Cotidiano

Especialista dá dicas para cuidar da saúde no inverno

Publicado

na

Coordenadora de Enfermagem da Unic Rondonópolis orienta medidas de prevenção para o período

A chegada do inverno, responsável por queda na temperatura, vem acompanhada pela redução da umidade do ar e pelo aumento da concentração de poluentes e alérgenos. Com isso, algumas doenças características da estação começam a aparecer, como gripes, resfriados, bronquites, amidalites, pneumonias, rinites alérgicas, entre outras.

Por isso, é importante estar atento aos hábitos e se dedicar à prevenção, como explica a coordenadora do curso de Enfermagem da Unic Rondonópolis, Cleciene dos Anjos Musquim: “a melhor maneira de combater doenças típicas do inverno é a prevenção. Alguns cuidados são importantes para enfrentar a estação com tranquilidade”.

Confira algumas dicas de prevenção:

• Lave as mãos: com a pandemia, já se discutiu amplamente a importância de higienizar as mãos. Com gripes e resfriados, é a mesma coisa. Mantenha as mãos limpas, inclusive após tossir ou espirrar, para que os vírus e outros microrganismos não permaneçam presentes.
• Evite ambientes fechados e aglomerações, além do contato próximo com pessoas doentes.
• Mantenha-se hidratado: o inverno, geralmente, é uma estação com baixa umidade do ar, o que gera o ressecamento das vias aéreas pode favorecer o surgimento de doenças respiratórias. Então, além de beber água, outra dica é utilizar umidificador de ar ou colocar toalhas úmidas no ambiente, para evitar o tal ressecamento.
• Cuide da alimentação: a alimentação saudável e a prática de atividades físicas, mesmo que em casa, ajudam a fortalecer o sistema imunológico. Uma conduta com vitaminas, principalmente a C, são bastante indicadas. Alimentos como: limão, laranja, abacaxi, acerola, gengibre, couve e cenoura são os melhores para prevenção. Sopas, caldos e chás também podem auxiliar a manter o corpo na temperatura adequada.
• Tome banho de sol: a exposição ao sol é importante para aumentar a imunidade. Em caso de deficiência de vitamina D, a reposição deve ser indicada por um médico.

Leia Também:  Gestão Emanuel Pinheiro: Idosos em situação de rua recebem a primeira dose da vacina
Idosos

De acordo com a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), entre os principais riscos à saúde dos idosos estão a hipotermia, ausência de movimentação, infecções (gripes e pneumonias) e dores crônicas, como artrites e artroses.

Para a coordenadora do curso de Enfermagem da Unic Rondonópolis é preciso adotar cuidados especiais com os idosos, principalmente nesta época do ano. Mais frágeis, eles têm a imunidade e reservas funcionais mais baixas, além de menor capacidade de regular a temperatura corporal. “A terceira idade faz parte do grupo de risco, portanto, também é fundamental estar com a vacina da gripe em dia. Além disso, o Ministério da Saúde recomenda a vacina a pneumocócica em idosos em condições especiais, por exemplo, idosos acamados e aqueles que vivem em casas de acolhimento e asilos. É importante procurar a unidade básica de saúde mais próxima para uma avaliação da situação vacinal”, pontua a especialista.

Segundo Cleciene, a hipotermia acontece quando a temperatura central fica abaixo dos 35º C e o corpo não consegue gerar calor. Os sintomas são redução dos tremores, apatia, sonolência, confusão mental, podendo chegar à perda da consciência. “Em caso de hipotermia, o primeiro passo é retirar o idoso do local frio e trocar as roupas úmidas e molhadas. Envolver a vítima em mantas e agasalhos para aquecê-la e chamar rapidamente o serviço de emergência. Se o idoso estiver consciente, é indicado que ele ingira bebidas quentes, como chá. É necessário redobrar a atenção ao idoso durante o inverno, alguns cuidados podem prevenir a hipotermia como agasalhar-se bem, usar cobertores, consumir bebidas quentes (não alcoólicas), manter uma dieta equilibrada e incluir sopas na alimentação”, esclarece a profissional da Unic.

Leia Também:  Crianças na internet - Os cuidados em meio ao coronavírus
Sobre a Unic

Fundada em 1988, a Unic foi a primeira instituição privada de ensino superior no Mato Grosso e é uma das universidades mais conhecidas e tradicionais da região, tendo formado milhares de alunos nos cursos presencias e a distância. Com unidades em várias cidades do estado e representatividade em diversos campos de atuação, a instituição oferece cursos de extensão, graduação, pós-graduação lato sensu, além de programas de mestrado e doutorado. De portas abertas para a comunidade, a instituição presta inúmeros serviços gratuitos à população por meio das Clínicas-Escola na área de Saúde e Núcleos de Práticas Jurídicas, locais em que os acadêmicos desenvolvem os estudos práticos. Focada na excelência da integração entre ensino, pesquisa e extensão, a Unic oferece formação de qualidade e tem em seu DNA a preocupação em compartilhar o conhecimento com a sociedade também por meio de projetos e ações sociais. Em 2010, a Unic passou a integrar a Kroton. Para mais informações, acesse: http://www.unic.br.

Sobre a Kroton

A Kroton é uma companhia brasileira e uma das principais organizações educacionais do mundo, proporcionando ensino de qualidade durante todos os momentos da vida dos alunos, desde o ensino básico até a educação continuada. Com atuação inovadora, a Kroton é líder no desenvolvimento e aplicação de soluções educacionais. Em seus mais de 50 anos de tradição já contribuiu para a transformar a vida de milhões de pessoas, e trabalha para continuar concretizando sonhos em todos os cantos do país.
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cotidiano

Símbolo de respeito e ocupação histórica: Beco do Candeeiro recebe bênçãos da Lavagem do Rosário e São Benedito

Publicado

na

“Na beira da praia, Ogum Sete Ondas, Ogum Beira Mar” foi o que se escutou as margens da Prainha, no Beco do Beco do Candeeiro, na noite da última sexta-feira (11). O projeto Afro Sagrado, executado pela Associação Lavagem das Escadarias Rosário e São Benedito realizou a benção dos candeeiros para celebrar a presença ancestral africana. Logo depois, o grupo musical Raízes do Samba se apresentou com repertório nacional. No local, também foi comercializado comidas típicas regionais. Os eventos realizados no Beco são promovidos pela Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer por determinação do prefeito Emanuel Pinheiro, gratuitamente e seguem todas as medidas de biossegurança.

“É preciso respeitar as raízes do povo cuiabano, respeitar a fé tão diversa da nossa gente. A gestão Emanuel Pinheiro restaurou o Beco do Candeeiro para ser lugar de encontro, de exaltação da arte, da cultura, das tradições e vamos cada vez mais, promover a paz e união neste lugar tão simbólico da nossa Capital”, disse o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro.

Do agogô, instrumento Yoruba que se assemelha a um sino, veio o primeiro som. Daí por diante a cadência foi sendo construída. Das cabaças dos afoxés o som balançava até se fundir com a vibração dos atabaques. O ritmo se encorpava para que a bandeira da Paz dançasse no salão do Museu da Imagem e do Som (MISC). Ainda era só ensaio para o que viria a ser apresentado em instantes na rua 27 de Dezembro.

Às 19h, Ogum Beira Mar inundou o Beco do Candeeiro com seu exército branco. Chegou para abençoar, ocupar espaço de direito, por uma cultura de paz e tolerância. Eram os integrantes da Associação da Lavagem das Escadarias Rosário e São Benedito adentrando a primeira rua iluminada de Cuiabá com seu axé.

Leia Também:  Programa-se Para o Fim de Semana

“Hoje para nós é um momentos especial, é quando a Prefeitura de Cuiabá nos reconhece como movimento cultural da Capital. Quero agradecer a todos que estão aqui, todos somos Lavagem e todos buscamos um espaço dentro do contexto histórico dessa cidade. Estar dentro do Beco do Candeeiro, um local restaurado para nós povo afro brasileiro é muito importante para nós”, disse Lindsey Catarina, presidente da Associação da Lavagem das Escadarias Rosário e São Benedito.

 Enquanto a Lavagem passava, o coração pulsava no ritmo dos dedos que tocavam o atabaque. O som reverberava nas pedras cangas que pareciam recordar os passos que retornavam para casa. O retorno das raízes afro brasileiras, da capoeira, do siriri e cururu, velhas conhecidas do Beco do Candeeiro.

“Quero dizer que é um prazer e uma emoção muito grande estar perto de um povo de fé. Quem conhece minha família sabe que a minha casa sempre esteve aberta para todos. Eu tenho muito orgulho de estar aqui e peço que me vejam e sintam sempre como uma irmã de vocês. Que Deus e Oxalá abençoem todos nós, muito axé para todo mundo”, disse a secretária Carlina Rabello Leite Jacob, que participou de toda a procissão pelo Beco e também esteve ao lado da presidente da Lavagem, Lindsey Catarina e do padre Hugo no momento simbólico de soltura de uma pomba branca pela paz. O secretário-adjunto de Cultura, Justino Astrevo também esteve presente no local.

Leia Também:  Crianças na internet - Os cuidados em meio ao coronavírus

Dos jarros com flores segurados pelas baianas vieram a água de cheiro que lavou a rua e os que assistiam e participavam do ritual. “Senhora do Rosário foi quem me trouxe aqui. Senhor do Rosário, foi quem me trouxe aqui. A água do mar é santa, eu vi, eu vi, eu vi”, cantava o exército branco, enquanto ramos de flores encharcados atiravam água perfumada e abençoada pelo ar.

“Eu tinha a fama de ser o padre mais macumbeiro da minha cidade, Campo Grande. Estou aqui como Igreja e digo que temos muito a que pedir perdão. Peço perdão a todo povo negro que teve que esconder seus orixás atrás de imagens de santo. Esse é o momento de pedir perdão, momento de que nossos ancestrais nos perdoem. Este momento é de abençoar este lugar que também já foi de sofrimento. Que nossos orixás nos abençoem, abram nossos caminhos e os purifiquem, axé”, disse padre Hugo, que representou a Paróquia Anglicana da Virgem Maria, no bairro Jardim El Dorado durante a benção.

A Associação da Lavagem dedicou o ritual em homenagem ao já falecido maestro Edinaldo Ferreira. No início da celebração foi feito um minuto de silêncio pelo falecimento da jornalista cultural, ex-assessora de imprensa da Prefeitura de Cuiabá, Alessandra Barbosa, falecida na sexta-feira (11).

Toda a programação no Beco do Candeeiro é realizada com entrada franca e limitada a 70 pessoas, respeitando as medidas de biossegurança em decorrência da pandemia da COVID-19.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA