Sem categoria

Jackie Chan está oferecendo recompensa para quem descobrir cura para o coronavírus

Publicado

na

Desde que o coronavírus começou a se espalhar pela Ásia e por outros países — já tendo causado 1600 mortes na China — celebridades usaram suas redes sociais e contas bancárias para mostrar seu apoio às pessoas afetadas pelo surto da doença. Com Jackie Chan não foi diferente.

O astro de A Hora do Rush e Bater ou Correr primeiro gravou um vídeo de anúncio de serviço público para a TV por satélite de Zhejiang, onde compartilhou que acompanha de perto as notícias sobre a epidemia, antes de proclamar com confiança que Wuhan, a capital onde começou a doença, e a China devem superar esse momento.

Posteriormente, o ator de 65 anos usou a rede social Weibo para demonstrar o quanto estava emocionado das pessoas estarem fazendo sua parte para ajuda, desde doações de máscaras até aumento do moral do público com a música.

Estou disposto a fazer qualquer coisa ao meu alcance para ajudar”, declarou Chan. Embora não tenha mencionado nada sobre fazer uma doação, ele trouxe, em suas próprias palavras, uma ideia “ingênua”:

Leia Também:  Alunos de Turismo da UNEMAT conhecem ações para fomento do setor

“Se alguém, seja um indivíduo ou uma instituição, é capaz de produzir uma cura eficaz para o vírus, desejo dar a eles 1 milhão de yuans (cerca de R$ 620 mil) como um sinal de minha gratidão”, escreveu ele. “Espero que todos entendam que não se trata de dinheiro (…) Só não quero ver pessoas sofrendo e morrendo quando deveriam aproveitar a vida”.

Por Vitória Pratini

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sem categoria

TCU confirma informações de falsificação na troca do BRT pelo VLT em 2011

Publicado

na

OTribunal de Contas da União (TCU) confirmou que a substituição da escolha do BRT pelo VLT, em 2011, feita pela gestão do Governo de Mato Grosso à época, ocorreu por meio de um laudo falsificado.
A decisão do TCU que confirmou a adulteração foi dada em 2014 pelos ministros Walton Rodrigues, Aroldo Cedraz, Benjamin Zymler, Raimundo Carreiro, José Múcio Monteiro, Bruno Dantas, Marcos Bemquerer Costa e André Luís de Carvalho.
O esquema foi descoberto pela Procuradoria da República do Distrito Federal, que enviou representação sobre o caso à Corte de Contas.
De acordo com o MPF, a adulteração ocorreu no bojo de um processo que tramitava no Ministério das Cidades, órgão que estava com a responsabilidade de avaliar se acatava ou não a mudança do BRT pelo VLT para atender às necessidades de mobilidade da Baixada Cuiabana para a Copa do Mundo de 2014.
Vale lembrar que o próprio ex-governador Silval Barbosa, em sua delação premiada, confirmou que o projeto inicial era implantar o BRT, mas houve a troca de modal para viabilizar recebimento de propina na ordem de R$ 18 milhões.
O MPF narrou ao TCU que duas servidoras do Departamento de Mobilidade Urbana do Ministério do Ministério das Cidades (Demob), Luiza Vianna e Crsitina Soja, retiraram do processo administrativo uma nota técnica produzida pelo analista de infraestrutura do ministério.
Nessa nota técnica, o analista se manifestou de forma contrária à alteração do BRT pelo VLT, tendo em vista critérios como a impossibilidade de entregar a obra dentro do prazo e outras irregularidades contidas nas estimativas de custos feitas pelo Governo de Mato Grosso.
As duas servidoras, que eram chefes do analista, exigiram que ele modificasse a nota técnica para ficar “em sintonia com a decisão do governo”. Como o analista se recusou, elas produziram novo documento favorável ao VLT “e o inseriram no processo em substituição à peça elaborada pelo analista”.
“Essa nova nota técnica apresenta a mesma numeração da anterior e apresenta data retroativa de 8/9/2011, embora, segundo o Ministério Público, tenha sido produzida posteriormente, em data incerta entre os dias 14 e 26/10/2011”, diz trecho da representação.
A troca de laudos foi confirmada pelas próprias servidoras durante reunião na Demob, cujo áudio foi levado à mídia. Elas foram advertidas em processo administrativo disciplinar e respondem a uma ação de improbidade pelos fatos.
Para o ministro relator do caso no TCU, Walton Rodrigues, é “inegável” a gravidade dos ilícitos cometidos pelas servidoras.
“A nova peça técnica foi preparada pela servidora Cristina Maria e contou com o “de acordo” da servidora Luiza Gomide, no propósito de transparecer o fato desse documento haver sido elaborado pelo Departamento de Mobilidade Urbana antes da decisão que aprovou a nova matriz de responsabilidades para a Copa do Mundo FIFA 2014″.
Rodrigues registrou que Cristina e Luiza violaram a integridade do processo administrativo e dos motivos que fundamentaram a troca do modal.
“Tal norma era ou, pelo menos, deveria ser de conhecimento dos agentes públicos, sobretudo por ocuparem cargos de direção e de gerência. Ao terem potencial consciência da ilicitude, era-lhes exigível conduta diversa […] Assim, a subtração de documento avilta o princípio do controle ao ocultar informações essenciais ao exame da regularidade dos atos administrativos, sobretudo em relação aos aspectos da economicidade, eficiência, eficácia e efetividade”, afirmou.
O ministro votou por condená-las à multa de R$ 2,4 mil e foi acompanhado pelos demais membros.

Fonte: SECOM/MT

Leia Também:  Marinalva Almeida repete ensaio para a Paparazzo
Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA