Cotidiano

Em meio à pandemia de Covid, chuva aumenta risco da dengue em MT

Publicado

na

Os casos de dengue ultrapassam as 45 mil notificações neste ano, em Mato Grosso.

A quantidade representa um incremento de 203,1% se comparado a 2019, quando foram contabilizados 14.878 registros da doença, e deixa o Estado com alto risco para a doença.

Situação que tende a se agravar com o início do período chuvoso. Dos 45.101 registros, 29.146 já foram confirmados.

A associação de água parada proveniente das chuvas e altas temperaturas são preocupantes, pois é a combinação perfeita para o surgimento de criadouros do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, do zika e da chikungunya.

Além disso, essa evolução de casos está relacionada a reintrodução de um tipo de vírus, que circulou entre nós em 2008 até 2011, que é o DEN tipo 2.

“Obviamente, no período a seca esses casos diminuíram bastante, mas a tendência é que com o início das chuvas, eles aumentarem sim e tem uma perspectiva de interiorização desses casos”, informou, em entrevista à TVCA, o secretário-adjunto de Atenção e Vigilância em Saúde, Juliano Melo.

Ele explicou ainda que são quatro sorotipos virais da dengue. Destes, o sorotipo 2, historicamente, tende a apresentar evolução mais grave.

No Estado, boletim da Secretaria de Estado de Saúde aponta ainda para 17 óbitos confirmados e outros três em investigação em decorrência da dengue neste ano.

Em 2019, foram quatro mortes. A incidência estadual é de 1.348 casos para 100 mil habitantes.

Entre os municípios, Rondonópolis e Sinop apresentam alto risco com 2.325 e 8.504 registros da doença, respectivamente.

As duas maiores cidades em termos populacionais, Cuiabá e Várzea Grande, têm risco médio. Na Capital, são 879 casos e, em Várzea Grande, 315 notificações.

A DOENÇA – A dengue é uma doença viral transmitida principalmente pela picada da fêmea do Aedes.

Quando infectada, a vítima pode sentir uma série de sintomas como febre, dores de cabeça, tonturas e cansaço.

O mosquito também causa a zika e a chikungunya, que nestes dois casos, o Estado apresenta baixo risco para os dois tipos de agravos.

Neste ano, já são 704 notificações da zika e 747 casos da chikungunya.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e o Ministério da Saúde, a pessoa deve suspeitar de dengue quando ocorre febre alta (40°C), acompanhada de pelo menos dois dos seguintes sintomas: dor de cabeça intensa, dor atrás dos olhos, dores musculares e articulares, náusea, vômito, inchaço nas glândulas e manchas pelo corpo.

Os sintomas geralmente permanecem por 2 e 7 dias, após o período de incubação e de 4 a 10 dias depois da picada do mosquito infectado.

Já no caso de doença grave os sinais de alerta ocorrem entre 3 e 7 dias após os primeiros sintomas e incluem: dor abdominal intensa, vômito persistente, respiração rápida, sangramento na gengiva, fadiga, agitação e vômitos com sangue.

O principal cuidado é o combate ao mosquito transmissor.

Algumas das recomendações serem seguidas são cobrir, esvaziar e limpar semanalmente recipientes domésticos que possam armazenar água; aplicar inseticidas apropriados para recipientes de armazenamento de água ao ar livre; proteção da casa e de seus moradores, usando telas nas janelas, roupas de mangas compridas, materiais tratados com inseticidas e vaporizadores; reforçar a participação da comunidade e a mobilização para sustentar o controle de vetores.

Por Joanice de Deus
Fonte: Diário de Cuiabá
Leia Também:  A pandemia e o teletrabalho no serviço público

Cotidiano

Governo assina convênios para pacote de obras em escolas, aquisição de micro-ônibus e equipamentos

Publicado

na

O Governo de Mato Grosso, por meio da secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT), firmará, na próxima terça-feira (19.01), mais de 50 convênios com 26 municípios, para a construção de novas escolas estaduais e de quadras poliesportivas, ampliação de unidades, além da aquisição de micro-ônibus, mobiliários e equipamentos.

Os convênios ultrapassam os R$ 40 milhões e fazem parte do pacote de investimentos do programa Mais MT. O evento será realizado no Palácio Paiaguás, às 9h.

Dentro do pacote está a construção de três novas escolas em Peixoto de Azevedo, Primavera do Leste e Querência.

Em Peixoto de Azevedo o convênio firmado direto com a prefeitura prevê um investimento do governo de R$ 3.995.000,00 e R$ 5.000,00 de contrapartida do município.

O projeto é de construção da Escola Estadual Luciene Cardos de Oliveira, com 10 salas de aula e uma quadra poliesportiva. O terreno fica no Loteamento Nova Esperança, nas ruas Manaus e Parnaíva.

Em Primavera do Leste, a nova unidade terá 16 salas de aula e quadra poliesportiva. Será construída no bairro Jardim Luciana. A prefeitura destaca que o bairro tem apresentado um grande crescimento populacional e precisa de infraestrutura para atender os moradores de toda a redondeza.

Leia Também:  Parlamentar reage sobre redução de leitos de Covid-19: 'decisão equivocada'

O investimento do governo do Estado será de R$ 7.495.000,00 e a contrapartida da prefeitura de R$ 5.000,00.

Em Querência, será construído o novo prédio da Escola Estadual Indígena Central Kisedje, com oito salas de aula. A escola atende alunos dos Anos Iniciais e Finais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio. Neste prédio, o investimento do Estado será de R$ 1.995.000,00 com contrapartida de R$ 5.000,00 do município.

Ampliações e quadras

Os convênios também são para ampliações em oito escolas estaduais, localizadas em Campo Novo do Parecis, Nova Canaã do Norte, Sapezal e Sorriso. Cada unidade terá mais oito salas de aula, uma média de 240 novas vagas. As obras estão previstas para iniciar ainda no primeiro semestre.

Vinte e duas escolas vão ganhar uma nova quadra poliesportiva, possibilitando aos estudantes um espaço adequado para a prática de esportes. As quadras serão construídas em escolas de Campo Novo do Parecis, Figueirópolis D’Oeste, Juscimeira, Nortelândia, Nova Lacerda, Peixoto de Azevedo, Porto Alegre do Norte, Primavera do Leste, Querência, Santa Rita do Trivelato e Sorriso.

Leia Também:  Mulheres com diabetes cresce 92% em Cuiabá

Em Campo Novo do Parecis, a obra de ampliação será na Escola Estadual Jardim do Ipês, no bairro com o mesmo nome. Além de um novo bloco escolar com oito salas de aula, serão construídos novos banheiros na unidade e uma quadra poliesportiva. O convênio assinado com a prefeitura totaliza R$ 1.500.000,00, sendo R$ 1.495.000,00 de investimentos do governo e R$ 5.000,00 de contrapartida do município.

Também em Campo Novo do Parecis, a Escola Estadual Marechal Cândido Rondon vai ganhar uma nova quadra poliesportiva (R$ 695.000,00 de investimentos do Estado e R$ 5.000,00 de contrapartida do município).

Em Itanhangá, a Escola Joaquim Barbosa vai ganhar mais oito salas de aula e também uma quadra poliesportiva. O projeto também prevê a instalação de posto de transformação para que a unidade possa receber climatização.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA