1) o ex-advogado-geral da União André Mendonça, indicado por Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal (STF), após mais de quatro meses de espera, Mendonça se declarou como “genuinamente evangélico”, mas reafirmou seu compromisso com o Estado Democrático de Direito, além de firmar o compromisso, caso se torne ministro da Corte, de respeitar as instituições democráticas e a independência e harmonia entre os Poderes.

HOMENAGEM

Senado: candidatos à presidência defendem independência institucional
A Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado aprovou, nesta terça-feira, o projeto batizado de ‘Lei Marília Mendonça’, que obriga a sinalização de torres de energia. O PL 4.009/2021, do senador Telmário Mota (Pros-RR), recebeu parecer favorável da relatora, a senadora Kátia Abreu (PP-TO), e se não houver recurso para votação em Plenário, o texto segue para análise da Câmara dos Deputados. De acordo com o projeto, devem ser sinalizadas todas as linhas de transmissão, inclusive aquelas sob concessão ou permissão de distribuição de energia elétrica. As torres devem ser pintadas com cores que possibilitem ao piloto de aeronave identificá-las apropriadamente como sinal de advertência.
MAIS CARGOS
O presidente Jair Bolsonaro (PL) sancionou uma lei que estabelece a criação de novos cargos nos Tribunais Regionais Federais (TRFs). A medida, em vigor deste ontem, foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira. O documento transforma 66 cargos de juiz federal substituto que estavam vagos em 57 cargos de juiz federal titular em 5 Cortes federais. De acordo com o texto veiculado no D.O, a mudança não gera novas despesas para a União.

Leia Também:  Câmara de Cuiabá auxilia o TRE-MT cedendo veículos

ECONOMIA

Incerteza da economia recua em novembro pelo 2º mês consecutivo - Folha PE

O faturamento real da Indústria de Transformação caiu 2% em outubro, em relação a setembro, de acordo com os Indicadores Industriais, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), divulgados hoje (1º). Essa é a terceira queda mensal consecutiva do faturamento real, que acumula retração de 8% neste período. Com isso, o faturamento da indústria recuou ao menor valor desde junho de 2020, quando a economia e o setor produtivo ainda se recuperavam do fechamento das atividades na primeira onda de covid-19. Na comparação com outubro de 2020, o faturamento registra queda de 12,8%

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA