Destaque

Comissão decide por inclusão do Pantanal no Conselho da Amazônia e vai até Jair Bolsonaro

Publicado

na

A Comissão Temporária Externa do Senado, criada para acompanhar as ações de enfrentamento aos incêndios no Pantanal aprovaram, nesta sexta-feira, 09, a indicação para incluir o bioma nas ações do Conselho Nacional da Amazônia Legal. Os parlamentares, inclusive, definiram que vão procurar o presidente da República, Jair Bolsonaro, para que concorde em colocar a região – alastrada pelos focos de incêndios florestais – entre as atribuições do conselho até o ano de 2025, tempo em que a seca deve perdurar na região.

“Vamos fazer isso pessoalmente, numa ação com a participação de todos os senadores. E pedir ao presidente que seja feita essa inclusão de forma urgente porque não podemos permitir que a situação se repita nos próximos anos” – disse o presidente da CTE, senador Wellington Fagundes (PL-MT).

O encontro com o presidente Bolsonaro deve ocorrer na semana do dia 20, quando a grande maioria dos senadores estará em Brasília para sessão semipresencial destinada a apreciação da indicação do desembargador Kassio Nunes Marques para a vaga do ministro Celso de Mello, no Supremo Tribunal Federal (STF). Marques será sabatinado no dia 21.

Os senadores firmaram entendimento que grande parte das decisões a serem tomadas pela Comissão Temporária Externa, como a própria aprovação do Estatuto do Pantanal, pode demandar relativo tempo, já que a aprovação do projeto depende de deliberação em plenário e depois seguirá à Câmara dos Deputados. Ou seja, o processo legislativo pode ser delongado.

Leia Também:  Divulgados pontos de partida para ônibus que levarão torcedores a jogo do Cuiabá; confira

Autora da proposta, a senadora Simone Tebet (MDB-MS) disse que é “fundamental uma autoridade para poder acionar no momento certo, nos próximos quatro ano -, que serão anos de muita estiagem, seca e queimada no pantanal – todas as forças necessárias para prevenirmos e anteciparmos qualquer catástrofe ambiental no sentido de queimada”.

Medidas de Prevenção

Favorável a proposta, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, participou da audiência pública e disse ser fundamental para o país a elaboração medidas de prevenção a incêndios no bioma e de políticas que ajudem o pantaneiro a continuar produzindo em suas terras. A ministra manifestou-se favorável a expansão da atividade pecuária na região em chamas. Segundo ela, o boi é o “bombeiro do Pantanal”. Teresa Cristina disse acreditar que se tivesse mais gado no bioma, os incêndios poderiam ser menores do que os deste ano.

“Falo uma coisa que às vezes as pessoas criticam. Mas, o boi, ele ajuda. Ele é o bombeiro do Pantanal, porque ele come aquela massa do capim, seja o nativo ou plantado, se feita a troca. É ele que come essa massa para não deixar que como este ano nós tivemos” – disse, ao vincular a quantidade recorde de incêndios e destruição da vegetação e animais ao excesso de matéria orgânica. “Com a seca, a água no subsolo também baixou os níveis e essa massa virou o quê? Um material altamente combustível, incendiário” – disse.

Leia Também:  VÁRZEA-GRANDE: Mulher espera amor e recebeu traição, revoltada atira contra casa da amante do marido

Além da ministra, participaram da audiência representantes da Sudeco (Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste), do Sebrae de Mato Grosso do Sul, CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), Associação Corumbaense das Empresas de Turismo e do Sesc Pantanal.

Construindo Futuro

Presidente da colegiado, o senador Wellington Fagundes (PL-MT) voltou a enfatizar que a comissão foi criada com a finalidade de construir um futuro sustentável para o Pantanal. Ele disse que um dos objetivos é colocar em prática, na forma de lei, de diretrizes para uma convivência harmônica entre homem e natureza.

Os parlamentares estão colhendo contribuições para a elaboração do Estatuto do Pantanal, adicional ao Código Florestal Brasileiro (Lei 12.651, de 2012). A intenção é harmonizar uma legislação a ser aplicada igualmente nos Estados de Mato Grosso e de Mato Grosso do Sul, oferecendo segurança jurídica para o desenvolvimento econômico sustentável, com proteção ao bioma.

Fagundes ressaltou a importância da norma federal para proteger especialmente as populações mais sensíveis, como indígenas, quilombolas e ribeirinhos, bem como os produtores que tiveram suas propriedades queimadas.

Destaque

Governo decide manter aulas não presenciais; professores continuam em teletrabalho

Publicado

na

O Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Educação, levando em consideração a situação sanitária da pandemia da Covid-19 e as orientações de saúde, comunica que:

1. As aulas da rede pública estadual de ensino serão concluídas neste ano de 2020 de forma não presencial e irão até o dia 18 de dezembro. Ou seja, não haverá retorno de estudantes para aulas presenciais nas escolas neste ano;

2. Os professores da rede estadual continuarão a desempenhar as funções em teletrabalho. A portaria que irá regrar essa norma será publicada no início da próxima semana;

3. O atendimento realizado pela equipe gestora nas escolas e no órgão central (SEDUC) continuam de forma presencial, conforme estabelece o Decreto Estadual nº 662, de 6 de outubro de 2020;

4. A Secretaria de Educação esclarece que é obrigatória a participação dos alunos nas aulas, que continuam sendo ministradas na forma não presencial, seja com a distribuição de material didático impresso, ou por meio de plataforma online.

Leia Também:  Cinco frentes combatem incêndios no Pantanal com apoio de seis aeronaves
Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA