Como higienizar as mãos corretamente?

Especialista do Hospital São Camilo dá dicas de limpeza para o combate ao Coronavírus e outras doenças

Higienizar as mãos é a maneira mais simples e eficaz de combater a contaminação pelo COVID-19 e outras doenças. O ato é tão importante que a Organização Mundial de Saúde (OMS) definiu uma data, de 5 de maio, como Dia Mundial de Higienização das Mãos.

Segundo dados da OMS, o hábito de higienizar as mãos reduz a contaminação por vírus e bactérias, evitando, assim, a ocorrência de gripes, resfriados, entre outras doenças.

A infectologista da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo Dra. Michelle Zicker explica que, quando feita da forma correta, a higienização das mãos contribui significativamente para a redução da transmissão de doenças, uma prática que hoje, em meio à pandemia do novo Coronavírus, se tornou essencial.

De acordo com a especialista, as mãos devem ser higienizadas em diversas situações do cotidiano, por exemplo: ao chegar em casa, antes e depois de manusear alimentos, seja cozinhando ou fazendo as refeições; antes e depois de ter contato com pessoas doentes; após utilizar o banheiro, mesmo em casa; sempre que manipular dinheiro e depois de assoar o nariz.

A infectologista ensina, a seguir, como lavar as mãos com água e sabão corretamente:

  1. Retire anéis ou outros acessórios e molhe as mãos com água corrente;
  2. Aplique uma quantidade de sabão suficiente para cobrir a superfície das mãos;
  3. Friccione as palmas das mãos entre si e a seguir, friccione uma mão na outra, utilizando a palma da mão direita para lavar o dorso da mão esquerda e vice-versa;
  4. Entrelace as mãos, esfregando os espaços entre os dedos. Friccione o dorso dos dedos de uma mão com a palma da mão oposta, com movimento de vai vem;
  5. Esfregue bem o polegar com a palma da mão oposta, fazendo movimentos circulares. Friccione as pontas dos dedos e as unhas na palma da mão oposta, fazendo movimentos circulares;
  6. Enxague as mãos com água corrente;
  7. Por fim, seque-as com papel descartável ou uma toalha limpa, se estiver em casa. Nos espaços públicos, utilize o papel toalha para fechar a torneira, se houver necessidade de contato manual. Todo o processo deve durar em torno de 40 a 60 segundos.


E o álcool gel?

Dra. Michelle explica que o álcool gel pode ser usado naquelas situações em que lavar as mãos com água e sabão não é possível.

“As duas formas de higienizar as mãos são equivalentes nas situações do dia-dia, desde que as mãos estejam visivelmente limpas. Caso haja sujeira visível, como pó ou restos de alimentos, devemos lavá-las com água e sabão”, destaca.

Para se proteger ainda mais contra o novo Coronavírus e outras infecções, a especialista recomenda seguir também as demais orientações do Ministério da Saúde. Ou seja, respeitar o distanciamento social, evitar tocar os olhos, boca e nariz antes de lavar as mãos, cobrir a boca e o nariz com o braço ou um lenço de papel ao espirrar ou tossir, descartando-o logo após, evitar contato com pessoas doentes e não compartilhar objetos de uso pessoal.

Rede de Hospitais São Camilo

A Rede de Hospitais São Camilo é composta por três hospitais modernos em São Paulo, que ficam nos bairros da Pompeia, Santana e Ipiranga, capacitados para atendimentos eletivos, de emergência e cirurgias de alta complexidade, além de realizar transplantes de medula óssea.

Hoje, a Rede presta atendimento em mais de 60 especialidades, oferece aproximadamente 800 leitos e um quadro clínico de mais de 7,4 mil médicos qualificados.

As unidades possuem importantes acreditações internacionais, como a Joint Commission International (JCI), renomada acreditadora dos Estados Unidos reconhecida mundialmente no setor, e a Acreditação Internacional Canadense.

A Rede faz parte da Sociedade Beneficente São Camilo, uma das entidades que compreende a Ordem dos Ministros dos Enfermos (Camilianos), uma organização religiosa presente em mais de 30 países, fundada pelo italiano Camilo de Lellis há mais de 400 anos. No Brasil desde 1922, a Rede conta com expertise, tradição em saúde e gestão hospitalar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *