Destaque

Mulheres lembram misoginia e se irritam com apoio de Gisela a Abílio

Publicado

na

O apoio declarado de Gisela Simona (Pros) a Abílio Júnior (Podemos), nesta quinta-feira (19), caiu como uma bomba no meio político e entre eleitores da ex-Procon/MT.

Pelo histórico da campanha em 1º turno, a ex-candidata já não é unanimidade, entre os seus apoiadores.  

O assunto bombou nas redes sociais, onde eleitores declarados de Gisela consideraram que a sua decisão equivale a uma “traição”.

Algumas postagens apontam que Abílio é considerado “um candidato misóginoevangélico fundamentalista e preconceituoso”.  

A maioria dos descontentes é de mulheres, que acham que “perderam” o voto.

O episódio central da trama é o debate na TV Vila Real (Record), dia 15 de outubro, quando Abílio disse que, “apesar de ser mulher”, Gisela era um exemplo de participação na política.  

Nas redes sociais, a decepção é manifestada principalmente por eleitoras.

Veja post:

Print - Gisela

Reprodução/Facebook

Fonte: Diário de Cuiabá
Leia Também:  Além do medo, Itália enfrenta uso político do coronavírus

Destaque

LINHA DURA: Juíza mantém prisão de 14 acusados de integrar quadrilha em MT

Publicado

na

A juíza Ana Cristina Mendes manteve a prisão de 14 dos 15 alvos da Operação Renegados na audiência de custódia realizada durante toda a tarde de terça-feira (4) no Fórum em Cuiabá.

Eles são suspeitos de integrarem uma organização criminosa composta, entre outros membros, por policiais civis e militares. O grupo é acusado de crimes como concussão, corrupção, peculato, roubo e tráfico.

Apenas a acusada Kelle de Arruda Santos teve prisão preventiva convertida em domiciliar. Ela alegou ser mãe de uma criança com comorbidades e menor de 12 anos.

A magistrada submeteu a acusada a um série de medidas restritivas, inclusive o uso de tornozeleira eletrônica.

A operação foi deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) e Polícia Judiciária Civil para o cumprimento de 22 mandados de prisão contra policiais civis e militares, criminosos, e até mesmo a namorada de um investigador. Sete dos alvos ainda não foram encontrados.

Informações iniciais contam que 12 dos alvos foram encaminhados para o Centro de Custódia de Cuiabá.

Outros dois presos, tratam-se de policiais militares, sendo que um deles foi encaminhado ao Batalhão da Rotam (Rondas Ostensivas Tático Móvel), e outro para Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Praças.

Leia Também:  Gestante em trabalho de parto é levada para maternidade em viatura da PM

“Renegados”

A Operação Renegados foi deflagrada pelo Gaeco em parceria com a Corregedoria da Polícia Civil. Ao todo, foram expedidos 44 mandados judiciais, sendo 22 deles de prisão.

Segundo apurou o MidiaNews, o grupo de policiais presos é suspeito de extorquir ladrões e traficantes usando informações repassadas por “olheiros remunerados” em bairros de Cuiabá.

Eles arregimentavam os olheiros – geralmente jovens criminosos – pagando-lhes uma quantia periódica. Em troca, estas pessoas avisavam os policiais sobre a chegada de carregamento de drogas ou a presença de carros roubados em algum imóvel do bairro.

Com a informação, ainda conforme o apurado pela Reportagem, os policiais davam o flagrante nas quadrilhas e exigiam dinheiro, joias e até droga para não apreender o produto ilícito nem prender os bandidos.

Parte dos policiais presos nesta terça-feira tinha bastante tempo de corporação e era lotada na Terceira Delegacia de Cuiabá, que fica no Coxipó.

Por: MidiaNews

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA