Economia

Supermercados brigam por preços e devem comprar apenas o necessário em SP

Publicado

na

Por Talita Nascimento |As redes de supermercados já travam uma queda de braço de mais de 15 dias com seus fornecedores. Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC), Eduardo Terra, os supermercados têm represado suas compras e vendido seus estoques para tentar negociar preços menores. A Associação Paulista de Supermercados (Apas) disse que orienta os associados a comprarem apenas o necessário.

“Nos últimos 15 a 20 dias o varejo está discutindo preço. A palavra certa é essa mesma: queda de braço”, diz Terra. A Apas prefere usar o termo “negociação”: “A Apas reitera que tem recomendado aos supermercados associados que continuem negociando com seus fornecedores e comprem somente a quantidade necessária para a reposição”, diz em comunicado.

Na prática, o que a reportagem já verificou foi a limitação de compras de produtos básicos em dois estabelecimentos da rede Extra, do Grupo GPA.

Na unidade da rua Rêgo Freitas, na Vila Buarque, o limite era de 10 quilos de arroz por compra. Na avenida Itaquera, zona leste da capital paulista, o limite de arroz era o mesmo. Havia ainda o limite de cinco unidades de 900 ml de óleo.

Nem o GPA, nem a Associação Brasileira de Supermercados quiseram comentar sobre o ocorrido.

Para Eduardo Terra, casos como este acontecem pelo fato dos varejistas não aceitarem o aumento de preços repassado pela cadeia fornecedora. “Como o aumento (nos preços dos fornecedores) é abrupto, há represamento da compra (dos varejistas). O varejo tenta postergar tabela de preços”, diz.

Os aumentos de preços dos alimentos neste momento ocorrem sobretudo por causa da desvalorização do real em relação ao dólar, que baliza os preços desses produtos no mercado internacional. Esse movimento também é impulsionado pela forte demanda externa por alimentos, sobretudo por parte da China.

Para o presidente do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo (Ibevar), Claudio Felisoni, os argumentos expostos pela Associação Brasileira de Supermercados em nota na última quinta-feira fazem sentido.

Além da alta do dólar, a associação mencionou incentivos fiscais às exportações e o crescimento da demanda interna impulsionada pelo Auxílio Emergencial. “É um fato, mas vivemos uma economia de livre mercado, não há como controlar preços”, diz Felisoni.

Na nota divulgada, a Abras diz que comunicou à Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, sobre os reajustes de preços, “com o intuito de buscar soluções junto a todos os participantes dessa cadeia de fornecedores”.

No entanto, essa briga para ver quem mais diminui suas margens de lucro deve ter pouco sucesso na formação geral dos preços. “O problema é anterior ao fornecedor e o varejista. Está nos preços das commodities”, diz.

O consultor de varejo e bens de consumo, Eugenio Foganholo, também acredita que essa negociação já nasce limitada, já que as questões que fazem os preços subirem são macroeconômicas. Ele também não vê possibilidades de ação do governo para resolver essa situação. “Não há solução governamental possível no livre mercado”, diz.

Ele entende que essa regulação deve ser feita pelos próprios consumidores ao substituir os produtos caros na hora da compra. Segundo fontes, porém, representantes do governo buscaram contato com a Abras desde a manhã de hoje, antes da fala do presidente Jair Bolsonaro durante viagem a Registro (SP) vir a tona.

“Está subindo arroz, feijão? Só para vocês saberem já conversei com intermediários, vou conversar logo mais com a associação de supermercados”, disse o presidente. “Estou conversando para ver se os produtos da cesta básica aí… estou pedindo um sacrifício, patriotismo para os grandes donos de supermercados para manter na menor margem de lucro”, disse Bolsonaro. A Abras, no entanto, já mantinha conversas com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Brigar compensa

Mesmo podendo interferir pouco no preço total, as redes de supermercados têm algumas coisas a ganhar nesta disputa. Segundo Foganholo, quando uma rede consegue mostrar ao consumidor que tem preços melhores de alimentos básicos, a percepção da clientela é que o preço geral daquele estabelecimento é melhor. Assim, é possível vender também os produtos em que se tem mais margem de lucro.

Outro ponto é que uma vez que o consumidor gasta um pouco menos em commodities, sobra dinheiro para consumir esses itens que são mais lucrativos para as redes.

“Além disso, se o supermercado aparece como alguém que está lutando por um preço justo, há um ganho de imagem”, explica Foganholo.

Fornecedores

A Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia) diz também em nota ao Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) que, por se tratar de variável concorrencial, os preços não são discutidos no âmbito da associação, mas sim individualmente entre empresas e as cadeias varejistas.

Ainda assim, a entidade cita dados mundiais para dizer que a alta de preços de alimentos básicos é um fenômeno mundial.

“Conforme relatório publicado ontem pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), o Índice de Preços de Alimentos da FAO atingiu a média de 96,1 pontos, revelando que a alta nos custos dos alimentos que compõem a cesta básica é um fenômeno que se constata em todo o mundo”, diz a instituição.

“No Brasil, a desvalorização cambial de mais de 30% pressiona os custos de produção da indústria. É importante ressaltar que o aumento provocado pela alta do dólar não é linear para o setor de alimentos e bebidas, pois atinge de modo diferente cada cadeia de produção”, complementa a Abia.

A instituição diz ainda que não há risco de desabastecimento no mercado interno. “As indústrias de alimentos têm trabalhado, sem parar, desde o início da pandemia para que não falte alimento na mesa do consumidor brasileiro. A alta de preços, infelizmente, tem afetado em maior intensidade a cotação de algumas matérias-primas agrícolas, devido aos movimentos mundiais de oferta e demanda”, conclui.

Estadão Conteúdo

Leia Também:  Pequenos negócios que se adaptam conseguem ampliar faturamento durante a crise

Destaque

Quem vai gerar os empregos de que o Brasil precisa são as micro e pequenas empresas

Publicado

na

A solução para o drama de parte dos 14 milhões de desempregados no Brasil está nas micro e pequenas empresas. Elas podem gerar vagas, mas precisam de liquidez e fluxo de caixa. É assim que Wilson Poit, diretor-superintendente da seção estadual do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-SP), resume o atual estágio desse estrato econômico.

Os atendimentos do Sebrae para quem precisa de crédito triplicaram na pandemia. Foram 3.393 em 2019 e 10.524 em 2020. Sem dinheiro, essas empresas não conseguem nem pagar salários. Por isso é fundamental atender a essa demanda, segundo ele. “Os pequenos podem contratar mais uma ou duas pessoas. Os gigantes estão digitalizando e robotizando os processos”, afirmou Poit à DINHEIRO. Dos 3,2 milhões de microempreendedores individuais (MEIs) cadastrados em São Paulo, 706 mil surgiram após a pandemia. Nesta entrevista, Poit disse ainda que a crise gerada pelo governo Bolsonaro com a redução de recursos para o Sistema S já foi superada.

DINHEIRO — A falta de gestão no combate à pandemia aumentou a desigualdade entre os brasileiros?

WILSON POIT — A pandemia contribuiu, sim, para aumentar a desigualdade. O Sebrae-SP tem um ponto de observação privilegiada. As empresas gigantes conseguem se resolver no momento da crise, mas os pequenos enfrentam dificuldade. E vão sofrer mais neste ano e em 2022. O tema que mais está presente é sobre crédito. Não somos banco, mas a gente orienta, seja a vender pelo WhatsApp ou a ter disciplina financeira. Essa pandemia vai demorar e, por isso, precisamos de programas de inclusão produtiva. Incluir na economia pessoas em situação de vulnerabilidade por meio de cursos, conselhos e mentorias.

A queda no valor do auxílio emergencial impactou no aumento da procura por orientação sobre como garantir a renda da família?

Sim. O governo precisava dar o peixe e alguém agora precisa ensinar a pescar. A gente sabe que não tem peixe suficiente por muito tempo. No primeiro momento, houve o auxílio emergencial e muita mobilização da sociedade em ajudar as famílias mais carentes. Agora nós temos um papel muito importante. Precisamos ensinar esse pessoal. O Joe Biden [presidente dos Estados Unidos] consegue fazer um plano de auxílio porque tem dinheiro. Aqui, a dívida está enorme e alguém vai pagar essa conta.

Como a redução de recursos do governo federal ao Sistema S impactou o Sebrae?

No início, foi muito ruim. Recebemos um corte no orçamento, que depois foi revertido pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Hoje vejo uma mudança grande no tratamento dado pelo Ministério da Economia. Essa pandemia ajudou a mostrar que o Sebrae faz parte da solução e não do problema. Triplicamos a quantidade de atendimentos à população. Hoje temos parcerias com 11 secretarias do governo do estado. E estamos abrindo novos postos em comunidades, caso de Paraisópolis, em São Paulo. É importante porque tem gente que não consegue acessar o Sebrae pelas mídias sociais.

Qual a meta de ampliação das unidades?Estamos em quase 300 municípios e nossa meta é chegar, até o fim do ano que vem, a todos os 645 municípios paulistas. E não é necessário muito dinheiro para isso. É possível fazer parceria com prefeituras, que normalmente têm um espaço que pode ser utilizado para fazer esse serviço. E a gente ainda treina os próprios servidores a usarem nosso sistema. O Sebrae virou um porto seguro agora na pandemia.

Leia Também:  Consumidores podem utilizar internet para ofertar veículos usados na troca por outro modelo nas concessionárias

O que mudou na atuação do Sebrae a partir da crise gerada pela Covid-19?Em casa de ferreiro o espeto precisa ser de ferro. O Sebrae se transformou digitalmente. Acabamos com volume enorme de circulação de papéis e hoje fazemos tudo on-line. E fizemos isso por necessidade. Uma parte aprendeu a trabalhar em home office. O Sebrae é hoje uma espécie de Centro de Valorização da Vida (CVV) do pequeno empresário. A gente ouve e orienta. É quase uma missão de vida, em um momento em que muita gente está precisando. Temos várias frentes, como para mulheres com maior vulnerabilidade, que viraram empreendedoras. Essa transformação digital chegou de forma definitiva aos consultores. E passamos a atender mais gente, além das consultas por hora marcada. Há no Sebrae quase 150 cursos, de graça, com uma linguagem bem simples. O Sebrae ajuda o cidadão a separar o bolso direito do bolso esquerdo.

Em que condições têm chegado as pessoas que buscam orientação para recomeçar?

Chegam muito abalados. Trouxe quase uma função de terapeuta aos consultores. Aumentou muito o atendimento ao empreendedor de primeira viagem, que é o empreendedor por necessidade e onde há a maior taxa de mortalidade das empresas. Mas há pesquisas que mostram que, quem passa pelo Sebrae, tem mais chance de sobreviver com os negócios. Muita gente criou o próprio emprego após ficar desempregado.

Daí o aumento nas aberturas de MEIs?Hoje temos em São Paulo 3,2 milhões de microempreendedores individuais (MEIs). E, desde o início da pandemia, foram abertas mais 706 mil MEIs. Desse total, 80% são por necessidade, pela falta de outro emprego. Só na cidade de São Paulo são 946 mil MEIs, dos quais 203 mil abertos durante a crise. Alguns já empreendiam, mas precisaram se formalizar, principalmente por causa do acesso ao crédito, que é muito importante para esse público.

O que é preciso para que essas microempresas consigam sobreviver?O primeiro treinamento é sobre qualificação empreendedora. Ajudamos também na qualificação técnica, já que tem muita gente que quer exercer um trabalho mas não sabe fazer. Nesses casos, oferecemos convênio com o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e o Centro Paula Souza. Outra orientação é sobre formalização e regularização. Também incentivamos inovação, falamos sobre linhas de microcrédito e o acesso ao mercado para conseguir vender seus produtos e serviços. Somente em 2021, 110 mil pessoas concluíram o programa Empreenda Rápido, do Sebrae, o que dá mais chance de sobrevivência para esses negócios. Esse é o futuro do emprego. Nunca mais teremos empregos do mesmo jeito que tínhamos. O número de abertura de MEIs deve continuar subindo.

Leia Também:  Filhos de Bolsonaro devem ser principais pontes de Eduardo Paes com o presidente

O Brasil tem condições de dar emprego para os mais 14 mi¬hões de desempregados?

Quem vai gerar os empregos que o Brasil precisa para parte dos 14 milhões de desempregados são as micro e pequenas empresas, não as grandes. Em 2019, 98% dos CNPJs eram de micro e pequenas, responsáveis por 60% dos empregos. E isso vai aumentar muito. Os pequenos podem contratar mais uma ou duas pessoas. Os gigantes estão digitalizando e robotizando os processos. Por isso que, depois da pandemia, o Sebrae virou uma solução.

Mas como garantir crédito para quem está começando um pequeno negócio?A gente ajuda essas pessoas a perseverar e ir atrás desses recursos. É incrível como R$ 5 mil fazem diferença na vida de uma costureira, de alguém que trabalha em casa. E ele paga. Quem não paga são os grandes. O Sebrae ajuda recomendando linhas de crédito, como o oferecido pelo Banco do Povo. Com microcrédito orientado, as chances de sucesso são muito maiores. As linhas de crédito incentivadas do governo do Estado, somadas a outros programas, devem chegar a R$ 1 bilhão, que vão ficar na bandeira chamada Bolsa do Povo.

O que está incluso?Estão programas como Renda Cidadã, Via Rápida, Bolsa-Trabalho e outros. Também vai pagar um benefício de R$ 500 para até 500 mil pessoas no estado. Vai ter transferência direta de renda e uma parte que virá por meio de microcrédito. Essas ações conversam com o Sebrae, que vai auxiliar nos programas de inclusão. A pandemia fez com a que pobreza aumentasse muito no Brasil. Para se ter uma ideia, hoje em São Paulo há 1,4 milhão de famílias registradas no CadÚnico, do governo federal.

Pequenos empreendedores reclamaram da burocracia para ter acesso ao Programa Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Pronampe), do governo federal. O Sebrae percebeu essa dificuldade?

É verdade. Isso atrapalhou sim. Foi uma experiência nova para todo mundo. Nem o empreendedor nem os bancos estavam preparados para tudo isso. Foi difícil esse atendimento. Teve banco que pediu avalista e registro em cartório para quem fosse casado. Depois, as ações foram se ajustando e os bancos diminuíram um pouco as exigências. E se havia dificuldade no presencial, ficou ainda mais difícil atendimento a distância, especialmente das pessoas muito simples. Ainda assim, o programa ajudou 517 mil empreendedores no Brasil com recursos que chegaram a R$ 37,5 bilhões. O Senado acabou de aprovar o projeto que torna permanente o Pronampe, que agora aguarda a sanção do presidente Jair Bolsonaro.

Qual o papel da iniciativa privada nesse processo de retomada?Pode ajudar muito. É hora de solidariedade, de comprar do pequeno, de contratar as pessoas perto de casa. É o momento de dar chance aos pequenos empresários, ao açougue local, à pizzaria mais perto. Sem isso, fica muito mais difícil. Não dá para viver bem em um país tão pobre e com tanta desigualdade.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA