Economia

Renda familiar diminui durante pandemia da Covid, diz pesquisa

Publicado

na

Durante a pandemia do coronavírus, que começou em março, a renda familiar registrou uma redução considerável.

O dado é apontado em pesquisa feita pela Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL), por meio do seu núcleo de inteligência de mercado, com a população, após o retorno das atividades econômicas.

Neste bloco do levantamento, está a relação dos entrevistados com a Covid-19, apontando que 57,7% afirmaram que, em sua família, a renda financeira diminuiu devido à pandemia, enquanto que 90,3% disseram não ter perdido o emprego.

A média percentual de diminuição da renda foi de 440%.

A pesquisa buscou analisar também a geração que mais sofreu com a diminuição da renda.

O resultado indicou a geração X (de 41 a 55 anos), somando 66,7% dos entrevistados.

Quanto aos que se mantiveram empregados, 93,6% foram da geração Z (até os 25 anos).

Outro ponto apurado pela pesquisa foi se a população tem procurado completar sua renda com uma atividade informal.

Foram 20,3% respondentes que disseram que possuem uma atividade informal para completar ou ganhar sua renda mensal.

“Com a quarentena obrigatória, 48,8% dos empregadores em Cuiabá precisaram suspender contratos de trabalho e/ou reduzir a carga horária dos trabalhadores. Essa medida ajudou a reduzir o número de demissões, porém, foi inevitável a redução da renda. Com o retorno das atividades empresariais, gradualmente, a renda está retornando ao mesmo patamar de antes da pandemia. Inclusive, acreditamos que, até o fechamento do ano, boa parte das pessoas que perderam os seus empregos conseguirá voltar a ter uma renda mais sólida”, disse Fábio Granja, superintendente da CDL Cuiabá.

“Além disso, é importante relatar a necessidade de termos um planejamento financeiro pessoal mais estruturado nas famílias. Sabemos que o consumo é fundamental para movimentar a economia, porém é importante que as compras sejam mais conscientes”, completouu Granja.

MEDIDAS DE BIOSSEGURANÇA – Cerca de 97% dos entrevistados afirmaram que utilizam, diariamente, máscaras e álcool gel ou 70%.

Já 87,7% disseram que estão mantendo distanciamento de familiares e amigos que moram em outros lugares.

Outros 55,3% dos entrevistados afirmaram que pessoas conhecidas ou parentes contraíram a Covid-19.

48,7% dos entrevistados discordam que tem aumentado o seu medo de sair de casa.

Segundo a pesquisa, a geração que tem mais medo de ir às ruas é a X (De 41 a 55 anos).

“É importante destacar que o consumidor tem percebido que o comércio está preparado para recebê-los. Esse percentual chega a 98,7%, melhorando o nível de confiança para ir às compras. A população está muito mais consciente, mas é claro que não podemos entrar em nenhuma zona de conforto. Ainda não temos a vacina, e a pandemia está presente em nossas vidas. O nosso papel como indivíduo precisa ser mantido, com a conscientização necessária referente às medidas de biossegurança, principalmente, evitando aglomerações, utilizando máscara e higienizando constantemente as mãos”, observou Granja.

PERFIL – A pesquisa ouviu 300 pessoas nas principais regiões de comércio de Cuiabá, sendo 51% dos entrevistados do sexo feminino, e a idade média geral de 39 anos.

A maioria deles possuía ensino médio (63%) e era casado.

Dos entrevistados, 45% eram funcionários de empresas privadas e 28% prestadores de serviços/autônomos, e ainda 7% eram funcionários públicos.

A renda familiar mensal de 42% dos entrevistados ficou na faixa entre R$ 1.501 e R$ 3.000.

Fonte: Diário de Cuiabá

Leia Também:  Chega ao Brasil novo teste de Covid-19 cujo estoque foi zerado pelos EUA

Destaque

Desenvolve MT oferece linhas de crédito e fomenta o turismo em MT

Publicado

na

A Agência de Fomento de Mato Grosso – Desenvolve MT continua a direcionar os esforços para atender ao segmento de turismo, que foi muito afetado pela pandemia. E Mato Grosso possui um grande potencial gerador de empregos diretos e indiretos.

O Fungetur (Fundo Geral do Turismo) é uma linha de crédito, repasse do Ministério do Turismo, voltada para micro e pequenos empresários que atuam no setor turístico, como hotelaria, gastronomia, eventos, serviços, receptivos, transporte que possuem registro no Cadastur (Cadastro os prestadores de serviço do turismo).

A Desenvolve MT já capacitou 37 correspondentes no interior entre entidades, federações e prefeituras por meio de treinamento online, a meta é levar capacitação e oferta de crédito em todas as regiões do Estado.

Parcerias

O prefeito de Juscimeira, Moisés dos Santos, o secretário de turismo, Industria e Comércio, Lucas Vinícius Martins de França, receberam o diretor presidente da Agência de Fomento de Mato Grosso – Desenvolve MT, Jair Marques, e o assessor executivo, José Roberto Webber, para uma reunião sobre linhas de crédito para  financiamentos e futuras parcerias  na região.

Leia Também:  BC registra 5,2 milhões de transações em três dias de funcionamento do PIX

Para o presidente, o Governo do Estado, por meio da Desenvolve MT, é um dos grandes parceiros dos gestores municipais para facilitar o acesso ao crédito aos micros e pequenos empreendedores dos seus municípios.

Com a construção das orlas turísticas em Cáceres, Santo Antônio do Leverger e Barão de Melgaço, a Desenvolve MT se faz presente, com suas linhas de créditos aos empreendedores fomentando as regiões.

Até outubro, mais de R$382 mil reais já foram liberados em crédito aos micros e pequenos empreendedores da cidade de Sinop, é o quarto município no ranking de solicitação de crédito no Estado.

Repasses 

De janeiro a novembro de 2020, a Desenvolve MT liberou em concessão de crédito para o trade de turismo em Mato Grosso o valor de R$ 4.282.100. Os municípios de maior destaque foram Cuiabá, Várzea Grande, Barra do Garças, Rondonópolis e Sinop.

A relação abaixo traz o ranking dos cinco municípios mato-grossenses que mais obtiveram operações contratadas da linha de crédito Fungetur até novembro de 2020.

Leia Também:  Diante a pandemia, alerta e cuidados com a AIDS são destaques

Pandemia

A Agência contabiliza pouco mais de R$ 5 milhões em concessão de crédito para micro e pequenas empresas, desde o começo da pandemia do coronavírus. O Governo do Estado priorizou inicialmente o crédito emergencial voltado para preservar renda, empregos e manter em funcionamento pequenas e micro empresas de Mato Grosso.

Até agosto, quase 6 mil solicitações de créditos chegaram  por meio do sistema de crédito digital acessado pelo site da instituição.  A maior parte dos pedidos atendidos é da linha Capital de Giro Emergencial no valor de até R$10 mil reais, para microempreendedores individuais (MEI) e microempresas. Em seguida, a linha Fungetur Giro destinado ao trade de turismo com o valor de até R$100 mil reais. Juros e carência com as melhores condições do mercado.

 

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA