Bolsonaro critica documentário indicado ao Oscar, mas diz que não assistiu

O presidente Jair Bolsonaro criticou, nesta terça-feira, 14, a indicação do documentário Democracia em Vertigem ao Oscar, mas admitiu não ter assistido ao longa-metragem. Na avaliação de Bolsonaro, a produção é uma “ficção”. “Para quem gosta do que urubu come, é um bom filme”, afirmou.

A declaração do presidente foi dada na saída do Palácio da Alvorada, na manhã desta terça-feira. Questionado se assistiu ao documentário, Bolsonaro afirmou que não vai “perder tempo com uma porcaria dessas”.

A indicação de Democracia em Vertigem ao Oscar tem repercutido nas redes sociais nas últimas horas. A hashtag #TheEdgeOfDemocracyFAKE amanheceu na lista de assuntos mais comentados do Twitter. Além de Bolsonaro, outros integrantes de seu governo também comentaram a presença do longa-metragem sobre o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff entre os indicados. A maior crítica da ala bolsonarista é a de que a produção da diretora Petra Costa retrata apenas a perspectiva do PT.

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, afirmou, em tom de ironia, ter “orgulho” de ver um filme brasileiro sendo indicado ao Oscar em três categorias: “Terror, comédia e ficção”. “A estrela da farsa [Dilma Rousseff] levou o Brasil, em cinco anos, ao fundo do poço. Deu uma aula de gestão desastrosa, incompetência e insolvência financeira”, escreveu em sua conta no Twitter.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, disse nas redes sociais que as indicações ao Oscar “não são a toa (sic)”. “Se fosse um documentário mostrando a maior manifestação de rua da história do Brasil (contra o PT do lulopetismo) jamais seriam (sic) indicados”, afirmou.

O Movimento Brasil Livre (MBL), responsável por organizar as manifestações contra Dilma durante o processo de impeachment, aproveitou a indicação para divulgar o próprio documentário sobre o período e não deixou de criticar Democracia em Vertigem. “Uma farsa gigantesca que ignora milhões de brasileiros que foram às ruas contra o maior escândalo de corrupção da história”, definiu.

Outros políticos bolsonaristas como Marco Feliciano, Bia Kicis e Carla Zambelli já haviam criticado a indicação, dizendo que ela é uma “afronta à população brasileira”. O PSDB, por sua vez, ironizou a notícia, parabenizando a diretora pela “indicação de melhor ficção e fantasia”.

VEJA.COM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *