Política

Botelho afirma que não há condições sanitárias para o retorno às aulas em MT

Publicado

na

O presidente da Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura e Desporto da Assembleia Legislativa, deputado estadual Valdir Barranco (PT), disse à imprensa, que não vê condições de retomada das aulas presencias no estado antes da vacinação contra a covid-19, como prevê o governo do estado para o dia 8 de fevereiro.

Barranco afirmou que a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) deveria ter feito um controle efetivo da curva epidemiológica em todos os municípios para garantir segurança sanitária e o retorno das aulas naqueles onde “não houve avanço efetivo da doença”.

“Se eles tivessem feito isto, as aulas já poderiam ter retornado em algumas cidades. Mas o trabalho não foi feito. Hoje, não há mente sã que possa conceber aulas presenciais, de forma geral, enquanto não tivermos a vacina”, explicou.

O parlamentar lembrou que o país está longe do início da vacinação em massa contra a covid-19. Segundo ele, a Índia, país que deveria entregar as primeiras doses do imunizante ao Brasil, proibiu, em 5 de janeiro, a comercialização do produto.

Leia Também:  Projeto prevê mais direitos às pessoas com lúpus

“São eles que produzem os lotes da AstraZeneca que viriam pra o Brasil. Portanto, enquanto não tivermos as duas doses da vacina disponíveis aos brasileiros não temos com ter aulas 100% presenciais, tampouco de forma híbrida com alguns alunos em sala de aula e outros com participação remota.” “Cabe ao governador Mauro Mendes, através da Secretaria de Saúde, buscar um contrato com os laboratórios produtores da vacina para que possamos tê-la, já que nacionalmente não a teremos tão cedo, porque o presidente Bolsonaro nos nega a vacina, a compra do imunizante pelo estado. Só assim teremos segurança sanitária para o retorno às aulas em todo o estado”, concluiu o parlamentar.

Política

Proposta cria a Comissão Permanente do Pantanal na ALMT

Publicado

na

O deputado estadual Wilson Santos (PSDB) é o autor do Projeto de Resolução 01/2021, que cria na Assembleia Legislativa a Comissão Permanente do Pantanal Mato-grossense.

A proposta visa patrocinar discussões e mobilizar a sociedade para debater alternativas que viabilizem o desenvolvimento socioeconômico e sustentável do Pantanal.

Entre os objetivos ainda está reunir profissionais conceituados e de renome das diferentes áreas de conhecimento, para discussões técnicas, científicas e políticas que resultem na formulação de sugestões e medidas capazes de contribuir para a superação dos entraves/problemas e construção do processo de desenvolvimento da região.

Também se propõe a discutir o Programa BID Pantanal e outros que tratem do desenvolvimento sustentável do Pantanal.

O parlamentar justifica a necessidade da comissão permanente por conta do aumento do índice de queimadas nos últimos anos que tem devastado a região.

De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), as queimadas na região do Pantanal brasileiro aumentaram 210% em 2020, quando comparado ao mesmo período do ano de 2019.

Considerando o período de janeiro a setembro de 2019, foram registrados 4660 focos de incêndio; em 2020, foram registrados 14.489 focos. Até então, o recorde era de 12.536 focos de incêndio, no ano de 2015, fato esse superado nos sete primeiros meses de 2020.

Leia Também:  Partidos têm até hoje para prestar contas de 2017 ao TSE

“A devastação do Pantanal provocada pelas queimadas leva à necessidade de criar uma comissão permanente para discutir a formulação de políticas públicas que possam se converter em investimento pelo Poder Executivo. Os resultados positivos serão alcançados ouvindo especialistas do setor e segmentos da sociedade”, explica Wilson Santos.

 

A tramitação do Projeto de Resolução 01/2021 pode ser acompanhada aqui.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA