Coluna Bastidores da República

Bolsonaro e Guedes entram em rota de colisão e aposta por queda do ministro continua em alta

Publicado

na

FUMAÇA DE FRITURA

Segundo fontes do Planalto, a reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e o ministro Paulo Guedes teve cheiro de fumaça na manhã desta terça-feira. O ministro garantiu a interlocutores, após o encontro, que a discordância sobre congelamento de aposentadorias não significa um rompimento. No entanto, Bolsonaro foi duro ao comentar nas redes sociais. “Congelar aposentadoria, cortar auxilio para idosos e pobres com deficiência é devaneio de alguém que está desconectado com a realidade. Como já disse, Jamais tiraria dinheiro dos pobres para dar aos paupérrimos”, escreveu o presidente no Twitter.

CULPA DOS POBRES?

Outra declaração de Paulo Guedes que irritou Bolsonaro foi a de que a inflação subiu porque pobres estão comprando mais. Nesse momento em que há intensa discussão analisando a reeleição de Jair Bolsonaro, a opinião do ministro da Economia caiu feito balde de água fria no Palácio do Planalto. Guedes até tentou minimizar o efeito retardado, mas não evitou o estrago na sua imagem junto aos “conselheiros” do presidente. Pelos próximos dias as orelhas de Guedes vão queimar.

CARTÃO VERMELHO

A relação do presidente Jair Bolsonaro com o ministro Paulo Guedes está mesmo muito abalada. Pelo Twitter o presidente ameaçou com um “cartão vermelho” a equipe econômica. No entanto, Guedes disse em respostas que o recado é para técnicos e não para o ministro. Sobre o renda Brasil, defendido por Guedes, Bolsonaro disse que até 2022 está proibido falar em Renda Brasil. “Vamos continuar com o Bolsa Família e ponto final”, concluiu.

Leia Também:  Bolsonaro diz à ministra Carmem Lúcia que fará nota de R$ 200,00 para economizar papel

CORONEL, EU?

Um mimimi entre Ciro Gomes (PDT) e o vereador paulistano Fernando Holiday (Patriota) terminou em processo na Justiça. Ciro o processou por causa de um vídeo em que é chamado de “coronel” pelo membro do MBL. Holiday teria debochado do pedetista ao chamá-lo de “coronelista”. Para Ciro, foi um “claro preconceito com suas raízes nordestinas”. O ex-presidenciável pede R$ 50 mil referentes a danos morais. Tomara que não resolvam a demanda à moda antiga.

ELOGIO INUSITADO

O ex-presidente Lula afirmou hoje que o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro é um “desequilibrado” e “medíocre”. Lula defendeu Bolsonaro e atacou Moro ao afirmar que ele tenta ganhar a opinião pública mentindo. Para amenizar, Lula disse que não tem ódio do ex-juiz. “Não tenho do Moro o ódio que ele tem de mim. Como pessoa humana, quero que ele seja tratado com o respeito que eu não fui por ele”, afirmou. Vai entender!

GRUPO DE RISCO

A notícia de que o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, está com Covid causou certo alvoroço nos gabinetes dos demais ministros da Corte Suprema. É que parte da Corte é considerada grupo de risco. Por conta disso, Fux ficará isolado nos próximos 10 dias e os demais vão arroxar o protocolo de prevenção à doença. Vale lembrar que todos os ministro do STF estavam na posse de Fux no dia 10.

Leia Também:  Estado paralisa atividades 6 dias por conta de feriados

DE OLHO

O vice-presidente Hamilton Mourão deixou claro que o Palácio do Planalto está de olhos abertos em relação ao Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Segundo o general, dados positivos sobre a diminuição de focos de queimadas não são divulgados pela órgão, responsável pelos sistemas de monitoramento do desmatamento da floresta amazônica. “É alguém lá de dentro que faz oposição ao governo”, arriscou Mourão.

Coluna Bastidores da República

Bolsonaro volta a alfinetar europeus que criticam incêndios florestais no Brasil

Publicado

na

SENTARAM NO RABO

Em visita ao norte de Mato Grosso nesta sexta-feira, o presidente Jair Bolsonaro voltou a “puxar a orelha” de governantes europeus que fazem criticas a questão ambiental brasileira. Segundo o presidente, “eles criticam porque já queimaram tudo e não sobrou nada”. Bolsonaro disse ainda que há “alguns focos de incêndio pelo Brasil” e que isso “ocorre ao longo dos anos”. Ou seja, não é exclusividade do governo dele. Só faltou dizer que os europeus sentaram em cima do rabo para falarem do rabo alheio.

VISÃO NEGATIVA

Ontem Bolsonaro disse que na questão ambiental o Brasil está de parabéns. Ele defendeu justificou que grande parte da matriz energética do país provém de fontes renováveis como usinas hidrelétricas, energia eólica, energia solar e biomassa. À noite, durante a tradicional live, Bolsonaro disse que as queimadas ocorridas no país são potencializadas de “forma negativa”.

CALO NO PÉ

O procurador-geral da República, Augusto Aras, é o novo calo nos pés dos ex-governadores. Ele encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) ação contra leis estaduais que garantem pensões e aposentadorias especiais a ex-governadores e seus dependentes. A argumentação é que não pode haver diferenças entre as regras vigentes nos Estados e que, em última instância, a prática causa prejuízos vultuosos aos cofres públicos.

Leia Também:  Mato Grosso registra queda na média móvel de mortes pelo coronavírus

CRESCEU A LISTA

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, foi diagnosticado com covid-19 nesta sexta-feira. O ministro encontra-se assintomático e seguirá trabalhando de casa, adotando todos os protocolos recomendados pelo Ministério da Saúde. Ele é o nono ministro do governo a ser diagnosticado com o vírus. Os que já se infectaram foram Augusto Heleno, Bento Albuquerque, Milton Ribeiro, Onyx Lorenzoni, Marcos Pontes, Wagner Rosário, Braga Netto e Jorge Oliveira.

SOBREAVISO

Todas as autoridades que participaram da posse do novo presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, na semana passada, receberam telefonema do cerimonial do STF nesta quinta. Cerca de 50 pessoas foram orientadas a procurar atendimento médico, já que Fux e outras cinco pessoas que estiveram na cerimônia tiveram resultado positivo para a Covid-19. A preocupação faz sentido, pois, aqui em Brasília a proliferação da doença continua em alta.

PROBLEMA DELES

A tese de que a reeleição dos presidentes da Câmara e do Senado é um assunto que deve ser decidido internamente pelos próprios parlamentares vem ganhando força entre diferentes alas do Supremo Tribunal Federal (STF). Essa foi a posição defendida pela Advocacia-Geral da União (AGU) nesta semana ao se manifestar à Corte, onde tramita uma ação que busca impedir uma eventual tentativa de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Davi Alcolumbre (DEM-AP) permanecerem por mais dois anos nos comandos das duas casas legislativas.

Leia Também:  DEU NA BBC: Quatro anos depois, Cuiabá detém a obra inacabada mais cara do Brasil

NÚMEROS IMPRESSIONANTES

A disputa por prefeituras nas eleições deste ano terá 72 congressistas: dois senadores e 70 deputados. O número de parlamentares candidatos a uma vaga municipal mantém a tendência de 2016, quando o número de candidaturas entre senadores foi o mesmo. Naquele mesmo pleito, o número de deputados federais candidatos teve um registro a mais que este ano.

NÚMEROS IMPRESSIONANTES (2)

No caso dos prefeitos que buscam a reeleição, o número chega a quase 80%. Segundo a Confederação Nacional dos Municípios, 4.377 poderão concorrer a novo mandato no dia 15 de novembro, o equivalente a 78,6% das cidades. O motivo seria a alta taxa de renovação ocorrida em 2016, quando menos da metade dos chefes dos Executivos locais que se candidataram conseguiu se reeleger.

DISCURSO NOVO

Quem imagina que o discurso dos candidatos a prefeitos será em cima da Covid-19 ou do preço do arroz está enganado. Vai polarizar em torno de quem defende e quem se opõe ao presidente Jair Bolsonaro. Na verdade, muitos candidatos vão pegar carona na popularidade do presidente e outros vão tentar minar essa possibilidade. Essa percepção, segundo cientistas de plantão, desloca o eleitor do contexto local para o nacional.

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA