Política

PTB espera o crivo de Lucimar e Jaime para lançar Emanuelzinho a prefeitura de VG

Publicado

na

O PTB deve aguardar aval da prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos (DEM) e do senador Jayme Campos (DEM) para validar o nome do deputado federal, Emanuelzinho (PTB) a candidato ao cargo do executivo na segunda maior cidade do Estado, nas eleições de 2020. Isso é o que garante o presidente da sigla em Mato Grosso, o ex-prefeito de Cuiabá, Chico Galindo.

“Emanuelzinho é um grande quadro do PTB, mas a discussão passa pela prefeita Lucimar e senador Jayme a qual o PTB faz parte do partido que o apoia”, afirmou Galindo ao  VG Noticias nesta segunda-feira (01.07).

Mesmo Emanuelzinho sendo pré-lançado pelo pai, o prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), para a disputa em Várzea Grande, Galindo afirma que na política é necessário dialogar, mas destaca que mesmo conversando, o partido também pode tomar uma decisão individual.

“A política é a arte da articulação, se estamos juntos apoiando a atual prefeita sem dúvida vamos discutir. Mas os partidos são soberanos e defini na época certa o seu destino”, pontua.

Leia Também:  Clima esquenta no primeiro debate dos candidatos ao Governo de Mato Grosso

Atrito
A história de alinhamento do PTB e DEM em Várzea Grande é antiga. A aliança foi estruturada há mais de 20 anos, incialmente entre Jayme e o ex-senador Osvaldo Sobrinho. Ambos além de amigos, eram sócios em alguns negócios e assim mantiveram suas siglas unidas.

No entanto, como o prefeito de Cuiabá resolveu anunciar a candidatura do filho em Várzea Grande, sem aval do senador, nasceu uma certa indiferença entre os partidos. Jayme por inúmeras vezes considerou o nome do deputado como bom, mas reconheceu que não existe essa conversa.

Galindo com a intenção de amenizar os “burburinhos” e mudar o foco das conversas, convidou o presidente da Câmara de Cuiabá, o vereador Misael Galvão para inserir no partido, e destacou a possibilidade da composição de Galvão sendo vice de Pinheiro.

Mas, ele garante que Misael pode ser candidato até a prefeito. Além disso, revelou que outro nomem em potencial a aderir a silga será  do vereador Adevair Cabral (PSDB).

“Misael está vindo para o PTB com credencial para todos os cargos políticos. Mas não falamos sobre vice.Vamos juntos reestruturar oPTB em todo estado. E também foi convidado o vereador Adevair Cabral para ingressar ao PTB”, concluiu Galindo.

Leia Também:  PRTB deve lançar chapa pura em Cuiabá nas eleições de 2020

 

 

 

Fonte: VG Noticias

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Corregedor entrega parecer favorável a processo contra Flordelis

Publicado

na

O corregedor da Câmara dos Deputados, deputado Paulo Bengtson (PTB-PA), entregou, nesta quinta-feira, 1º, parecer favorável à continuidade do processo disciplinar que pode levar à cassação do mandato da deputada Flordelis (PSD-RJ), acusada de matar o marido. O documento foi entregue na casa do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

A parlamentar foi denunciada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro como mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, morto em junho do ano passado. Na semana passada, Flordelis prestou depoimento à Corregedoria da Câmara por cerca de duas horas. Segundo Bengtson, durante o depoimento, ela negou todos os fatos e disse que não quebrou o decoro parlamentar, mas não apresentou nenhuma prova.

“Nós temos ali inúmeros indícios de prova. O que ela não conseguiu trazer para a corregedoria foi a negativa dessas provas”, disse. “Fizemos as 10 perguntas, ela explicou, falou direitinho, mas não trouxe as provas daquilo que falou. Então, para mim, fica muito difícil não dar continuidade a um processo já que ela tem ausência de provas contrárias a acusação que ela tem”, disse.

A partir de agora, a Mesa Diretora vai decidir se envia o processo ao Conselho de Ética da Câmara, colegiado responsável por analisar a conduta dos parlamentares e recomendar a cassação Cabe ao plenário, no entanto, decidir se a acusação de assassinato é ou não motivo para perda do mandato de deputada.

Fonte: Estadão Conteúdo – São Paulo

Leia Também:  TCE investiga contratos que totalizam R$ 8 milhões em VG
Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA