Destaque

Cuiabá Esporte Clube representará Mato Grosso na série A do Brasileirão

Publicado

na

O Cuiabá Esporte Clube vai representar Mato Grosso na Série A do Campeonato Brasileiro de 2021. Com 61 pontos e o 3º lugar na tabela da Série B, a equipe garantiu a classificação antes mesmo de subir no gramado na Arena Pantanal, graças ao empate do 5º colocado, CSA-AL, que enfrentou o Brasil de Pelotas-RS, que jogaram antes em Maceió nesta sexta-feira (22.01).

Dentro de campo, o Cuiabá acabou derrotado por 3×1 para o Sampaio Corrêa, do Maranhão, mas isso não impediu a realização do feito. Há 35 anos uma equipe mato-grossense não disputava a primeira divisão do campeonato brasileiro. O último representante estadual na elite estadual foi o Operário de Várzea Grande, em 1986, quando os campeões estaduais se classificavam para a competição nacional, que contava com 48 participantes.

“Parabéns ao Cuiabá, à diretoria, aos jogadores e torcedores. Vamos fazer da nossa Arena Pantanal um palco de espetáculos do futebol, trazer um grande público para a nossa querida capital”, destacou o governador Mauro Mendes. Devido aos protocolos de segurança da Covid-19, o jogo desta sexta-feira (22) foi realizado sem público, assim como as demais partidas da Série B.

Leia Também:  Fumaça em Cuiabá ganha destaque nacional; temperatura aumenta

O time do Cuiabá recebe o Sampaio Corrêa de São Luís (MA) na Arena Pantanal pela 37º rodada do Brasileiro Série B
Créditos: Christiano Antonucci – SECOM/MT

O Cuiabá Esporte Clube foi fundado em 2001 e desde então foi campeão mato-grossense nove vezes. Além disso, já ganhou duas vezes a Copa Verde, competição realizada entre equipes do Norte e Centro-Oeste. Em 2011 a equipe subiu da Série D para a Série C, e em 2018 conseguiu o acesso para a Série B.

“Estamos orgulhosos em ter Mato Grosso na elite do futebol brasileiro. O Governo do Estado está de braços abertos para apoiar todos os representantes do nosso futebol”, afirmou o secretário estadual de Cultura, Esporte e Lazer, Alberto Machado.

Destaque

Governo envia para a Assembleia projeto que prevê multa a empresas e cidadãos que desrespeitaram restrições

Publicado

na

O Governo de Mato Grosso encaminhou projeto de lei que prevê multa para as pessoas e empresas que desrespeitarem as novas medidas restritivas contra o avanço da covid-19.

A proposição foi enviada nesta segunda-feira (01.03) para a Assembleia Legislativa, em regime de urgência, com o objetivo de “conter o aumento exponencial da contaminação causada pelo novo coronavírus, bem como evitar que o sistema de saúde estadual entre em colapso”.

De acordo com o projeto, a multa para as pessoas físicas que descumprirem as normas será de R$ 500. Já as empresas e/ou órgãos públicos que cometerem as infrações terão que pagar R$ 10 mil.

As penalidades serão aplicadas para as pessoas físicas e jurídicas que:

1 – Descumprirem a obrigação de uso de máscara facial em espaços abertos ao público ou de uso coletivo;

2 – Deixarem de realizar o controle do uso de máscaras faciais de todas as pessoas presentes no estabelecimento, sejam elas funcionários ou clientes;

3 – Participar e/ou promover atividades, reuniões ou eventos que geram aglomeração de pessoas, em descumprimento a normas editadas pela autoridade municipal, estadual e/ou federal;

4 – Descumprir a restrição de horários para circulação, conforme estabelecido em normas editadas pela autoridade municipal, estadual e/ou federal;

Leia Também:  Em Cuiabá, 728 candidatos brigam por 25 vagas na Câmara Municipal

5 – Desrespeitar ou desacatar a autoridade administrativa, bem como obstruir ou dificultar sua ação fiscalizadora quando no exercício das atribuições previstas nesta Lei;

6 – Deixar de promover ações fiscalizatórias necessárias ao cumprimento desta Lei, quando se tratar de agente político ou de funcionário público com dever legal de determinar o cumprimento das medidas sanitárias fixadas nesta norma;

7 – Cometerem outras ações consideradas lesivas ao enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do novo Coronavírus.

As multas

As infrações poderão ser registradas pelo Procon estadual e municipal; pelos órgãos de vigilância sanitária estadual e municipal; Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros e outros órgãos municipais com poder fiscalizatório.

A pessoa ou empresa multada poderá recorrer em até 15 dias após a assinatura do auto de infração.

Além da multa, os infratores também poderão ser investigados pelos crimes de infração de medida sanitária preventiva e desobediência, previstos no Código Penal.

Os recursos arrecadados com eventuais multas serão destinados à compra de cestas básicas a serem distribuídas no município onde ocorreu a autuação.

Confira as novas medidas restritivas que passam a valer a partir de quarta-feira (03.03):

Leia Também:  Museu de História Natural inaugura cenário alusivo ao cotidiano do homem na pré-história

– De segunda à sexta, proibição de todas as atividades econômicas das 19h às 5h. Aos sábados e domingos, a proibição será após o meio-dia. A exceção fica por conta das farmácias, serviços de saúde, funerárias, postos de gasolina (exceto conveniências), indústrias, transporte de alimentos e grãos, e serviços de manutenção de atividades essenciais, como água, energia e telefone.

– Nos horários permitidos, as atividades econômicas deverão respeitar as medidas de segurança, como o uso de máscara, distanciamento e limitação de 50% da capacidade máxima do local.

– Eventos podem ocorrer dentro do horário permitido, respeitado o limite 30% da capacidade do local, e número máximo de 50 pessoas.

– Os serviços de entrega por delivery seguem autorizados até às 23h.

– O transporte coletivo e congêneres (Uber, 99, etc) podem funcionar normalmente.

– Toque de recolher a partir das 21h até às 5h, com proibição de circulação.

– Nos órgãos públicos estaduais, fica suspenso o atendimento presencial em todas as secretarias e órgãos do governo, com exceção das unidades finalísticas. Quanto a jornada de trabalho, cada secretaria/autarquia vai disciplinar medidas para redução do fluxo de pessoas.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA