Economia

Empresárias faturam com a entrega de comida em casa durante a pandemia

Publicado

na

A crise gerada pelo coronavírus mudou os hábitos de alimentação de muita gente. O resultado foi o aumento no faturamento de empresárias que entregam comida em casa. Algumas já trabalhavam no setor antes da pandemia. Outras começaram do zero e se deram bem. 

Adaptação e crescimento
 
Antes da pandemia, Graziela dos Santos Vianna e a filha Raphaella Vianna tinham uma empresa que oferecia dois serviços: venda de kits de comida e cozinheira de aluguel, que representava 70% da receita do negócio.

Mesmo com a suspensão temporária desse serviço, a empresa cresceu. A dupla investiu nas marmitas para pronta entrega, com cardápio que muda toda semana, e o resultado foi um faturamento 30% maior. Elas passaram então de microempreendedoras individuais (MEIs) para microempresa.

As cozinheiras investiram também em novas embalagens, mais resistentes, livres de bisfenol, substância prejudicial à saúde. As encomendas na Grande São Paulo são feitas pelas redes sociais ou pelo WhatsApp. Os kits com 10 marmitas custam R$ 330. 

Mais público, mais faturamento
 
Desde 2016, Priscila Batista dos Santos é uma microempreendedora individual (MEI) que vende pão de mel. Com a pandemia, ela percebeu que precisava se reinventar e criou dois novos produtos, que funcionam como kits: festa na caixa e petiscaria.
Além disso, passou a fazer entregas para os clientes em casa e aumentou sua presença digital. O resultado foi um aumento de 100% no faturamento.

“Agora eu atinjo um público maior, de todas as regiões de São Paulo, e também empresas”, comemora Priscila. 

Começando do zero
 
Já a cantora Ana Caram mudou totalmente o foco da sua profissão. Com o isolamento social e shows cancelados, ela passou a vender comida árabe com receitas da família. O sucesso foi tanto que chega a faturar R$ 20 mil por mês.

Para começar o negócio, ela se juntou com a prima Olivia Melles. Juntas, investiram R$ 1,2 mil em matéria-prima, valor recuperado em três semanas de vendas.

Para atender aos pedidos em São Paulo, a dupla trabalha mais de dez horas por dia. A divulgação e as vendas são feitas pelo WhatsApp. As esfirras são vendidas a partir de R$ 3 cada. Tem também o quibe de forno, que custa R$ 70 o quilo, e a torta de palmito, que sai por R$ 60.

Fonte: G1

Leia Também:  Maioria das Bolsas da Europa fecha em alta; Londres é exceção

Economia

Dólar cai em linha com exterior, mas ajuste é limitado com inflação no radar

Publicado

na

Por Silvana Rocha |O dólar segue em baixa ante o real, acompanhando a tendência no exterior em meio a expectativas de um desfecho positivo para as negociações políticas em torno de novos estímulos fiscais nos EUA e a melhora das bolsas no exterior, principalmente na Europa, após os dados positivos de atividade industrial na Alemanha e Zona do Euro em outubro.

O ajuste de alta dos juros futuros é monitorada pelos agentes de câmbio. O IPCA-15 subiu 0,94% em outubro – maior taxa para o mês desde 1995 (+1,34%) e mais que o dobro da alta de 0,45% em setembro. Ainda assim, o indicador acumula ganhos de 2,31% no ano e avanço de 3,52% em 12 meses, abaixo da meta de inflação de 2020 (4% ao ano).

Contudo, o investidor olha para a falta de insumos e a alta de preços de matérias-primas, que ameaçam comprometer a recuperação da indústria e podem causar mais inflação, uma vez que os índices de preços já vem subindo principalmente por causa do aumento de alimentos na esteira do crescimento da demanda pela China. Com a elevação nos custos de outras cadeias produtivas, tende a ocorrer maior pressão na curva de juros, com o mercado reforçando suas apostas de alta da taxa Selic na reunião do Copom de dezembro, de acordo com analistas.

Às 9h38 desta sexta-feira, o dólar à vista caía 0,22%, a R$ 5,5819. O dólar futuro para novembro cedia 0,21%, a R$ 5,5825.

Fonte: Estadão Conteúdo – São Paulo
Leia Também:  A evasão universitária como reflexo da pandemia
Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA