Coluna Bastidores da República

Bolsonaro volta atrás e diz que poderá subir em palanques caso o apoio seja crucial

Publicado

na

NA MORAL

Veja

Na tentativa de aumentar a chance de uma reeleição em 2022, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reavaliou a estratégia de se manter afastado das disputas municipais deste ano. Em conversas reservadas com deputados bolsonaristas, o presidente, que inicialmente havia decidido não apoiar candidaturas a prefeito, reconheceu na semana passada que está disposto a subir em palanques nos municípios no segundo turno. Caso o apoio se mostre crucial, Bolsonaro vai quebrar a regra e subir em palanques já no primeiro turno.

NOVO IMPASSE

Em meio a aproximação com o presidente Jair Bolsonaro, o PSL confirma candidatura da deputada federal Joice Hasselmann a prefeita de São Paulo. Ela é desafeto de Bolsonaro e estão rompidos desde o ano passado. Ela está na lista negra apresentada pelo presidente à direção do partido como condição para a volta. Agora, tudo parece voltar à estaca zero.

SEGUE O BAILE

O atrito entre o vice-presidente Hamilton Mourão e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles foi superado. Segundo o próprio Mourão, segue o baile. A contenda ocorreu nesse fim de semana devido a cortes de verbas anunciados por Salles que afetariam ações na região amazônica. “Não ficou bom, era melhor a gente ter conversado que não levaríamos o estresse ao ponto que foi levado. Tudo normal agora”, explicou Mourão.

RASGOU O VERBO

O general Hamilton Mourão pôs fim a uma polêmica e deu início a outra. Ele disse que não considera ético militares acumularem vencimentos pagos pela reserva e por cargo no governo. Essas remunerações estariam acima do teto do funcionalismo – R$ 39,3 mil. “Se estivéssemos numa situação normal, o país com recursos sobrando, tudo bem, mas não é o que está acontecendo”, concluiu o vice-presidente.

Leia Também:  Bolsonaro diz que o momento agora é das ferrovias e fala em integração total do país por vias férreas

PEGOU MAL

Esse título parece clichê, mas ilustra bem a notícia de que deputados federais tiveram despesa de R$ 1,5 milhão com combustível na quarentena. O montante permitiria dar 139 voltas na Terra de carro. O período com sessões apenas virtuais inclui despesas de hospedagem, alimentação e locação de veículos. O ato que restringiu a circulação de parlamentares e funcionários na Câmara e vetou eventos previa que os deputados precisavam até de autorização para deixar seus estados. Vai entender!

AMENIZOU

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM), amenizou a situação afirmando que a casa fez um esforço fiscal de cortes nas despesas de pessoal (R$ 43 milhões), nos investimentos (R$ 49 milhões) e no custeio operacional (R$ 58 milhões). Segundo destacou maia, a manobra permitiu economizar R$ 150 milhões para devolução ao governo federal e aplicação no combate à covid-19.

POLVOROSA

Foi só o presidente Jair Bolsonaro anunciar autorização para concurso da Policia Federal com cerca de duas mil vagas para se criar um clima de corre-corre entre os concurseiros. Muitos deles estão na fila do desemprego. O presidente comentou ainda que a Polícia Rodoviária Federal (PRF) certamente seguirá o mesmo caminho e também terá abertura de concurso. Mas, ainda não confirmou o aval para a PRF, que já tem comissão formada.

Leia Também:  Prazo para justificar ausência no segundo turno vai até 27 de dezembro

FICHA LIMPA

O Ministro-chefe da Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário, anunciou que “o Brasil completa o 20º mês consecutivo sem nenhum esquema protagonizado pelos agentes que formam o Executivo federal”. Com base nos dados da CGU coletados em todo o País, o ministro avalia que “estamos há 20 meses sem nenhum caso de corrupção no governo”. No final de semana, a hashtag “20 Meses Sem Corrupção” figurou na lista Top do Trending Topics do Twitter entre os assuntos mais comentados na rede social nas últimas 48 horas.

HOMENAGEM

Causou tristeza, aqui em Brasília, a morte do pioneiro de Brasília, Geraldo Silva, aos 93 anos. Coronel aposentado ajudou na organização do desfile de inauguração da capital federal e fundou 35 prefeituras comunitárias em Brasília. Ele faleceu no sábado (29), em um apartamento na 206 Sul, onde viveu por 55 anos com a esposa. Segundo a família, sofreu falência múltipla dos órgãos.

Coluna Bastidores da República

Bolsonaro pede união dos apoiadores para reeleição em 2022 e ataca Lula

Publicado

na

Lula cresce nas redes sociais, mas interação com Bolsonaro segue maior | Poder360

O ano eleitoral promete uma disputa acirrada entre os candidatos à presidência da República.Em meio a uma divisão na base que o apoiou em 2018 e queda na popularidade, o presidente Jair Bolsonaro admitiu impasses para seu projeto de reeleição em outubro e voltou a atacar o PT, partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, provável rival na disputa presidencial. “A missão está posta, obviamente a gente vai ter problemas numa possível reeleição, mas temos que brigar para que nós não venhamos voltar atrás em função de tudo que já aconteceu no Brasil”, disse Bolsonaro, que atacou a gestão do PT em função dos rombos na Petrobras.

APELO

Médicos veem subnotificação em casos e mortes por coronavírus | Agência Brasil
Nesta segunda-feira (17) em entrevista à rádio Viva FM, do Espírito Santo, o presidente afirmou que tem “muitos apoiadores” no Estado e fez um apelo pela união dos aliados. Com um apoio majoritário da população à vacinação contra a covid, conforme pesquisas divulgadas recentemente, Bolsonaro afirmou que é preciso convencer o “outro lado”, mas, respeitar a posição de cada um.O ano eleitoral promete uma disputa acirrada entre os candidatos à presidência da República.

REFORMA

Michel Temer vira réu pela 6ª vez, acusado de organização criminosa

Bolsonaro (PL) também defendeu a reforma trabalhista aprovada no governo Michel Temer (MDB). A declaração foi feita dias após o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e lideranças do PT saírem em defesa da revogação desta e de outras medidas, como o teto de gastos.“O governo Temer fez uma pequena reforma trabalhista. Não tirou direito de nenhum trabalhador. Mente quem fala que a reforma trabalhista do Temer retirou direito do trabalhador, até porque os direitos estão lá no art. 7º da nossa Constituição, não podem ser alterados”, afirmou Bolsonaro em entrevista

Leia Também:  Facebook acha brecha e não cumpre decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF

MOBILIZAÇÃO

Congresso Nacional - Política - InfoEscola

A semana começa agitada na capita do país. Servidores públicos preparam uma mobilização nacional para esta terça-feira (18) após ficarem de fora dos planos do governo de reajuste do funcionalismo público. O objetivo é pressionar o governo federal em busca de negociação para recomposição salarial. Com R$ 1,7 bilhão de reserva no Orçamento de 2022, apenas categorias policiais devem receber aumento.
Esta deve ser a primeira de três paralisações gerais, com atos marcados para durante a manhã em frente ao Banco Central e durante a tarde no Ministério da Economia, no prédio onde fica o gabinete do ministro Paulo Guedes. Os dois locais ficam em Brasília (DF).A mobilização foi iniciada pelo Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), que reúne 37 entidades das categorias de diplomatas, policiais federais e judiciários, defensores públicos, procuradores, auditores fiscais, entre outros.

VOTAÇÃO

Arthur Lira: É hora de dar um basta nessa escalada em looping negativo

Após cobranças do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), o Senado vai votar propostas para baixar os preços do gás, do diesel e da gasolina em fevereiro. Nesta segunda-feira (17), o líder da Minoria, senador Jean Paul Prates (PT-RN), anunciou acordo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para a votação pelo Senado, ainda em fevereiro, dos projetos que tratam do tema.
“O Senado vai votar um conjunto de medidas que pode baixar em até R$ 20 os valores do gás de cozinha, e em até R$ 2 a R$ 3 o preço da gasolina e do diesel, num prazo de 40 dias após sua aprovação. As propostas devem ser examinadas pelo plenário na primeira quinzena de fevereiro”, afirmou Jean Paul

DEU NA MÍDIA

Leia Também:  Horário de verão vai começar no mesmo dia da primeira prova do Enem

Comissão de Relações Exteriores debate turismo gastronômico e economia criativa - TV Senado

A oposição, em especial o Partido dos Trabalhadores, arma estratégia para ganhar o comando da importante Comissão de Relações Exteriores da Câmara (CREDN) em ano eleitoral – hoje nas mãos do deputado Aécio Neves (PSDB), de saída. Os deputados petistas Arlindo Chinaglia e Carlos Zarattini, da forte bancada paulista, têm a missão para o levante verbal contra os bolsonaristas na sala e no Itamaraty. A ideia dos petistas é conquistar a CREDN e usá-la como uma vitrine internacional para o discurso eleitoral de Lula da Silva, enquanto o ex-chanceler Celso Amorim será convidado para vocalizar as ideias do chefe em audiências públicas na Casa.

TRABALHO REMOTO

Câmara Municipal de Senhora do Porto

A Câmara dos Deputados fará votações por meio do sistema remoto nas primeiras semanas após o recesso parlamentar, até o Carnaval. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (17), pelo presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), pelo Twitter.”Trabalho remoto até o Carnaval. Medida necessária até vencermos esta nova onda. Também vai nos ajudar na melhor aplicação dos recursos públicos.”, escreveu Lira.O Congresso volta às atividades no dia 2 de fevereiro.O Carnaval 2022 está marcado para a semana do dia 1º de março.

PERIGO

Marcelo Queiroga é nomeado ministro da Saúde | Agência Brasil

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, alertou hoje (17) para a necessidade de estados e municípios reforçarem a atenção nos procedimentos para a imunização da população contra a covid-19, especialmente crianças e adolescentes. “Nós, do Ministério da Saúde, temos alertado acerca das questões relativas à segurança. Muitas vezes quando damos os alertas, muitas vezes [dizem que] o ministério é contra [a vacinação de crianças]. Não é questão de ser contra, é questão de compromisso com a aplicação adequada de vacinas e evitar possíveis efeitos adversos”, disse Queiroga.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA