PSB, PSDB, Rede, DC e PPL devem anunciar nesta terça-feira (9)apoio no segundo turno.Confira outras informações na coluna JPM de hoje

Integrantes das executivas nacionais se reúnem em Brasília nesta terça -feira(9),  para definir o apoio aos candidatos à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). A expectativa é de que PSB, PSDB, Rede, DC e PPL anunciem  ainda hoje as decisões.Informalmente, alguns líderes políticos sinalizaram como atuarão nesta reta final. O comando do PDT, do candidato Ciro Gomes, que ficou em terceiro lugar na disputa presidencial, indicou que deve assumir um “apoio crítico” à candidatura de Haddad.

 

PT TENSO

Haddad pode desgrudar de Lula. A coluna apurou que depois de uma reunião tensa de avaliação de erros e tentativas de traçar um caminho para o segundo turno, o conselho político de campanha do PT concordou em usar as próximas semanas para construir uma imagem de um Fernando Haddad independente do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e levar o candidato petista a assumir as rédeas da campanha e impor seu discurso.A nova postura da campanha era uma cobrança de aliados e de parte do PT, mas enfrentava resistência de partes do partido que acreditavam que a transferência de votos do ex-presidente ainda não estava finalizada.”Agora o Haddad do segundo turno é o Haddad.”, defendem as lideranças.

 

 

APOIO NOS ESTADOS

Foto: divulgação

O presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) terá o apoio da maioria dos candidatos a governador que disputam o segundo turno das eleições em seus Estados.Dos 28 que disputam o segundo turno em 14 Estados, 12 já anunciaram que irão apoiar Bolsonaro na disputa contra Fernando Haddad (PT). A conta inclui nomes como João Doria (PSDB), em São Paulo, Gelson Merísio (PSD), em Santa Catarina, e os dois candidatos que irão confrontar-se no Rio Grande do Sul: José Ivo Sartori (MDB) e Eduardo Leite (PSDB).

PERSPECTIVA OTIMISTA

A equipe de Jair Bolsonaro (PSL) está reunindo apoio do setor privado para levar executivos ao governo, caso vença o segundo turno das eleições no dia 28. São pessoas que já aconselham o economista Paulo Guedes e equipes do presidenciável.Fazem parte da lista Alexandre Bettamio, CEO para a América Latina do Bank of America, João Cox, presidente do conselho de administração da TIM, e Sérgio Eraldo de Salles Pinto, da Bozano Investimentos (presidida por Guedes).

BANCADAS FORTES

Com certeza surge um novo quadro  político na Câmara dos Deputados. Com a ampliação dos partidos mais ligados a pautas conservadoras, as três principais frentes da Câmara que defendem temas específicos – bancada da bala, evangélicos e do agronegócio – tendem a se fortalecer na próxima legislatura, mesmo com o alto índice de renovação.Se analisadas em conjunto, as três reelegeram menos da metade de seus atuais integrantes, mas a ascensão de partidos ligados aos temas deve dar impulso para que ampliem a influência sobre a pauta da Casa.

MILITARES POLÍTICOS

Pelo menos 360 militares concorreram ao cargo de deputado federal nestas eleições.
A Câmara dos Deputados terá, no ano que vem, mais do que o dobro de representantes militares do que tinha em 2014. No domingo (07), foram eleitos ao menos 22 candidatos com algum vínculo militar.Entre os escolhidos pela população estão dois generais da reserva. Há também três coronéis e dois capitães. Treze deles são do PSL, partido de Jair Bolsonaro, candidato a presidente que disputa o segundo turno com o petista Fernando Haddad.

AINDA DE RESSACA

Após mais de um mês esvaziado, por conta das eleições, o Congresso  Nacional deve retomar as atividades nesta semana. Durante o primeiro turno, como a grande maioria dos parlamentares estava em campanha, eles se reuniam apenas em datas combinadas, no chamado esforço concentrado, para votar apenas projetos consensuais.A grande dúvida é se vai haver quórum para deliberações ainda na ressaca dos resultados do primeiro turno, com estratégias e apoios começando a ser traçados para o segundo.

 

EM CIMA DO MURO
O partido Novo, de João Amoêdo, anunciou na manhã desta terça-feira (9) que não apoiará o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) mas se posiciona “absolutamente contrário ao PT”.O cenário presidencial no segundo turno “não é aquele que desejávamos”, de acordo com nota divulgada pelo partido. Amoêdo obteve 2,5% dos votos.O comunicado do Novo justifica que o partido é contra o PT porque suas ideias e práticas são opostas, mas não deixa claro os motivos que o levou a desistir de apoiar Bolsonaro.

APOIO CRITICO

Nesta quarta-feira(10)), o PDT reunirá sua Executiva Nacional para definir a posição do partido no segundo turno da eleição presidencial entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), disse ontem (8) o presidente da legenda, Carlos Lupi, afirmando que defenderá no encontro um “apoio crítico” ao petista.Vou defender que o partido tenha um apoio crítico ao Haddad para evitar um mal maior que seria a eleição do Bolsonaro”, disse Lupi,

 

 

SEM FORO PRIVILEGIADO

Ponto para as investigações. O procurador da República coordenador da força-tarefa do Ministério Público Federal na Operação Lava Jato, disse que “pelo menos uma dezena de envolvidos graúdos (nas investigações) perderam o foro privilegiado”. Em sua conta no Twitter, Deltan deu “parabéns aos brasileiros” e afirmou que “houve avanços significativos contra a corrupção”.

PSL QUER PRESIDÊNCIA DA CÂMARA

Presidente da legenda e deputado federal eleito, Luciano Bivar, disse que é tradição o partido com mais parlamentares ter o comando da CasaO presidente licenciado do PSL e deputado federal eleito, Luciano Bivar (PE), afirmou nesta segunda-feira (8) que o partido deverá se tornar a maior bancada da Câmara dos Deputados no próximo ano com a migração de parlamentares e, nessa condição, deve reivindicar a presidência da Casa, no início do que ele acredita que será o governo do correligionário Jair Bolsonaro.

 

EXPECTATIVA

O Ibovespa mostrava indefinição na manhã desta terça-feira, após ganhos expressivos na véspera, tendo como pano de fundo um cenário externo relativamente desfavorável e um movimento de realização de lucros, enquanto agentes financeiros aguardam novidades no cenário eleitoral no país.

 

FRASE DO DIA

“Sempre fomos favoráveis ao campo democrático popular, que esses partidos sempre estivessem juntos no segundo turno em defesa da democracia e dos direitos. Essa recomposição de campo é importante para nós”, disse  o candidato do PT à Presidência, Fernando nesta terça-feira(9)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *