MC carioca preso em baile funk em MT é transferido para PCE

O funkeiro Marlon Brendo Coelho Couto Silva, de 20 anos, conhecido como MC Poze do Rodo, do Rio de Janeiro, que foi preso no final de semana em Sorriso, a 420 km de Cuiabá, foi transferido do Centro de Ressocialização de Sorriso para a Penitenciária Central do Estado, na capital mato-grossense.

MC Poze teve a prisão em flagrante convertida em preventiva durante audiência de custódia na segunda-feira (30). A transferência ocorreu nessa semana.

Ele foi preso no último sábado (28) por apologia ao crime, corrupção de menores e tráfico de drogas durante um show que, segundo a Polícia Militar, foi organizado por uma organização criminosa.

De acordo com o advogado de defesa do cantor, José Estevam Macedo Lima, está sendo aguardada a decisão da justiça sobre o pedido de revogação da prisão.

A defesa do MC alega que estão atribuindo ao cantor envolvimento com diversos crimes, quando, segundo o advogado, na verdade ele não tem nenhuma participação na realização e organização do evento.

O advogado espera de que seja aplicada a liberdade provisória do MC em troca de medidas cautelares.

Para ele, o ocorrido é uma forma de ‘criminalização do funk e à liberdade de expressão’.

O caso

No evento, mais de 40 adolescentes foram flagrados em uma festa com álcool e drogas.

De acordo com a Polícia Militar, os adolescentes têm entre 13 e 17 anos. Os adolescentes foram liberados após a chegada dos pais ou responsáveis no sábado.

Ainda conforme a PM, MC Poze do Rodo e outros três suspeitos que também foram presos são apontados como promotores e organizadores da festa. Eles vendiam droga e bebida aos adolescentes que foram apreendidos.

A polícia recebeu diversas denúncias sobre a festa em uma boate no bairro Setor Industrial onde ocorria um baile funk com a presença do músico carioca.

A denúncia dizia que havia diversos menores de idade que consumiam bebida alcoólica e droga na festa, além de apontar o MC como responsável por incitar crimes.

Uma força-tarefa de policiais militares, civis e Conselho Tutelar foi até o evento, que acabou fechado pelas autoridades.

Fonte: G1 | Foto: Reprodução

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *