Opinião

Sensualidade natural

Publicado

na

Por: Nayara Cerutti | Um sorriso belo em lábios mais volumosos, ou mesmo uma face mais séria com lábios bem torneados são símbolos da sensualidade natural, aquela que não é preciso fazer exposição do corpo, ou treinar por horas na frente do espelho para encontrar uma expressão que possa atrair admiradores, é o desejo da maioria. Para muitos a harmonização facial tem sido a solução perfeita do embelezamento da face, mas também o contrário vem ocorrendo com muita velocidade. Beleza não se discute, já diz canções, ou seja, nos fazendo lembrar que o que é belo para um é sem graça para outro, mas existe algo que não mente, a face mais harmônica, mais simétrica é o que até inconscientemente nos atrai mais.

Ou seja, aí entra o fato de que, de fato, beleza não pode mesmo se traduzir em um produto enlatado, ou padronizado, mas sim temos uma matemática da face e da beleza atraente, o respeito com a estrutura da face, a harmonia perfeita das métricas e dimensões. E neste cenário, vejo resultados surpreendentes e também desastrosos, a culpa recai não apenas no profissional que redesenhou a face, mas também do paciente.

Leia Também:  Força do coração bem formado

Neste sentido, destaco que é preciso ter ponderações das duas partes, um profissional precisa respeitar a vontade de seu paciente no consultório, mas cabe a ele também alertar e desencorajar, quando algo é pedido, e a expertise do bom profissional acende o alerta, de que a transformação solicitada não ficaria bem naquele rosto. O que estou aqui dizendo é constatado diariamente nas ruas, pessoas que desejam melhorar a aparência facial, podem conquistar pra si, algo indesejado, um olhar de reprovação, por exemplo.

Está se tornando comum ver lábios muito acima do volume estético da beleza, olheiras com preenchimentos  pesados e mal administrados, fazendo uma face ganhar bolsas, um efeito rebote horrível, faces robóticas e inchadas de forma permanente, ou enquanto durar o ácido hialurônico, ou seja, em média 16 meses. A harmonização facial entrou para trazer beleza sem dor, de forma instantânea e a um custo menor, se comparada a outros procedimentos mais invasivos para garantir a jovialidade com naturalidade, então devermos manter este sério compromisso.

Afinal, a harmonização facial não se trata de um único procedimento estético, mas de uma série de pequenas intervenções suaves e não cirúrgicas capazes de dar ao rosto um aspecto mais harmônico e equilibrado. Se a utilizarmos apenas para esta finalidade, vamos honrar nosso compromisso ético de fazer correções simétricas e com  proporcionalidade que a face necessita, favorecendo as linhas naturais de cada pessoa e complementando detalhes que podem realçar a beleza individual.

Leia Também:  Tire o “S” da CRISE

Nayara Cerutti, odontóloga com atuação em harmonização facial

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opinião

Projeto de Lei, de alcance inimaginável

Publicado

na

Por Lício Malheiros |O Brasil enfrenta um sério problema relativo à questão dos resíduos sólidos    produzidos em larga escala, e nem sempre, com coleta e tratamento em condições aceitáveis e corretas. Desta forma, acaba comprometendo principalmente os garis que são os responsáveis por esse trabalho árduo e de difícil execução, a coleta de lixo.  

Vamos colocar de forma empírica, como acontece a diferenciação entre: lixo, resíduo e rejeito, para que não paire dúvidas na cabeça dos leitores.

O lixo é tudo aquilo que não se quer mais e joga fora. O resíduo é aquilo que não serve para você, mas para outro se torna matéria-prima de um novo produto ou processo. O rejeito é um tipo específico de resíduo, onde foram esgotadas todas as possibilidades de reaproveitamento ou reciclagem.

É preocupante a situação da destinação dos resíduos sólidos urbanos, haja vista,  que no Brasil em 2018 foram geradas 79 milhões de toneladas desses  resíduos, desse montante, 92% (72,7 milhões) foram coletados; em função disso, 6,3 milhões de toneladas de resíduos deixaram de ser recolhidos nas cidades.

Em Mato Grosso, apenas 18% do lixo são tratados. Para que esse lixo chegue até os locais de deposição, necessário se faz a presença dos garis e catadores de materiais recicláveis, que em seus árduos trabalhos, vivem correndo riscos de se machucarem, ou se infectarem com a grande quantidade de matérias perfurocortantes.

Fazendo valer a sua condição de parlamentar, entre as quais, uma delas de importância singular para a população, a criação de projetos de lei, que representem os interesses da população, principalmente os mais carentes e vulneráveis a acidentes e outras intempéries.

Em função disso, o deputado estadual Elizeu Nascimento (DC), visionário, e voltado as causas sociais, principalmente aquelas ligadas às pessoas mais humildes, os expropriados do capital.

Aproveitando, o dia 21 de outubro em que se comemora o dia do gari, figura importantíssima em nossas vidas. Altruísta que é, o mesmo apresenta o Projeto de Lei Nº 907/2020,  que determina ao governo do estado de Mato Grosso a produção e veiculação de campanhas educativas visando a conscientização da população, com o objetivo de reduzir os acidentes sofridos por catadores e coletores profissionais de resíduos sólidos, bem como evitar danos ao meio ambiente.

De acordo com a proposição, a campanha publicitária poderá ser implementada através de peças educativas junto aos estudantes da rede pública de ensino, anúncios para televisão, rádio, jornais impressos, outdoor, internet e outros, que abordam métodos adequados de descarte, principalmente a destinação de resíduos perfurocortantes.

De acordo com o artigo 1º do Projeto de Lei deve ser acrescentado um dispositivo na Lei nº 7.862 de 19 de dezembro de 2002, que dispõe sobre a Política Estadual de Resíduos Sólidos, para prever o desenvolvimento de programas que visem estimular o descarte adequado desses resíduos.

O deputado estadual Elizeu Nascimento (DC). Entende e respeita, o trabalho hercúleo dos garis e dos catadores de materiais recicláveis, enxergando os mesmos, como pessoas importantíssimas no processo de preservação e limpeza das cidades. Através desse projeto de lei, ele visa minimizar os riscos dos mesmos em seus trabalhos, propiciando a eles, um mínimo de respeito e dignidade, que eles tanto merecem.  

*Professor Licio Antônio Malheiros é geógrafo

Leia Também:  Uma nova política para a Educação
Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA