Variedades

Espetáculo infantil ganha exibição em estacionamento de Teatro Zulmira

Publicado

na

Como seria o “Carimbó do Jacaré”? Como se dança o “Forró da Arara”? Dá para curtir e entrar no clima neste sábado (17), às 18h, em mais uma edição do Drive-in Cultural, no estacionamento do Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros, desta vez com o espetáculo infantil “Creonças”, desenvolvido pelo músico Paulo Monarco e pelo fotógrafo Henrique Santian. A entrada são dois quilos de alimentos não perecíveis.

O show, que agrada pequenos e grandes, é uma experiência sonora inspirada na música brasileira e na fauna pantaneira. “A gente criou uma sonoridade lúdica, em que passeia pelos ritmos musicais do Brasil, começando pelos mato-grossenses, como o lambadão e o rasqueado”, contextualiza Henrique Santian, DJ no projeto. Mais que música, a dupla vai narrando histórias com os animais daqui. Inclusive, o nome “Creonças” brinca com dois dos elementos propostos: o linguajar cuiabano/pantaneiro e a representação da fauna. Todas as canções são autorais, compostas por Monarco e Santian.

A proposta da direção do Teatro Zulmira Canavarros com o projeto no formato drive-in é oferecer programação cultural regional de boa qualidade e de forma segura para o público, durante a pandemia. Inicialmente, será mensal e previsto até dezembro. A agenda de outubro é a segunda edição.

“A produção artística em nosso estado é muito rica e sempre pensamos uma forma de apresentá-la, mesmo neste momento delicado. Estamos selecionando espetáculos infantis, que agradam toda a família, pois sabemos como está sendo difícil para as crianças este isolamento social. Eu conheço o projeto Creonças e é uma vivência muito linda!”, garante a diretora do Teatro Zulmira, Daniella Paula Oliveira.

O projeto Creonças foi pensado para interação direta com o público, especialmente com os pequeninos. Agora, esta interação será mediada pelos veículos. “Estamos adaptando o show e haverá brincadeiras usando a buzina ou a lanterna do carro”, explicou Henrique Santian.

Os alimentos não perecíveis arrecadados serão destinados a entidades filantrópicas atendidas pela Assembleia Social, braço social da ALMT e setor gestor do Teatro do Cerrado.

O piso superior do Teatro Zulmira, onde será o show, comporta 89 veículos e a vaga será por ordem de chegada.

 

Leia Também:  SporTV: Cuiabá tem personalidade para sonhar com a Série A

SERVIÇO

Drive-in Cultural com o musical infantil Creonças, de Paulo Monarco e Henrique Santian

Data: 17/10, às 18h

Local: Estacionamento superior do Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros (anexo à ALMT)

Método: artistas no palco e plateia nos carros

Ingresso social: 2kg de alimentos não perecíveis por veículo

Realização: Teatro do Cerrado Zulmira Canavarros

Informações: (65) 3313-6994

Variedades

Romário quer proibir punição a manifestação política no esporte

Publicado

na

Demétrio Vennechio |O senador Romário (PODE-RJ) apresentou nesta quinta-feira (22) ao Senado um projeto de lei para proibir que o sistema desportivo brasileiro puna atletas que se manifestarem politicamente dentro do ambiente esportivo.

A proposta vem depois que o STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) advertiu a jogadora de vôlei de praia Carol Solberg por dizer “Fora, Bolsonaro” em entrevista após uma partida.

Pela proposta, seria incluído o seguinte artigo na Lei Pelé: “Nenhum atleta poderá ser punido com as penalidades previstas neste artigo ou enquadrado em qualquer infração disciplinar devido a uma manifestação de natureza política, salvo se houver ofensa direta e expressa, durante a disputa de uma competição, a um de seus participantes, patrocinadores ou organizadores”.

Romário lembra que a livre manifestação de pensamento é direito garantido na Constituição Federal. “A autonomia de funcionamento conferida pela Constituição às entidades do esporte são para protegê-las de ingerências sobre os campeonatos ou em seus resultados, mas não autoriza que sejam estabelecidas regras competitivas internas que atentem contra direitos e garantias fundamentais, sob pena de ineficácia absoluta”, argumenta.

No entender dele, nenhum regulamento, como do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia, usado para punir Carol Solberg, pode ser utilizado para impedir o exercício e um direito previsto na Constituição.

“Qualquer mácula ou obstáculo que se oponha de maneira injustificada e absoluta, seja sob a forma de contrato ou por regulamento esportivo vinculante entre as partes, é nula de pleno direito, por ferir de maneira frontal um direito fundamental indisponível e impossível de ser transacionado”, escreve ele na justificação do projeto, protocolado sob o número 5004/2020.

O projeto não cita Carol Solberg, mas, via assessoria de imprensa, Romário diz que a punição a ela foi uma interpretação jurídica equivocada.

“Dentro da dinâmica esportiva, apenas deve encontrar respaldo para punição ofensas diretas a atores envolvidos na disputa, organização e patrocínio da própria competição, ação que poderá ensejar infração de natureza disciplinar cingida à esfera desportiva. Punir um atleta por se manifestar contrariamente a um personagem estranho à competição, e que não atrapalhe o seu andamento, é indubitavelmente um constrangimento ao disposto no art. 5° de nossa Carta Maior”, pontuou na justificação.

Da Folhapress – São Paulo

Leia Também:  Casal é preso suspeito de tráfico de drogas em MT
Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA