Destaque

Carga de 37 mil litros óleo vegetal é recuperada em Várzea Grande

Publicado

na

Um carga de óleo vegetal avaliada em R$ 83 mil desviada foi recuperada pela Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos Automotores (Derrfva), da Polícia Judiciária Civil, na noite do ultimo sábado (07), em um galpão, na cidade de Várzea Grande.

Os investigadores descobriram que o motorista, E. C.B. 24 anos, mentiu no boletim de ocorrência confeccionado na Delegacia de Campo Verde, ao informar que o caminhão Bitrem, Mercedez 2540, branco, placas de Cuiabá, havia sido tomando de assalto junto com a carga de 37 mil litros de óleo vegetal, por duas pessoas em veículo Gol, na BR 364,  subida da Serra de São Vicente, no dia 5 de outubro.

Na comunicação falsa, o motorista contou que o veículo fechou sua frente e duas pessoas desceram do carro anunciando o assalto. Durante o registro, o motorista narra que foi retirado do veículo enquanto outro bandido assumiu a direção da carreta. O motorista ainda descreveu que foi deixado próximo da Expoverde e dali chegou até a rodoviária, onde acionou a Polícia e foi até a Delegacia fazer o boletim de ocorrência.

Leia Também:  O que podemos e devemos esperar da nossa imprensa pós-pandemia

Em investigações, novamente policiais da Derrfva entrevistaram o motorista que transportava a carga, que depois de apresentar contradições, acabou revelando que tinha forjado o roubo e mentido no boletim de ocorrência, para encobrir o desvio da carga. No entanto, o motorista alega que foi cooptado por duas pessoas, que ofereceram R$ 7 mil para proceder com o desvio da carga até o galpão abandonado, no Distrito Industriário, em Várzea Grande, local onde a carga escondida foi recuperada.

Para a Polícia Civil há uma associação criminosa que vêm cooptando motoristas para o desvio de cargas, como também para o transporte de drogas até a região Sul do país. Os motorista são aliciados durante as paradas em postos de combustíveis nas rodovias de Mato Grosso. “Vamos dar continuidade as investigações para identificação de membros desse esquema criminoso”, afirmou o delegado Vitor Hugo Bruzulato Teixeira.

A carga estava acondicionada em quatro caixas de água, sendo cada uma de 10 mil litros. O proprietário foi acionado para retirada do produto do local.

Leia Também:  Pobreza interfere em notas da prova do Enem

O motorista foi autuado em flagrante por furto mediante confiança e concurso de pessoas. Por se tratar de crime com penas privativas de liberdade máxima, que superam 4 anos não foi aplicada fiança e o motorista encaminhado para audiência de custódia.

Por: Assessoria | PJC-MT

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Parceria entre Governo e Programa REM garante mais R$ 300 mil para resgate de animais

Publicado

na

Serão destinados mais R$ 300 mil para ações de resgate e atendimento de animais atingidos pelos incêndios florestais do Pantanal, em Mato Grosso. O Posto de Atendimento Emergencial de Animais Silvestres (PAEAS) que receberá o reforço fica localizado no km 17 da rodovia Transpantaneira (MT-060) e o Governo já investiu R$ 500 mil na ação.

“A Secretaria de Estado de Meio Ambiente acionou o Programa REM (Programa Global REDD Early Movers) que já sinalizou com a autorização para a entrega de mais R$ 300 mil só para o posto de atendimento”, explica a secretária de Estado de Meio Ambiente (SEMA), Mauren Lazzaretti.

Com investimento inicial de R$ 500 mil, o Estado já viabilizou a estrutura de atendimento, insumos, carros e veículos como caminhões-pipa, cochos e recintos para os animais.

Os cuidados aos animais oferecidos pelo corpo técnico de veterinários, assistentes, bombeiros militares, policiais militares, biólogos, e voluntários que estão atuando na linha de frente do atendimento no PAEAS, fazem parte das ações para diminuir os impactos dos incêndios – ainda não mensurados – na fauna e flora.

“Nós estamos mobilizados para fazer o controle dessa situação desastrosa, junto com toda a comunidade científica, com os voluntários, como órgão ambiental, testando novas alternativas para que a gente possa passar por este momento mitigando e reduzindo da melhor forma os impactos, e também estabelecendo novas estratégias para que a gente possa de algum modo estar mais preparados para eventos futuros desta mesma natureza”, explica a secretária.

Leia Também:  Pesar

O Programa REM (REDD para Pioneiros pela sigla em Inglês) que irá destinar recursos para o atendimento dos animais, é uma iniciativa dos Governos da Alemanha e Reino Unido, que investe na proteção do meio ambiente em nações e estados comprometidos com a redução de emissões de CO2, por meio da conservação de florestas.

Posto de Atendimento de Animais

O PAEAS Pantanal realiza o resgate, atendimento inicial, recuperação e assistência com mantimentos aos animais silvestres atingidos direta ou indiretamente pelos incêndios desde o dia 30 de agosto. É um dos instrumentos de resposta aos incêndios florestais e integra as ações do Centro Integrado Multiagências (Ciman).

“Montamos um posto de atendimento emergencial com o objetivo de garantir que os animais que estão sendo resgatados pela nossa equipe do Corpo de Bombeiros e pelo Batalhão Ambiental pudessem ter os primeiros atendimentos, como em um pronto-socorro”, conta Lazzaretti.

O Posto possui local para internar, fazer os primeiros atendimentos e para orientar a reintrodução. Na eventualidade de precisar de acompanhamento, o animal fica internado no PAEAS, e em caso de necessidade de atendimento especializado, é feita a remoção para a estrutura de hospitais veterinários de Cuiabá.

Leia Também:  O que podemos e devemos esperar da nossa imprensa pós-pandemia

“O objetivo é reintroduzir o animal em ambientes que estejam preservados. A estrutura do Corpo de Bombeiros está tentando manter este ambiente para que a fauna possa ser reabilitada”, pontua ela.

A unidade já atendeu muitas espécies de animais de pequeno e grande porte, como onças, lobetes, iguana, anta, jabuti, garça, jaguatirica, tamanduá, entre outros. A força tarefa para atendimento aos animais reúne esforços de órgãos do Governo de Mato Grosso, Governo Federal, entidades de classe, terceiro setor e instituições privadas.

O posto funciona com apoio das Secretarias Estaduais de Meio Ambiente, Segurança Pública, Saúde, universidades federais (UFMT e IFMT), Corpo de Bombeiros, Defesa Civil, Polícia Ambiental, Marinha, Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-MT), Ordem dos Advogados do Brasil, ONG Ampara Silvestre, Clínicas Veterinárias, Ibama, Prefeitura Municipal, trabalho voluntário e doações.

Fonte: GCOM-MT

Continue lendo

PUBLICIDADE

POLÍTICA

ECONOMIA

VARIEDADES

MAIS LIDAS DA SEMANA