Destaque

Cacique Raoni lança manifesto pelo fim de garimpos em terras indígenas

Publicado

na

O cacique Raoni Metuktire lançou, nesta sexta-feira (9), um manifesto contra a legalização de garimpo em terras Indígenas (TI), em Mato Grosso e no Pará.

O documento tem o apoio de 56 comunidades e das associações de indígenas kayapós, que reúnem o Instituto Raoni, Associação Floresta Protegida e Instituto Kabu.

A intenção é alertar para o aumento desenfreado do desmatamento e da grilagem em territórios indígenas nos últimos anos.

Do povo kayapó, Raoni é conhecido mundialmente pela trajetória de luta em defesa da Amazônia e dos direitos dos povos indígenas no Brasil.

Ele chegou a ser considerado um dos mais cotados na disputa pelo Nobel da Paz deste ano, ganho pelo organismo da ONU para o combate à fome.

De acordo com o Instituto Socioambiental (ISA), os indígenas advertem que o “desmonte das fiscalizações e o estímulo ao garimpo por parte do governo encorajam as invasões e a exploração predatória”.

Somente nos últimos três anos, o garimpo já destruiu cerca de cinco mil hectares de floresta na TI Kayapó, um dos epicentros da mineração ilegal.

“Repudiamos a forma como o governo federal vem estimulando a invasão de nossos territórios, seja pela retórica que fortalece o crime organizado, seja pela omissão e fragilização dos órgãos responsáveis pela proteção dos territórios indígenas e pelo combate a atividades ilegais e predatórias”, traz um trecho do documento.

No manifesto, as organizações reconhecem que há indígenas da etnia que decidiram se integrar à cadeia de garimpo, mas ressalta que não representam a totalidade do povo Kayapó.

“A crescente pressão sobre nossas comunidades fez com que algumas poucas lideranças fossem seduzidas pelo ganho financeiro rápido e fácil que o garimpo proporciona”, frisa.

Os representantes reafirmam ainda que não foi autorizado que esses indígenas falem em nome do povo Kayapó. “Como poderíamos ser a favor de uma atividade que gera profundos impactos ambientais e sociais aos nossos territórios e comunidades? Como poderíamos privar nossos filhos e netos de um território preservado para seguirem vivendo segundo nossos usos, costumes e tradições, como garante a Constituição Federal?”, questiona o texto.

Fonte: Diário de Cuiabá

Leia Também:  Carne brasileira chegará a novos mercados na Ásia

Destaque

Governo decide manter aulas não presenciais; professores continuam em teletrabalho

Publicado

na

O Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Educação, levando em consideração a situação sanitária da pandemia da Covid-19 e as orientações de saúde, comunica que:

1. As aulas da rede pública estadual de ensino serão concluídas neste ano de 2020 de forma não presencial e irão até o dia 18 de dezembro. Ou seja, não haverá retorno de estudantes para aulas presenciais nas escolas neste ano;

2. Os professores da rede estadual continuarão a desempenhar as funções em teletrabalho. A portaria que irá regrar essa norma será publicada no início da próxima semana;

3. O atendimento realizado pela equipe gestora nas escolas e no órgão central (SEDUC) continuam de forma presencial, conforme estabelece o Decreto Estadual nº 662, de 6 de outubro de 2020;

4. A Secretaria de Educação esclarece que é obrigatória a participação dos alunos nas aulas, que continuam sendo ministradas na forma não presencial, seja com a distribuição de material didático impresso, ou por meio de plataforma online.

Leia Também:  Líder de caminhoneiros convoca greve por impeachment dos ministros do STF
Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA