Deltan tira ação da cartola para atenuar impacto de sua fundaçã

Foi com bastante naturalidade que a auto apelidada “força tarefa” da autoproclamada “operação lava jato”, na sua pretensa luta do bem contra o mal, chamou suas vítimas de corruptos, ladrões e termos assemelhados. Bem verdade que alguns eram mesmo. Mas os que não eram, bem poderiam ajustar contas com os acusadores.

Gilmar reagiu depois de confirmar as suspeitas sobre a origem das centenas de falsas acusações, lações e suposições publicadas a seu respeito. Vinham de Curitiba, como se viu nos diálogos obtidos pelo The Intercept Brasil.

Essa não foi a única vez em que Deltan crispou-se. Quando o ex-presidente Lula ingressou com ação de reparação por danos morais contra ele, reagiu: era uma tentativa de intimidação.

O então juiz Sérgio Moro mostrou os dentes: perguntou ao ex-presidente se a iniciativa fora dele ou coisa de seus advogados.

É claro que para Dellagnol o seu famoso powerpoint não ofendeu ninguém.

Logo, acusar e ser acusado é algo comum nesse campo. Por que então, depois de ser chamado pelo nome tantas vezes, Dellagnol resolveu processar a União?

Não é difícil concluir. É tentativa de jogar penumbras sobre o barulho que fará o julgamento de um delito com desfecho previsível: a audaciosa manobra para se criar a Fundação Dellagnol, às custas de cerca de R$ 2,5 bilhões da Petrobras.

A cortina de fumaça é bem vinda para quem foi denunciado pela própria Procuradoria-Geral da República de fraudar acordo internacional, com dinheiro dos brasileiros.

O Conselho Nacional do Ministério Público, dessa vez, não terá como se esquivar. Para reforçar a cobrança, deputados petistas ingressaram, mês passado, com nova representação — recheada de documentos e provas.

A aposta de Deltan — que provavelmente sabe como seus conterrâneos de Curitiba reagirão à sua ação — é que, no STF, sua ação caia nas mãos de algum ministro com quem Gilmar se tenha desentendido. Algo que o ministro Sérgio Moro poderá considerar uma tentativa de intimidação.

Não deixa de ser pitoresco que o procurador tenha convocado para representá-lo o mesmo advogado que representou Habib Chater, o doleiro dono do Posto da Torre que operava para Alberto Youssef.

Foi esse posto que emprestou o apelido para o processo em torno de fornecedores de serviços para a Petrobras e que fez de Curitiba sede do Juízo Universal para todos os assuntos e pessoas.

Fonte: Por Márcio Chaer – Consultor Jurídico 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *