Opinião

Jovem eleitor, não abra mão do seu voto!

Publicado

na

Acabou o egoísmo, o narcisismo selfie, a obsessão pelo consumo e a passividade que isso acarreta. Há uma geração que quer salvar o mundo, mas ainda não sabe como. Cresceu em plena recessão, em um mundo fustigado pelo terrorismo, índices de desemprego galopantes e uma sensação apocalíptica provocada pelas mudanças climáticas e, mais recente, pela pandemia do Coronavírus. São a Geração Z, o grupo demográfico nascido entre 1994 e 2010, cujos jovens (queiram ou não falar ou se envolver em política) representam o futuro da governança do nosso país. 

Na época em que eles nasceram, a internet já existia e se popularizava com o surgimento da banda larga. O pendrive era lançado para substituir o disquete, consoles de videogames ganhavam a segunda versão e a globalização engolia toda a sociedade. A geração 2020, formada pelos 3,5 milhões de brasileiros nascidos no ano 2000, é a primeira 100% digital. Eles votaram em 2018 já em urnas digitais, e consideram o direito ao voto essencial. No entanto, muitos se mostram desiludidos com a política por causa do excesso de escândalos de corrupção. Outros não querem nem saber do ringue ideológico que se transformou o debate político, onde até amizades de longa data são desfeitas por causa de posicionamentos contrários. 

O problema é que essa desilusão geral pode paralisar esse enorme grupo representativo exatamente no momento em que ele deveria sair às ruas – mais especificamente às urnas para garantir os seus direitos. A participação de eleitores com 16 e 17 anos de idade no pleito de novembro será a menor em uma eleição brasileira desde 1990, após o voto facultativo ser instituído na Constituição de 1988. Estão aptos a votar este ano pouco mais de 1 milhão de eleitores desse grupo etário, número 55% menor que o contabilizado em 2016. 

No Estado do Mato Grosso a estatística acompanha a queda preocupante: temos 15,8 mil eleitores cadastrados na faixa de 16 e 17 anos, ante 29,5 mil em 2016. E não dá para colocar a culpa dessa baixa adesão somente no isolamento social pois a curva de queda já vinha sendo observada nos últimos anos, apesar de estar bem mais acentuada em 2020. 

Para quem já nasceu on-line, com possibilidades quase infinitas de comunicação, modelos tradicionais têm poucos atrativos. Movimentos sociais organizados, união de estudantes e legendas, antes essenciais na mobilização política, perdem cada vez mais espaço para a internet. Hoje se conversa muito mais sobre a política ideológica e muito pouco sobre a política partidária, mas ambas são de vital importância. Porque no nosso modelo atual, para disputar uma eleição, para ter um mandato eletivo, para fiscalizar o que acontece na política, é necessário entender e acompanhar a política partidária. Mas fundamental mesmo é marcar posição através do voto. 

Essa nova geração já nasceu com larga vantagem em relação às outras pois o dinamismo proposto pela web superdimensiona a interação, o que é um facilitador para quem quer se organizar politicamente. O lado complicado é quando a mobilização virtual vira o meio exclusivo de interlocução da juventude para tratar sobre política. E a baixa participação entre os jovens aptos a votar não é um bom sinal para a democracia, pois torna-se ainda mais difícil a tarefa – necessária – de formar cidadãos ativos, que intervenham na vida pública e promovam uma renovação geracional, fortalecendo as instituições e oxigenando as esferas de poder. 

Quando a juventude toma para si a responsabilidade da renovação o mundo inteiro é obrigado a se curvar. Malala Yousafzai virou a voz do mundo contra as atrocidades do Talibã com apenas 11 anos. O paquistanês Iqbal Masih se tornou, aos 12 anos, um símbolo da luta contra o trabalho infantil. Claudette Colvin é uma americana que iniciou aos 15 anos uma batalha jurídica referencial contra a segregação racial. Pedro I proclamou a independência do Brasil com apenas 24 anos e os líderes da Revolução Francesa tinham entre 17 e 25 anos, para citar só alguns exemplos.

Num dos filmes do Homem Aranha o tio do herói encoberto Peter Park diz ao sobrinho que grandes poderes sempre vêm acompanhados de grandes responsabilidades. Guardadas as proporções, há muita semelhança desse episódio do mundo fantástico com a realidade dos jovens que poderão, se assim o quiserem, comparecer às urnas nessas eleições. E meu apelo, vai diretamente para os Zes, essa geração que já nasceu ´muito mais tudo´ do que a nossa. Lembrem-se da célebre frase do historiador Arnold Toynbee que diz que “o maior castigo para aqueles que não se interessam por política é que serão governados pelos que se interessam.” Ou mesmo uma versão mais dura do dramaturgo Bertolt Brecht, que sentenciou: “que continuemos a nos omitir da política. É tudo o que os malfeitores da vida pública mais querem”. Vamos inverter essa premissa. A gente costuma dizer que o jovem é o futuro, mas o futuro se faz agora. O jovem é o presente.

Francileide Fontinelle é professora aposentada e primeira suplente da chapa Avança Mato Grosso, encabeçada por Euclides Ribeiro ao Senado

Leia Também:  A ordem é Samba

Opinião

O Pódio também é para a mulher

Publicado

na

Nos últimos anos, o lugar das mulheres em cargos altos no mercado de trabalho vem aumentando gradativamente a passos largos. A revista Forbes Brasil listou as 20 mulheres de sucesso no Brasil em diversas em diversas áreas, todas dispostas a mudar o conceito de gênero no mercado. Segundo a revista Forbes, a lista aponta mais uma vez que a equidade de gênero na sociedade e no mercado de trabalho é um caminho sem volta. A diversidade nas empresas provou ser um poderoso fator de eficiência, inovação, criatividade, produtividade, harmonia e qualidade em todas as suas dimensões.
O assunto não quer calar, em junho a revista exame ressaltou a varejista de moda Lojas Renner como um dos destaques da 3ª edição do Guia EXAME Diversidade. Segundo a revista, como resultado, 65% dos cargos de liderança, a partir de gerência, são ocupados por mulheres. Já no mapa de sucessão, 76% das pessoas que pleiteiam postos mais altos são do gênero feminino.
O que podemos avaliar desses indicadores; em primeiro lugar é que existe consistência no trabalho de fazer com que as mulheres acreditem que possam evoluir. O melhor nesse contexto é que nós mulheres já ocupamos a gestão sem fronteiras de segmentos. No mercado automotivo de alto padrão, por exemplo, temos um inicio dessa expansão nos altos cargos. Orgulhosamente represento esse setor em Cuiabá. O caminho percorrido para chegar a este pódio foi longo, porem por quase dois anos mantenho essa conquista, e a desempenho com excelência, servindo de referência para toda a região Centro – Oeste e outros Estados, pois se tornou comum mulheres neste segmento atuando apenas como vendedoras, mas como gestoras ainda é raro. Sim sou uma das únicas, uma referência, principalmente no segmento de carros esportivos de luxo.
O motivo desta raridade é que ainda existe algo para ser driblado, o preconceito. É como se uma negociação milionária diante de Lamborghinis, Ferraris e demais super máquinas, só figurava com sucesso o estereótipo “homem de negócios”. Ledo engano e visão ultrapassada, o conservadorismo neste caso, não tem mais espaço e nem sentido. Hoje a relação mudou bastante, a figura feminina está mais familiarizada ao público masculino, apesar de serem ainda os homens a grande maioria nos altos cargos e clientes compradores de carros esportivos.
Hoje, celebro a celeridade com que a visão de mundo vem se modificando, claro, que os resultados nos ajudam neste processo, pois não se trata apenas de gênero, porem de competência. E, mesmo sabendo que a eficiência, inteligência, sagacidade e determinação fazem parte do DNA das mulheres que lutam por um espaço no “Pódio” ainda temos que lembrar o mundo a respeito, e até mesmo a nós, quando nos deparamos com olhares duvidosos. Mas, avante mulheres, não pisem no freio do seu sucesso.

Leia Também:  Bandido invade casa e atira em jovem e casal de idosos

Rosi Cidram, especialista em carros de luxo

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA