Cotidiano

Nova forma de parcelamento via cartão de crédito é questionada pelo Procon-MT

Publicado

na

A Secretaria Adjunta de Proteção e Defesa dos Direitos do Consumidor (Procon-MT) faz um alerta sobre uma nova prática de parcelamento de compras disponível no mercado: o crediário no cartão de crédito. O risco é que esse sistema resulte em aumento do endividamento, prejudicando os consumidores brasileiros.

O chamado “crediário no cartão” é um sistema de parcelamento com juros anunciado esta semana pela Associação Brasileira de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs). O consumidor terá que optar entre quatro formas de pagamento: débito, crédito à vista, crédito parcelado (conforme as opções da loja) ou o novo crediário.

Na modalidade crediário, o parcelamento é feito pelo consumidor direto com a operadora de cartões, por meio da “maquininha”, no momento da compra – com juros definidos pelo banco emissor do cartão, de acordo o perfil do cliente.

Para a secretária adjunta do Procon-MT, Gisela Simona, essa nova forma de crediário deixa muitas dúvidas, principalmente em relação às taxas de juros que serão aplicadas, o que pode afetar diretamente o consumidor mais vulnerável. “Há uma carência muito grande de informações com a colocação desse novo serviço no mercado: como serão precificados juros; como e em que momento o consumidor terá informações sobre o final do pagamento e todos os encargos decorrentes desse parcelamento?”.

Leia Também:  Proposta prevê instalação de câmeras de vigilância nos transportes de passageiros intermunicipais

Outro questionamento é em relação ao modo como o risco de superendividamento é avaliado pelos cartões de crédito e instituições financeiras. Há também a dúvida em relação aos juros cobrados do consumidor caso ele não consiga pagar as parcelas do cartão de crédito.

“A Abecs precisa prestar esclarecimentos sobre essa nova modalidade de crédito, uma vez que se trata de uma medida que não foi exposta de forma clara. Isso pode resultar em prejuízos ao consumidor, principalmente aquele mais vulnerável, bem como ao comerciante”, frisou Gisela, ressaltando a necessidade de transparência.

A Associação Brasileira dos Procons (Procons Brasil) também manifestou preocupação em relação à medida adotada pela Abecs e pede esclarecimentos. De acordo com associação de proteção ao consumidor, o projeto de lei que busca recuperar o consumidor superendividado está parado no Congresso Nacional e neste “limbo legal” as instituições financeiras têm promovido outorga de crédito ao consumidor.

“O direito à informação deverá prevalecer nestas contratações, sob pena de imputar ao consumidor um aumento na sua vulnerabilidade contábil, ou seja, sua incapacidade técnica de calcular a consequência financeira do que está contratando”, manifestou-se a Procons Brasil por meio de nota.

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cotidiano

Pessoas que tiveram dengue podem ter imunidade à Covid-19, diz cientista

Publicado

na

O cientista brasileiro Miguel Nicolelis acredita ter encontrado uma relação importante entre a infecção provocada pelo novo coronavírus e a dengue.

O professor na Universidade Duke, da Carolina do Norte, afirma que pessoas recuperadas da dengue nos últimos meses podem ter desenvolvido anticorpos que sirvam para protegê-las da Covid-19.

A hipótese surgiu depois de Nicolelis observar mapas epidemiológicos das duas doenças. O professor percebeu que elas têm uma tendência de distribuição complementar: as regiões com muitos casos de dengue entre 2019 e o início de 2020 tiveram menos registros de mortes pelo Sars-CoV-2 ou uma curva mais lenta de transmissão comunitária.

As informações do estudo são preliminares e ainda precisam passar por revisão de pares antes de serem publicadas em uma revista científica.

De acordo com a Reuters, Nicolelis afirma que a “descoberta surpreendente levanta a intrigante possibilidade de uma reação cruzada entre o vírus da dengue e o Sars-CoV-2”.

O cientista lembrou ainda que, em outros trabalhos, já foram identificados pacientes com anticorpos para a dengue que testaram positivo para o coronavírus mesmo sem terem tido contato com ele, o que reforçaria a tese de interação imunológica entre os dois vírus.

Fonte: Metrópoles

Leia Também:  Pesquisa irá avaliar o comportamento do coronavírus e resposta de anticorpos em cidade do Acre
Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA