Coluna Bastidores da República

Jair Bolsonaro dá indícios de que já colocou ministro Paulo Guedes em processo de fritura

Publicado

na

AZEDOU

Os ânimos andam exaltados no Palácio do Planalto. Outro dia o ministro da Economia, Paulo Guedes, ameaçou deixar o governo por conta das interferências de quem ele nominou como “conselheiros do presidente”. Agora, parece-me que o próprio presidente Jair Bolsonaro quer a cabeça do ministro. Guedes entrou em processo de fritura e tem até amanhã para apresentar uma nova proposta do Renda Brasil. Bolsonaro não gostou da proposta de Guedes de acabar com programas sociais para criar o Renda Brasil, substituto do Bolsa Família.

CORDA NO PESCOÇO

Adriano Machado

É lógico que o presidente Jair Bolsonaro não quer arcar com o ônus político de tirar benefícios já concedidos à população mais carente para bancar o Renda Brasil. Resta saber, agora, de onde virão os recursos. Uma das propostas de Paulo Guedes é dar fim às deduções do Imposto de Renda Pessoa Física. Guedes também vem sugerindo a extinção de programas sociais que considera ineficientes, como o seguro-defeso pago no período de reprodução dos peixes e o Farmácia Popular.

PRESSÃO MÁXIMA

Se depender das pressões vindas do Palácio da Alvorada, o ministro da Economia Paulo Guedes terá mesmo que pegar o boné e dar no pé, como ele mesmo insinuou há alguns dias. Os três filhos do presidente Jair Bolsonaro, Flávio, Carlos e Eduardo, continuam insistindo que Guedes não pode ser empecilho para os planos do pai de garantir mais quatro anos de mandato. Se a nova proposta do Renda Brasil que será concluída por Guedes nesta sexta-feira (28) não agradar, o clã Bolsonaro vai arrochar a válvula da pressão, certamente.

Leia Também:  Viviane Araújo passa por processo físico e mostra resultado

EFEITO CASCATA

Marcelo Camargo Abr

O impasse entre Bolsonaro e Guedes já refletiu no mercado financeiro. Ontem foi mais um dia de forte oscilação e pesou também a apreensão em relação ao aumento do déficit fiscal do governo. A expectativa é quando ao custo do dólar, que perdeu o controle nos últimos dois dias. Com tanta pressão, o balcão de apostas já faz lances sobre os possíveis nomes de futuros ministros da Economia. Continua no topo o do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

CABEÇA NO OMBRO

Por enquanto, o único que passou a mão na cabeça do ministro Paulo Guedes e o defendeu publicamente foi o vice-presidente Hamilton Mourão. Ontem Mourão defendeu a permanência do “Posto Ipiranga” e disse que o titular da equipe econômica tem a “resiliência necessária”. O general também afirmou que o mercado é como gado, um “rebanho eletrônico”. A declaração foi dada a um grupo de jornalistas na saída do Planalto.

NOTÍCIA BOA

Um estudo divulgado pelo IBGE encheu os olhos do presidente Jair Bolsonaro. O estudo aponta que o auxílio emergencial de R$ 600 dado pelo governo para ajudar as famílias mais carentes durante a pandemia da covid-19 tirou 13,1 milhões de pessoas da pobreza até julho de 2020. Um detalhe que torna ainda mais insuspeito o dado é que a pesquisa foi coordenada pelo ex-ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos do governo Dilma Rousseff, o economista Marcelo Néri, alguém que não teria qualquer inclinação de inflar os feitos do atual governo.

Leia Também:  Bolsonaro quer discutir o preço da soja com os produtores

PLACAR EMPATADO

Carlos Moura

O afastamento do decano do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, que se recupera de uma nova cirurgia, tem contribuído para que julgamentos importantes da Segunda Turma – com impacto direto sobre o ex-ministro Sérgio Moro e os rumos da Operação Lava Jato – terminem empatados. Levantamento feito em sessões do colegiado neste ano aponta que, em ao menos sete julgamentos realizados sem a presença do decano, o placar foi de 2 a 2, aplicando assim o princípio jurídico de que, em casos de empate, os réus devem ser beneficiados.

Coluna Bastidores da República

Agenda cheia: ministros deixam Brasília para marcar os mil dias de governo

Publicado

na

O comando do Palácio do Planalto idealizou uma agenda cheia   para o governo celebrar nesta semana  os mil dias da administração Jair Bolsonaro, Nesta terça-feira (28), por exemplo, já está confirmado que 12 ministros deixarão Brasília. Isso representa metade do governo. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vai à Bahia pela manhã para inaugurar pouco mais de 10 quilômetros de duplicação de estradas. Serão 5,4 quilômetros de duplicação na BR-116 e mais cinco quilômetros na BR-101.Depois, segue para Alagoas à tarde. Na quarta-feira (29), quando o presidente estará em Roraima, serão 10 ministros fora de Brasília .De acordo com fontes palacianas,  faz parte da programação desde a entregas de mais porte, como usina termelétrica e inauguração de uma unidade operacional da Polícia Rodoviária Federal, até mais paroquiais, como praça de esportes, ônibus, computadores, títulos agrários e rede wifi e “e-gates” para controle eletrônico de passaportes. Também estão previstas nas comemorações assinaturas de contratos como o de uma contratação do cabo submarino de fibra óptica e outro para construção de aeroportos.Ministros que são pré-candidatos foram beneficiados com entregas em seus estados, assim como o próprio presidente, que viajará todos os dias da semana.

DEU NA MÍDIA

Não tenho pretensão de concorrer em 2020”, garante Fernando Haddad | Eu Quero Investir

O ex-prefeito da capital paulista Fernando Haddad, e também  pré-candidato do PT ao governo de São Paulo em 2022. não descarta uma vitória de Jair Bolsonaro no pleito do próximo ano, quando o atual presidente da República deve disputar reeleição.Nos bastidores, em conversas com outros petistas, Haddad avalia que, apesar da reprovação crescente do atual governo, Bolsonaro ainda tem força perante o eleitorado e mantém apoio de parte considerável do empresariado brasileiro. Segundo aliados do ex-prefeito, ele tem alertado internamente no PT que a onda “Lula já ganhou” é arriscada. Para Haddad, o partido não pode baixar a guarda, mesmo com o bom desempenho do ex-presidente nas pesquisas.

RECADO DE TEMER

Jamais apoiei o golpe, diz Temer sobre impeachment de Dilma | Exame

O ex-presidente Michel Temer (MDB) avalia que não seria conveniente iniciar neste momento um processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro. Ele ressalta que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid pode concluir que o presidente teve “incúria” no combate à covid-19, o que eventualmente pode levar o Ministério Público a pedir o afastamento de Bolsonaro. Entretanto, Temer acredita que o momento não é o ideal para este processo.“Se você me perguntasse um ano atrás, eu diria que talvez fosse o caso de começar um impedimento. Nesse momento, eu não acho adequado”, disse ele, em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na noite desta segunda-feira, 27. Segundo Temer, o processo de impedimento é “traumático” e, com o mandato de Bolsonaro já em estágio adiantado, esse efeito se ampliaria.

Leia Também:  Determinação: Ministério Público não aceita OAB atuando em processo criminal

CAMPANHA ABERTA

STF se manifesta após onda de convidados à posse de Fux contaminados com Covid-19

Aqui em Brasília, circulam comentários no sentido de que alguns  ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) têm se incomodado com o fato de Luiz Fux estar fazendo pressão para que o Senado vote a indicação de André Mendonça para a Corte. Eles acreditam que Fux está em campanha pela aprovação de Mendonça por causa do perfil lavajatista do ex-advogado-geral da União, indicado ao cargo por Jair Bolsonaro. Uma vez no STF, Mendonça se uniria a magistrados derrotados para reverter o resultado de votações sobre temas que representaram derrotas para a Lava Jato.O principal revés institucional para a operação foi a derrota da possibilidade de prisão depois de condenação em segunda instância na Justiça. O placar foi apertado: 6 a 5. Mendonça poderia virar o jogo. A outra decisão que contrariou os lavajatistas foi a de permitir que a Justiça Eleitoral julgue casos de corrupção nas eleições. Eles preferiam que as denúncias seguissem tramitando na Justiça Federal.

 SONHO ANTIGO

Moro volta ao Brasil para decidir destino político | VEJA

De volta ao Brasil, o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro já iniciou as conversas políticas para decidir se vai disputar a eleição presidencial de 2022. No sábado, Moro se reuniu de manhã com integrantes da cúpula do Podemos, em encontro realizado na casa do senador Oriovisto Guimarães (PR). Por enquanto, o ex-juiz quer aguardar até novembro para bater o martelo sobre o seu futuro.

Leia Também:  Cães resgatados em estado de abandono estão saudáveis e em breve poderão ser adotados

MAIS DOSES

Queiroga anuncia dose de reforço para profissionais de saúde

O Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, participou de um evento em João Pessoa, capital da Paraíba, e por meio de uma videoconferência nesta terça-feira (28), anunciou a ampliação da aplicação de doses de reforço das vacinas contra Covid-19 para idosos acima de 60 anos.Até aqui, o Ministério da Saúde havia anunciado a dose de reforço para imunossuprimidos, profissionais de saúde e pessoas com 70 anos ou mais. A dose de reforço em pessoas com 60 anos ou mais, entretanto, já ocorre em alguns locais, como Salvador e São Paulo.

 REAJUSTE

Preço da gasolina em Curitiba. Veja os menores preços da cidade

A Petrobras anunciou nesta terça-feira (28) que vai elevar o preço do diesel vendido às distribuidoras. Com o reajuste, o preço médio de venda do diesel A passa de R$ 2,81 para R$ 3,06 por litro, refletindo reajuste médio de R$ 0,25 por litro. O reajuste entra em vigor na quarta-feira (29).Segundo a Petrobras, a alta de 8,89% vem após 85 dias de preços estáveis para o combustível – a última alta antes dessa havia sido em 7 de julho passado. A Petrobras não informou reajuste nos preços dos demais combustíveis.

REGISTRO

Saiba quais são as semelhanças e diferenças entre COVID-19 e gripe - OPAS/OMS | Organização Pan-Americana da Saúde

Desde março do ano passado, começo da pandemia de Covid-19 no país, o preço do litro da gasolina disparou nos postos de combustíveis. O aumento em agosto deste ano fez o valor do litro ficar 32,9% acima do registrado em março de 2020. O preço médio de revenda no país subiu de R$ 4,46 para R$ 5,93.O Distrito Federal registrou o maior aumento e ficou acima de média nacional, com reajuste de 34% no período. Na capital federal, o preço médio de revenda da gasolina nos postos saltou de R$ 4,77 para R$ 6,40 o litro.Os dados são da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, compilados

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA