Política

Deputado alerta para desemprego e cobra celeridade em limitação de produtos primários

Publicado

na

Por Rafael Costa Rocha| O deputado estadual Wilson Santos (PSDB) utilizou a tribuna na sessão ordinária desta quarta-feira (26) para cobrar celeridade a respeito de projeto de lei de sua autoria (PL 349/2020) que limita em 50% a exportação de produtos primários de Mato Grosso para o exterior. Atualmente, o projeto de lei está no núcleo econômico e aguarda parecer para, em seguida, ser analisado pelas comissões.

O parlamentar ressaltou que o atual contexto econômico gera a necessidade de promover o debate, uma vez que, ainda que seja apresentado como campeão nacional da produção de soja pelas estatísticas econômicas, Mato Grosso deverá importar soja da Argentina ou Paraguai nos próximos meses por conta do esgotamento de matéria prima.

“Toda a soja ou quase toda está indo para exportação. Não há nenhum mínimo garantido para que as indústrias esmagadoras continuem a funcionar”, declarou.

Diante da escassez de matéria prima, o deputado Wilson Santos se mostra preocupado com o fechamento de empresas privadas ligadas a produção de soja, o que provocaria crise socioeconômica em decorrência de desemprego.

“Estive reunido na semana passada com uma comissão de empresários do setor de esmagamento de soja e o secretário César Miranda [Desenvolvimento Econômico] nos atendeu. Nós iremos fazer um debate a respeito. O inacreditável aconteceu. Mato Grosso vai importar soja para não fechar as portas, não deixar de pagar impostos e não demitir milhares de trabalhadores”, concluiu.

A proposta do deputado Wilson Santos abrange a limitação na exportação dos seguintes produtos: carne bovina, soja, farelo e resíduos da extração de óleo de soja, óleo da soja, milho, suíno, frango, algodão, girassol, ouro em formas semimanufaturadas para uso não monetário e outros produtos semimanufaturados.

A ideia do parlamentar é incentivar o aumento da arrecadação do governo do Estado. Se aprovado o projeto de lei, pode ocorrer um acréscimo anual superior a R$ 2 bilhões, dinheiro este que destinado à administração pública estadual poderá ser revertido em educação, saúde, segurança pública, infraestrutura e assistência social.

Em 2019, foram exportados 20,2 milhões de toneladas de soja em grãos. Pelos critérios do projeto de lei, seriam exportados somente 10,1 milhões de tonelada, com a outra metade sendo destinada para comercialização interna e interestadual, o que permitiria ao Estado recolher 12% de ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).

Atualmente, uma tonelada de soja custa R$ 1,260 mil, o que permitiria a Mato Grosso arrecadar R$ 1,527 bilhão, sem contabilizar ainda as exportações de soja em farelo e sem óleo.

“Esse projeto foi apresentado pensando na industrialização do Estado. Mato Grosso precisa mudar de patamar. Nós precisamos entrar na era da industrialização e existe todos os elementos necessários para alcançar isto. Temos produtores de soja, algodão, milho, couro, madeira. Pode escolher a matéria prima que quiser para industrializar. Estamos pensando em um futuro com geração de emprego, distribuição de renda e oportunidade ao povo”, disse.

Fonte: Secom ALMT

Leia Também:  Taxa de desemprego bate 17% para mulheres e 16% para negros, diz IBGE

Política

Lúdio pede prorrogação de concurso da Segurança com provas marcadas

Publicado

na

O deputado estadual Lúdio Cabral (PT) requereu ao Governo do Estado a prorrogação do concurso público convocado pela Secretaria do Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), com provas previstas para o dia 20 de fevereiro de 2022. Isso porque a data coincide com a aplicação do Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), realizada em âmbito nacional em todos os estados da federação, conforme item 3.1.1 do Edital XXXIV Exame de Ordem Unificado.

“Isso impossibilita que milhares de possíveis candidatos ao concurso da Sesp-MT se inscrevam no exame da OAB ou vice e versa, considerando que o bacharelado em Direito é sem sombras de dúvidas uma formação compatível com a área de Segurança Pública”, explica Lúdio.

Além disso, a realização concomitante das provas da Sesp-MT e da OAB poderá causar aglomeração nos municípios em que serão realizadas, aumentando o risco de contaminação por covid-19. “O que não é recomendado no momento de escalada da doença no estado, com aumento dos números diários de novos casos pelo avanço da variante Ômicron no Brasil”, alerta o deputado.

Leia Também:  Traçado da MT-130 em cidade do nortão pode ser alterado, a articulação é do deputado estadual Nininho

São seis editais de Concurso Público para os cargos de Escrivão de Polícia e Investigador de Polícia (Edital Nº 001/2022/SESP/PJC/MT), publicado no dia 04 de janeiro, Perito Oficial Criminal, Perito Oficial Médico-Legista e Perito Oficial Odonto-Legista (Edital Nº 002/2022/SEGES/SESP/MT), Soldado da Polícia Militar (Edital Nº 003/2022/SEPLAG/SESP/MT), Oficial da Polícia Militar (Edital Nº 004/2022/SEPLAG/SESP/MT), Oficial da Polícia Militar da Saúde (Nº 005/2022/SEPLAG/SESP/MT) e Soldado do Corpo de Bombeiros (006/2022/SEPLAG/SESP/ MT), publicados no dia 05 de janeiro no Diário Oficial do Estado de Mato Grosso.

Todos estes editais exigem como requisito mínimo a formação do candidato em nível superior e têm provas objetivas e dissertativas previstas para o dia 20 de fevereiro. Ofício protocolado nesta segunda-feira (17) solicita que as provas sejam adiadas em uma semana, para o dia 27 de fevereiro ou para outra data.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA