Variedades

Perda da capacidade pulmonar é uma das consequências do novo coronavírus

Publicado

na

Dificuldade para respirar ao realizar pequenos ou grandes esforços pode ser sintoma de complicação pulmonar em decorrência da infecção pelo novo coronavírus. Apesar de ser uma doença nova e com estudos ainda em andamento, pesquisadores apontam que infectados pelo vírus podem carregar sequelas para o resto da vida.

Conforme explicou o cirurgião torácico da Oncolog, Marcelo Borges, a doença tende a afetar diversos órgãos, como o cérebro, o coração e os rins, mas o pulmão, por ser a porta de entrada do vírus no corpo, tem propensão a ser o mais comprometido. Pacientes já curados da Covid-19 apresentaram sintomas de perda da capacidade de funcionamento do órgão.

“O pulmão é um órgão elástico, mas ele fica endurecido e com dificuldade de execução de suas funções. Isso é denominado como fibrose pulmonar. Outra sequela apontada é a microembolia pulmonar, quando micro vasos do órgão ficam entupidos e demoram para voltar à função regular”, disse o cirurgião.

Até o momento, o que se percebe é que os infectados pelo vírus permaneceram com a função pulmonar reduzida após meses da contaminação. Até mesmo os que tiveram sintomas leves ou foram assintomáticos perceberam a diminuição da capacidade do órgão. É o caso da publicitária Michelly Pantoja, 42.

Ela não apresentou febre, tosse seca, cansaço ou qualquer dos sintomas indicativos da doença. No entanto, ao fazer um exame para detecção exigido pela empresa em que trabalha, descobriu que era reagente ao vírus. Mesmo sem ser do considerado grupo de risco, foi diagnosticada com 25% do pulmão comprometido.

“Após a cura o médico solicitou uma bateria de exames, mas mesmo com o resultado eu continuo sem sentir nada. Foi receitada fisioterapia pulmonar para ver se o quadro reverte, mas ainda não é algo exato. Ainda me encontro assintomática. Ando mais cansada que o normal, mas o médico também assegurou que o clima desta época contribui muito”, relatou.

De acordo com o especialista da Oncolog, a recomendação nesses casos é de um acompanhamento a longo prazo com uma equipe multidisciplinar composta por médico pneumologista, cirurgião torácico e fisioterapeuta.

“Tratamento com atividades respiratórias tem como objetivo final o ganho do condicionamento pulmonar em sua totalidade. Isso pode levar meses, talvez até anos. A gente não sabe estimar o tempo exato. Alguns pacientes vão ficar com doenças permanentes para o resto da vida”, alertou Borges.

Leia Também:  Quina de São João pode pagar R$ 140 milhões; Mega-Sena acumula

Variedades

Romário quer proibir punição a manifestação política no esporte

Publicado

na

Demétrio Vennechio |O senador Romário (PODE-RJ) apresentou nesta quinta-feira (22) ao Senado um projeto de lei para proibir que o sistema desportivo brasileiro puna atletas que se manifestarem politicamente dentro do ambiente esportivo.

A proposta vem depois que o STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) advertiu a jogadora de vôlei de praia Carol Solberg por dizer “Fora, Bolsonaro” em entrevista após uma partida.

Pela proposta, seria incluído o seguinte artigo na Lei Pelé: “Nenhum atleta poderá ser punido com as penalidades previstas neste artigo ou enquadrado em qualquer infração disciplinar devido a uma manifestação de natureza política, salvo se houver ofensa direta e expressa, durante a disputa de uma competição, a um de seus participantes, patrocinadores ou organizadores”.

Romário lembra que a livre manifestação de pensamento é direito garantido na Constituição Federal. “A autonomia de funcionamento conferida pela Constituição às entidades do esporte são para protegê-las de ingerências sobre os campeonatos ou em seus resultados, mas não autoriza que sejam estabelecidas regras competitivas internas que atentem contra direitos e garantias fundamentais, sob pena de ineficácia absoluta”, argumenta.

No entender dele, nenhum regulamento, como do Circuito Brasileiro de Vôlei de Praia, usado para punir Carol Solberg, pode ser utilizado para impedir o exercício e um direito previsto na Constituição.

“Qualquer mácula ou obstáculo que se oponha de maneira injustificada e absoluta, seja sob a forma de contrato ou por regulamento esportivo vinculante entre as partes, é nula de pleno direito, por ferir de maneira frontal um direito fundamental indisponível e impossível de ser transacionado”, escreve ele na justificação do projeto, protocolado sob o número 5004/2020.

O projeto não cita Carol Solberg, mas, via assessoria de imprensa, Romário diz que a punição a ela foi uma interpretação jurídica equivocada.

“Dentro da dinâmica esportiva, apenas deve encontrar respaldo para punição ofensas diretas a atores envolvidos na disputa, organização e patrocínio da própria competição, ação que poderá ensejar infração de natureza disciplinar cingida à esfera desportiva. Punir um atleta por se manifestar contrariamente a um personagem estranho à competição, e que não atrapalhe o seu andamento, é indubitavelmente um constrangimento ao disposto no art. 5° de nossa Carta Maior”, pontuou na justificação.

Da Folhapress – São Paulo

Leia Também:  São Paulo enfrenta Binacional no Morumbi; saiba onde assistir
Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA