Cotidiano

Casos de malária em Mato Grosso crescem mais de 64% neste ano

Publicado

na

Na contramão do país, Mato Grosso está entre os três estados brasileiros que tiveram aumento no número total de casos autóctones de malária.

Ou seja, contraíram a infecção em território nacional de janeiro a junho deste ano, se comparado ao mesmo período de 2019.

No Estado, os números da doença saltaram de 575 para 946, o que representa um incremento de 64,5%.

Entre 2018 e o ano passado, esse crescimento foi de 126%, passando de 1.010 para 2.283 infecções autóctones.

A maioria dos casos é de malária “vivax”.

Já as notificações de P. falciparum e malária mista, espécie de plasmódio que causa a forma mais grave da doença, foram contabilizados 338 casos, em 2019 no Estado.

Nos seis primeiros meses deste ano, foram 163 notificações.

Localizado a 1.065 quilômetros ao Norte de Cuiabá, Colniza é um dos municípios considerados prioritários para a doença.

No ano passado, a cidade registrou 1.442 casos autóctones.

Os dados constam no boletim epidemiológico da malária 2020, divulgado na última quinta-feira (3), pelo Ministério da Saúde.

Ainda hoje, a malária é considerada um dos mais sérios problemas mundiais de saúde pública, sendo uma das doenças de maior impacto na morbidade e na mortalidade da população dos países situados nas regiões tropicais e subtropicais.

No país, é uma doença comum na região amazônica, mas também ocorre na porção extra-amazônica, formada pelos demais estados brasileiros e o Distrito Federal, e não pode ser negligenciada, pois o retardo do diagnóstico e do tratamento pode desencadear a internação e até o óbito do paciente.

Em nível nacional, houve uma redução de 19,1% dos casos de malária em relação ao ano anterior.

Foram 157.454 notificações da doença no período, contra 194.572 em 2018.

Em relação aos casos autóctones, os dados apontam uma queda de 15,1% na comparação do primeiro semestre dos anos de 2019 e 2020, de acordo com dados preliminares.

Em 2019, quando comparado a 2018, houve uma redução de 18,4%, passando de 187.757 para 153.296 casos autóctones do agravo.

De janeiro a junho de 2020, as regiões amazônica e extra-amazônica tiveram redução no número total de casos autóctones, de 15,1% e 71% respectivamente.

Além de Mato Grosso, Rondônia (27,7%) e Roraima (18,8%) também registraram aumento no número de casos de infecções.

Na região extra-amazônica, São Paulo registrou o maior número de casos, com quatro casos autóctones. O Estado também demonstrou uma redução de 60% no primeiro semestre de 2020, em relação ao ano anterior.

Na região amazônica, onde ocorrem 99,9% dos casos de malária, cerca de 80% da doença se concentrou em 41 municípios em 2019, sendo 16 no Amazonas (39%), oito no Pará (19,5%), sete em Roraima (17,1%), quatro no Amapá (9,8%), três no Acre (7,3%), dois em Rondônia (4,9%) e um em Mato Grosso (2,4%).

No Brasil, o principal vetor da malária é o mosquito Anopheles darlingi infectado por Plasmodium, um tipo de protozoário.

Os mosquitos desta espécie são geralmente encontrados durante o período noturno, porém, ao amanhecer e ao entardecer, aumentam o risco de transmissão da doença.

Apenas as fêmeas infectadas do mosquito transmitem a malária por meio de picadas.

CASOS IMPORTADOS – Em relação aos casos importados, o Brasil registrou 4.117 infecções, em 2019, o que equivale a 2,6% dos casos notificados no Brasil.

Os casos foram provenientes da Venezuela, Guiana Inglesa, Guiana Francesa, Bolívia e Peru.

A maior ocorrência é de Plasmodium vivax (79,3%).

Em 2020, de janeiro a junho, foram registrados 1.049 casos importados de outros países no Brasil – o equivalente a 1,5% do total de casos notificados -, com maior ocorrência nos estados de Roraima e Amazonas com 60,7% e 14,3%, respectivamente.

 

Leia Também:  Governo de Mato Grosso investe R$150 milhões em construções, reformas e manutenções de escolas no Estado

Por Joanice de Deus

Fonte: Diário de Cuiabá

Cotidiano

Governo assina convênios para pacote de obras em escolas, aquisição de micro-ônibus e equipamentos

Publicado

na

O Governo de Mato Grosso, por meio da secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT), firmará, na próxima terça-feira (19.01), mais de 50 convênios com 26 municípios, para a construção de novas escolas estaduais e de quadras poliesportivas, ampliação de unidades, além da aquisição de micro-ônibus, mobiliários e equipamentos.

Os convênios ultrapassam os R$ 40 milhões e fazem parte do pacote de investimentos do programa Mais MT. O evento será realizado no Palácio Paiaguás, às 9h.

Dentro do pacote está a construção de três novas escolas em Peixoto de Azevedo, Primavera do Leste e Querência.

Em Peixoto de Azevedo o convênio firmado direto com a prefeitura prevê um investimento do governo de R$ 3.995.000,00 e R$ 5.000,00 de contrapartida do município.

O projeto é de construção da Escola Estadual Luciene Cardos de Oliveira, com 10 salas de aula e uma quadra poliesportiva. O terreno fica no Loteamento Nova Esperança, nas ruas Manaus e Parnaíva.

Em Primavera do Leste, a nova unidade terá 16 salas de aula e quadra poliesportiva. Será construída no bairro Jardim Luciana. A prefeitura destaca que o bairro tem apresentado um grande crescimento populacional e precisa de infraestrutura para atender os moradores de toda a redondeza.

Leia Também:  A todo vapor, o projeto "Anjos da Guarda" já começa operar nas unidades de ensino do município

O investimento do governo do Estado será de R$ 7.495.000,00 e a contrapartida da prefeitura de R$ 5.000,00.

Em Querência, será construído o novo prédio da Escola Estadual Indígena Central Kisedje, com oito salas de aula. A escola atende alunos dos Anos Iniciais e Finais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio. Neste prédio, o investimento do Estado será de R$ 1.995.000,00 com contrapartida de R$ 5.000,00 do município.

Ampliações e quadras

Os convênios também são para ampliações em oito escolas estaduais, localizadas em Campo Novo do Parecis, Nova Canaã do Norte, Sapezal e Sorriso. Cada unidade terá mais oito salas de aula, uma média de 240 novas vagas. As obras estão previstas para iniciar ainda no primeiro semestre.

Vinte e duas escolas vão ganhar uma nova quadra poliesportiva, possibilitando aos estudantes um espaço adequado para a prática de esportes. As quadras serão construídas em escolas de Campo Novo do Parecis, Figueirópolis D’Oeste, Juscimeira, Nortelândia, Nova Lacerda, Peixoto de Azevedo, Porto Alegre do Norte, Primavera do Leste, Querência, Santa Rita do Trivelato e Sorriso.

Leia Também:  Integração consolida redução de homicídio, roubo e furto no 1º trimestre do ano

Em Campo Novo do Parecis, a obra de ampliação será na Escola Estadual Jardim do Ipês, no bairro com o mesmo nome. Além de um novo bloco escolar com oito salas de aula, serão construídos novos banheiros na unidade e uma quadra poliesportiva. O convênio assinado com a prefeitura totaliza R$ 1.500.000,00, sendo R$ 1.495.000,00 de investimentos do governo e R$ 5.000,00 de contrapartida do município.

Também em Campo Novo do Parecis, a Escola Estadual Marechal Cândido Rondon vai ganhar uma nova quadra poliesportiva (R$ 695.000,00 de investimentos do Estado e R$ 5.000,00 de contrapartida do município).

Em Itanhangá, a Escola Joaquim Barbosa vai ganhar mais oito salas de aula e também uma quadra poliesportiva. O projeto também prevê a instalação de posto de transformação para que a unidade possa receber climatização.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA