Política

ALMT debate criação do Fundo Estadual de Equilíbrio Fiscal de Mato Grosso

Publicado

na

A Assembleia Legislativa realizou, no dia 11 de maio, uma audiência pública para tratar do projeto “Escola sem Partido”, que tem como finalidade limitar que professores abordem temas políticos em sala de aula. A proposta foi apresentada pelo procurador do estado de São Paulo e fundador do Movimento Escola sem Partido naquele estado, Miguel Nagib, e pelo deputado federal por Mato Grosso Victorio Galli (PSL).

Na abertura, o deputado Wilson Santos (PSDB), que representou o presidente Eduardo Botelho (DEM), requerente da audiência, defendeu que o tema precisa ser amplamente debatido, principalmente por se tratar de orientação educacional. “Penso que se for para discutir questões políticas e ideológicas nas escolas, é preciso contemplar todas as vertentes, abordando os contextos históricos e ideológicos de cada uma, para conhecimento amplo. E se for para proibir, que seja para todas e, desta forma, deixar que a busca por esse conhecimento seja de cada um, de acordo com sua identificação”, defendeu.

O ‘Escola sem Partido’ divide opiniões e tem gerado polêmica porque propõe alterações na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) para proibir conteúdos que abordem questões políticas, morais, de gênero ou orientação sexual nas escolas. Devendo, conforme a proposta, esses assuntos ficar a cargo da família, não podendo ser tratadas nas instituições de ensino.

Leia Também:  Câmara debate situação dos moradores de rua

Miguel Nagib falou a respeito dos deveres dos professores e, por meio de vídeos, exemplificou casos em que, segundo ele, houve doutrinação. Segundo ele, os estudantes são prejudicados por serem obrigados a permanecer em sala de aula, enquanto por outro lado, professores se beneficiam dessa condição: “A partir do momento em que o professor se aproveita dessa circunstância, não para falar de forma parcial equilibrada, mas para promover as suas próprias preferências, ele está violando a liberdade de consciência e de crença dos alunos e se aproveitando da condição privilegiada”, explica o coordenador do movimento. Para Nagib, a prática, considerada ilegal, está acontecendo e causa prejuízo para as famílias, para os estudantes e para a democracia.

Galli defendeu que o ambiente escolar seja espaço para transmissão apenas de conhecimentos científicos. “Quem educa os filhos são os pais! Cada família tem suas convicções religiosas e políticas. E a eles cabe essa formação”, defendeu. O parlamentar adiantou ainda que outros quatro municípios já solicitaram que o debate seja estendido para suas regiões. “Estamos discutindo com o Nagib a disponibilidade de datas para o agendamento”, afirmou.

Leia Também:  Palestras sobre Direito Condominial reúnem mais de 250 pessoas em Cuiabá

O evento reuniu apoiadores do projeto e representantes de movimentos favoráveis à proposta. Como não houve ninguém para defender o contraditório, não houve debate.

Projetos de Lei “Escola sem Partido” – Nacionalmente existem dois: um na Câmara (PL 867/2015) do deputado Izalci Lucas (PSDB); e outro no Senado (PL 193/2016), do senador Magno Malta (PR-ES), ambos em tramitação.

Em dez estados brasileiros e no Distrito Federal também já foram apresentados projetos do Escola sem Partido.  Em Mato Grosso, o deputado  Dilmar Dal Bosco (DEM) é autor do Projeto de Lei nº 403/2015, que trata do assunto. A proposta tramitou pela Casa e foi arquivado em 2016, a pedido do autor e por determinação da Mesa Diretora.

Assessoria ALMT

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Lúdio pede prorrogação de concurso da Segurança com provas marcadas

Publicado

na

O deputado estadual Lúdio Cabral (PT) requereu ao Governo do Estado a prorrogação do concurso público convocado pela Secretaria do Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), com provas previstas para o dia 20 de fevereiro de 2022. Isso porque a data coincide com a aplicação do Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), realizada em âmbito nacional em todos os estados da federação, conforme item 3.1.1 do Edital XXXIV Exame de Ordem Unificado.

“Isso impossibilita que milhares de possíveis candidatos ao concurso da Sesp-MT se inscrevam no exame da OAB ou vice e versa, considerando que o bacharelado em Direito é sem sombras de dúvidas uma formação compatível com a área de Segurança Pública”, explica Lúdio.

Além disso, a realização concomitante das provas da Sesp-MT e da OAB poderá causar aglomeração nos municípios em que serão realizadas, aumentando o risco de contaminação por covid-19. “O que não é recomendado no momento de escalada da doença no estado, com aumento dos números diários de novos casos pelo avanço da variante Ômicron no Brasil”, alerta o deputado.

Leia Também:  Professor Franks toma posse como vereador de Cuiabá

São seis editais de Concurso Público para os cargos de Escrivão de Polícia e Investigador de Polícia (Edital Nº 001/2022/SESP/PJC/MT), publicado no dia 04 de janeiro, Perito Oficial Criminal, Perito Oficial Médico-Legista e Perito Oficial Odonto-Legista (Edital Nº 002/2022/SEGES/SESP/MT), Soldado da Polícia Militar (Edital Nº 003/2022/SEPLAG/SESP/MT), Oficial da Polícia Militar (Edital Nº 004/2022/SEPLAG/SESP/MT), Oficial da Polícia Militar da Saúde (Nº 005/2022/SEPLAG/SESP/MT) e Soldado do Corpo de Bombeiros (006/2022/SEPLAG/SESP/ MT), publicados no dia 05 de janeiro no Diário Oficial do Estado de Mato Grosso.

Todos estes editais exigem como requisito mínimo a formação do candidato em nível superior e têm provas objetivas e dissertativas previstas para o dia 20 de fevereiro. Ofício protocolado nesta segunda-feira (17) solicita que as provas sejam adiadas em uma semana, para o dia 27 de fevereiro ou para outra data.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA